sexta, 17 fevereiro 2017 17:10

Manuel "Paciência"

Classifique este item
(2 votos)

Manuel da Silva Oliveira Duarte (Manuel "Paciência") nasceu no lugar da Ponte Reada, Ovar, em 9 de junho de 1935. Filho de Manuel de Oliveira Duarte, continuou o negócio de seu pai na Garagem Paciência, passando-o ao seu filho Fernando, com quem ainda trabalha, no centro histórico de Ovar.

Quan­tos anos tinha quando começou a trabalhar? 

Tinha 12 anos. Quando fiz o exame da 4.ª classe, o meu pai, que era ser­ralheiro, perguntou-me para onde é que eu queria ir trabalhar, e eu dis­se que ia para onde ele quisesse... No princípio, fui trabalhar com ele para a serralharia do Sr. Matos, que ficava à beira do Passo do En­contro. Mais tarde, o nosso patrão abriu um negócio de bicicletas e o meu pai ficou a chefiar aquilo. Quando a casa fechou, abriu o seu próprio negócio.

Então, foi o seu pai que lhe ensinou esta arte. Ainda era vivo quando abriram esta Garagem?

O meu pai faleceu em 1976, no dia 6 de fevereiro, seis anos após termos aberto a Garagem Paciên­cia. Fazia bicicletas pelas mãos dele, os quadros. Mas antes de virmos para aqui, estivemos numa casa arrendada, ali junto ao Passo do Horto. O proprietário da casa quis aumentar a renda e houve uma desavença entre os dois. Foram para Tribunal e deram-nos um pra­zo para sairmos. Como o meu pai fazia parte da Música Nova, ficou a saber que a Banda queria ficar com este armazém para fazer a sua sede, mas, como lhe ofereceram lá em cima, perto da rotunda, aquele terreno, desistiram de comprar isto. Ficámos nós com esta casa. Per­tencia aos Frazões, e tinha sido um armazém de coalhar azeite. Neste sítio, onde estamos a conversar, existia uma fornalha. O meu pai era uma pessoa que tinha muitos conhecimentos, muitas amizades, quer fosse na Ordem Terceira, quer fosse nas Bandas por onde passou.

De onde é que vem o nome Paciência?

Vem de um tio do meu pai, que trabalhava também na ser­ralharia. Chamava-se Manuel de Oliveira Paciência. Como o meu pai trabalhava com ele, o nome Paciên­cia ficou até hoje.

Como é que está o negócio das bicicletas em tempo de crise?

Estamos a atravessar tempos difíceis, mas a bicicleta, como vê, está cada vez mais na moda. E ago­ra, com as ciclovias que estão a fa­zer por aí, as pessoas utilizam cada vez mais a bicicleta como meio de transporte. Por falar nisso, podiam fazer uma pista do Carregal à Tor­reira, para que as famílias ao fim de semana pudessem pedalar em segurança para os lados da Ria. Sou casado, tenho dois filhos, um rapaz e uma rapariga, mas, graças a Deus, nunca me faltou trabalho. Todos conhecem o lema desta casa: Hoje não se fia... Amanhã, sim, tenha paciência!

Nunca recebeu nenhum convi­te para trabalhar noutro lugar?

Recebi. A antiga equipa de ci­clismo da Ovarense veio convidar­-me para ser o mecânico, na altura em que corria o João Gomes e o Joaquim Andrade. Mas como ga­nhava mais dinheiro na garagem e a responsabilidade era muita, fiquei por aqui. Mas isto também não é fácil, porque temos de saber cativar os clientes e ter mãozinhas para trabalhar.

Lembra-se de alguma figura conhecida que tenha vindo remen­dar um furo aqui à sua garagem?

O cabo Santos e outros milita­res da GNR vinham aqui arranjar as suas bicicletas. Quando tinha um furito, aparecia por cá. Era uma pes­soa impecável. Tinha um suporte na bicicleta para colocar a espingarda, ao comprido. Tirava-a, e eu arranja­va-lhe a bicicleta. Voltava a colocar a espingarda no suporte, e lá ia ele cumprir a sua missão.

As bicicletas também serviam para transportar alguns produtos, não serviam?

Os padeiros tinham um suporte à frente, onde levavam o pão para os fregueses, e os lavradores levavam os canados do leite num suporte que havia atrás nas bicicletas. Os pesca­dores também iam de bicicleta a to­car o búzio, quando chegava a altura de chamar o gado e os pescadores para a faina no mar...

TEXTO E FOTOS: Fernando Pinto

Lida 27 vezes Modificado em quinta, 30 março 2017 03:38

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Mulheres de coragem

Apesar de a Morte ser a porta da Vida – como está escrito num dos belíssimos painéis azulejares do Cemitério de Ovar –, a perda de um ente querido é sempre um acontecimento difícil de superar. É nestes momentos dolorosos que entram em cena profissionais dedicados que prestam uma série de serviços fúnebres à família enlutada, a qualquer hora do dia, de forma a atenuar a sua dor, como é o caso das simpáticas senhoras da Agência Funerária Celina Soares & Emília Fernandes Lda. O ONDAS DA SERRA foi até ao n.º 49 da Rua Visconde de Ovar, num fim de tarde, e esteve à conversa com estas mulheres de coragem.

Município organiza encontro de negócios com comunidade dos países de língua portuguesa

A Câmara Municipal da Mealhada e a Associação Comercial e Industrial da Bairrada e Aguieira (ACIBA) organizam, em parceria com a União de Exportadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), um encontro de networking para empresários, dia 10 de novembro, no Grande Hotel de Luso.

Incubadora com serviços de mentoria e consultoria

Empresas beneficiam de apoio no âmbito do projeto IERA - Incubadora de Empresas da Região de Aveiro

O Polo de Oliveira do Bairro da IERA, no âmbito do projeto da Incubadora de Empresas da Região de Aveiro, colocou à disposição das suas empresas incubadas um conjunto de serviços de apoio, totalmente gratuitos, que passam pela disponibilização de mentoria e consultoria.

Faça Login para postar comentários
Pub