Pág. 1 de 4

Fazer (19)

Fazer

Arouca possui bastantes potencialidades turísticas, caraterizada por uma rica gastronomia e doçaria conventual. Situada entre várias serras, com povoações plantadas em locais improváveis, possui uma atmosfera ímpar para as amantes da natureza, montanhismo, caminhadas, desportos radicais e fotografia. Os incêndios tem destruído muito do seu valioso património natural mas ainda subsistem manchas de floresta autóctone como o PR10, rota dos Aromas. Este percurso em conjunto com o PR1 Caminhos de Montemuro formam os únicos a não serem afetado pelos fogos. Arouca tem nos Passadiços do Paiva um dos seus cartazes mais conhecido mas não se esgota nele, descubra por si próprio as aldeias perdidas na serra, algumas desabitadas mas não abandonadas, como Drave, em cascata pelos montes como Regoufe ou Noninha. Gente hospitaleira e humilde acolhe quem os visita sempre com um sorriso no rosto.

“...torneia-se o monte e começa a descida para o vale de Arouca. A encosta e o vale igualam em beleza a Sintra e excedem-na em vastidão.”

Alexandre Herculano, 1854

O ONDAS DA SERRA e o Espaço Yoga de Ovar organizaram, neste outono, um passeio a Drave. Desde 2003 que esta "Aldeia Mágica", enfiada numa cova criada pelo encontro das serras da Freita, São Macário e Arada, serve de Base Nacional ao Corpo Nacional de Escutas. Viaje com o nosso grupo, de 24 caminheiros, entrando na galeria que preparámos para si. Fotos de Fernando Manuel Oliveira Pinto.

Depois dos incêndios que devastaram Arouca em 2016, grande parte das demarcações dos percursos pedestres foram danificadas. Recebemos recentemente informações da Câmara Municipal de Arouca, que as marcações estão quase todas repostas, nomeadamente a do PR 8 – Rota do Ouro Negro, que pode ser feita de Fuste a Rio de Frades ou vice-versa. Foi este que fomos fazer no dia 13 de novembro e sobre a qual vamos falar um pouco.

Diz-se muitas vezes acertadamente que a beleza e magia estão no olhar de quem observa, este verbo foi usado intencionalmente, porque observar é diferente de ver, assim como escutar é diferente de ouvir.

No passado dia 29 de outubro, Ondas da Serra em parceria com o Espaço Yoga de Ovar, organizaram uma viagem entre Regoufe e aldeia mágica de Drave, localizadas em Arouca.

Os 8 km dos Passadiços do Paiva levaram a equipa do Ondas da Serra por paisagens de beleza intocável e deixaram uma certeza: a aventura começa no primeiro degrau e é diferente para todos os exploradores. Localizados na margem esquerda de um dos rios mais cristalinos de Portugal, o rio Paiva, os caminhos de madeira serpenteiam por encostas, águas bravas e praias fluviais.

Arouca possui uma grande riqueza a nível do património natural e arquitetónico, abaixo o nosso leitor poderá ler uma síntese de alguns destes locais e monumentos que poderá visitar. Quando se deslocar a estes locais não deixe de visitar as aldeias que estão próximas e ver quadros reais dum Portugal de outros tempos. Por vezes parece que o tempo voltou para trás e até se vêem ainda a circular motorizadas "SIS Sachs V5" por pessoas com alguma idade. Em muitos locais o passado e o presente encontram-se fornecendo ao fotografo capturas duma realidade muito peculiar.

Pág. 1 de 4
Pub