quinta, 16 novembro 2017 23:55

Fuste | História de um cão Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Já estamos habituados que nas nossas caminhadas e explorações nos aconteçam as mais variadas peripécias. Na nossa viagem a Fuste – Moldes – Arouca, para trilhar o PR8 - Rota do Ouro Negro, aconteceu-nos algo especial.

Fuste | História de um cãoÀ saída da aldeia as setas pareciam indicar que deveríamos entrar pelo pátio particular duma casa. Mas não havia outra alternativa e tivemos mesmo que seguir as indicações e passar numa pequena abertura que dava acesso a um pátio interior, onde floresceu uma sombreira ramada. Aqui fomos encontrar nas tarefas quotidianas o casal habitante dessa casa. A senhora lavava roupa num tanque e o homem mexia em ferramentas. Paramos um pouco a falar com eles e fizemos festas a vários animais, como fizemos a outros nesta aldeia e deve ter sido isso que despoletou a história que se segue.

Começamos o percurso e verificamos que um pequeno cão de cor creme, bem tratado, com coleira, com postura feliz e carinhosa, nos seguia muito contente e dava correrias de forma energética.

Nós pensamos que a dada altura ele regressaria aos donos como é habitual nestes casos. Mas ele não parava de nos seguir, nem com os nossos insistentes pedidos. Uma ocasião fomos mais “duros”, durante breves instantes o cão desapareceu, para regressar logo de seguida em espetacular correria e passar a toda a velocidade por nós.

Nesta fase do trajeto pensamos nós que a companhia do animal era desígnio superior e que já estávamos longe o suficiente para não termos a certeza que ele regressava em segurança a casa. Soubemos logo nessa altura que ele teria no final de ser entregue aos donos.

E assim foi, parecia que o cão era nosso, quando nos ultrapassava ficava à nossa espera com as orelhas arrebitadas, quando ficava para trás, dava uma corrida para nos apanhar. Por vezes desaparecia por entre a vegetação ou molhava-se nos pequenos ribeiros que encontrava.

O percurso foi duro, este tem locais muito perigosos, onde até colocaram arames para as pessoas se segurarem. Em alguns pontos o caminho não tem mais de um metro de largura, uma queda pode ser a morte certa. No entanto alheio ao perigo o cão passava por nós a correr a todo a velocidade, ficávamos com o coração nas mãos, alguém ia-lhe dizendo, “O pá ainda vais cair lá baixo”.

Paramos para retemperar forças, no vale junto à Cascata da Ribeira do Covela, claro que o pequeno cão estava com fome depois de ter gastado alguma da sua energia. O “farnel” não era muito, mas lá comeu um pouco das nossas sandes. comeu de tudo; menos de banana..., devíamos pensar que ele era um macaco.

Retomando o caminho, a dada altura, o cão parou em postura defensiva com as orelhas arrebitadas. Nós não vimos nada, mas ele pressentiu algum perigo e mais tarde ficamos a saber que por ali vivem lobos que têm matado cães e ovelhas por aquela região.

Já perto do nosso destino em Rio de Frades surgiu outro cão que logo fez amizade com o “nosso”. Bem um cão ainda vá lá, mas dois já era de mais, mas constatamos que este tinha a sua casa ali próximo.

Chegamos ao destino e o nosso animal vendo a casa da Srª Alice Silva com a porta aberta depressa entrou lá para dentro, para comer a ração do gato. Mas a chegada repentina da proprietária levou-o fugir com medo, apesar das suas insistências ele não mais entrou e ela foi obrigada a deitar-lhe comida no exterior.

O tempo passou a correr e o crepúsculo aproximava-se e como ainda tínhamos que regressar a Fustes por caminhos de montanha, pedimos boleia à Sr.ª Fátima Tavares de Arouca, que se encontravam ali perto a descarregar achas de madeira. Este foi a única vez que o cão teve medo quando pegamos nele para ir aos nossos pés na cabine. Estávamos a ver que ele se iria enervar, mas lá com uma festas o conseguimos acalmar.

Bem próximo do destino o cão “finalmente” deu mostras de cansaço, colocando-se entre as nossas pernas. Mas acabamos por chegar, também nós já estávamos fatigados. Ali perto encontramos três mulheres, que tinham estado a trabalhar nos campos, Maria Ribeiro, Adília Duarte e Adília Ferreira, que nos indicaram quem era o dono do animal.

Uma delas veio connosco indicar-nos a casa, que por sinal era a que foi mencionada no começo desta jornada. Os donos eram o Alcino Silva e a Palmira Moreira que ao verem o animal ficaram muito contentes e aliviados. O dono disse já ter ido perguntar aos vizinhos pelo cão e ficado desconfiado que ele tivesse ido com os senhores da caminhada. Ficaram todos estupefactos com a história e que o cão não costuma fazer isso, já que é habitual passarem pessoas por ali nas caminhadas.

Finalmente soubemos o seu nome “Bobi”, tem dois anos, está registado e tem chipe. Isto deu motivo para ficarmos bastante tempo no local a falar, acompanhado pelo vinho que amavelmente nos ofereceu e que depois de tão grande esforço nos pareceu o néctar dos deuses, ainda que alguns não bebam por norma álcool.  Partilhamos histórias do Ondas da Serra e eles dos lobos que atacam a região e que serão tratadas noutro artigo. O cão, esse ficou algum tempo no colo do dono a dar-lhes lambidelas no rosto. Não fosse ele querer fugir novamente o mesmo foi fechá-lo dentro de casa.

Agora quando formos novamente a Fuste vamos cumprimentar o nosso amigo “Bobi” e os seus donos.

 

Leia também os nossos artigos:

 

Lida 511 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Albergue de animais já se encontra em funcionamento

A Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha inaugura, hoje, quarta-feira, pelas 17h30, o novo albergue para animais, nomeadamente canil e gatil. A obra, que implicou um investimento de cerca de 30 mil euros, irá permitir acolher e tratar os animais em condições condignas, representando uma melhoria significativa relativamente às condições atuais.

Vacinação antirrábica e identificação eletrónica de cães e gatos

A campanha de vacinação antirrábica e de identificação eletrónica (microchip) de cães e gatos inicia-se dia 2 de junho (sexta-feira), no Largo do Rossio, em Santa Maria da Feira, e decorre até ao dia 19 de julho, percorrendo todas as freguesias do concelho.

Faça Login para postar comentários
Pub