quarta, 03 maio 2017 23:47

Chefe Guimarães — Escuteiro de Ovar

Classifique este item
(4 votos)

Nasceu em 2 de janeiro de 1934, na cidade berço de Portugal, e todos o conhecem por CHEFE GUIMARÃES. Joaquim Machado Costa Guimarães é um exemplo a seguir pelos escuteiros do Agrupamento 549 de Ovar, do qual é Chefe Honorário.

Jornalista Fernando Pinto - O Chefe Guimarães não nasceu em Ovar... Que bons ventos o trouxeram a terras vareiras?

CHEFE GUIMARÃES - Nasci atrás do Castelo de Guimarães, no dia 2 de janeiro de 1934, e vim para cá aos 12 anos. Os meus pais vieram trabalhar para a família Colares Pinto, que tinha uma fábrica de fazer pentes, travessas e colares para senhora, calçadeiras...

 

Quando veio morar para Ovar já era escuteiro?

Sim, era "Lobito", só que não me cheguei a fardar. Mas quando vim para cá não entrei logo para os Escuteiros, porque eu, como estava a morar no Furadouro, não sabia  que havia escuteiros em Ovar.

 

Onde é que fez a sua promessa de explorador?

Ali nos Combatentes, onde hoje é a Escola. Foi aí que conheci o padre Torres, o Anselmo, o Elias, o Figueiredo. Era aí que ficava a Sede do Agrupamento 66. Temos ali na parede, como pode ver, a bandeira do antigo agrupamento, que está estimada porque eu mandei-a encaixilhar para que não se estragasse. Esta estava no Museu de Ovar, onde tínhamos a nossa Sede. Depois os escuteiros acabaram, por não haver rapazes suficientes para continuar... Casei-me nessa altura. Mas eu nunca desisti do Escutismo.

 

O atual Agrupamento de Ovar é o 549 e não o 66... O que é que levou a esta alteração de número?

Quando o Grupo Scout 66 de Ovar acabou por falta de escuteiros, outro agrupamento apanhou esse número. Mas não deveria ser assim. Fizemos pressão para isso mas não conseguimos... É um desejo meu recuperar o antigo número desse grupo, formado em 1931, ainda eu não era nascido.

 

Sente-se algum saudosismo na sua voz... Como era vivido o escutismo na sua época?

Antigamente, os escuteiros não podiam andar com a camisa desapertada no colarinho, nem de mangas arregaçadas. E só os padres é que andavam de calças compridas. Nós andávamos de calções. Só havia rapazes. Agora os rapazes podem andar misturados com as raparigas. O que importa é que todos cumpram com as suas obrigações. Um escuteiro tem de praticar uma boa ação todos os dias, tem de ajudar o próximo. Um bom escuteiro sempre será um bom chefe de família, porque o dever de um "Escuta" começa em casa, respeitando os filhos e a esposa.

 

Em que ano assumiu a responsabilidade de ser chefe dos Escuteiros de Ovar?

Quando o padre Bastos veio em 1975 para Ovar não havia Escuteiros. Um dia, o Sr. abade ao falar com o Toni, que tinha sido escuteiro, mostrou vontade de que voltasse a haver escutismo em Ovar. E logo apareceram várias pessoas. Eu fui uma delas... [Hoje] sou apenas Chefe Honorário.

 

Quer partilhar algum episódio que o tenha marcado?

Tinha 16 anos quando recebi um castigo que me marcou para a vida toda. Foi num acampamento que fomos fazer ali em Estarreja. Antigamente, os escuteiros andavam com uma faca de mato. Agora é proibido. Cheguei lá e espetei a árvore... O meu guia avisou-me que o chefe estava a olhar para mim, e eu não liguei, deixei lá estar a faca. O chefe foi ter comigo e perguntou-me se tinha sido eu a fazer aquilo. Disse que sim, e ele disse-me para eu deixar a faca onde estava. Obedeci. A gente tinha mais respeito pelo nosso chefe do que os escuteiros de agora. No dia seguinte, levou-me até ao sítio da árvore... E a árvore estava chorar. A resina estava a cair pelo pinheiro abaixo. O chefe virou-se para mim e disse-me para eu guardar a faca. Fomos comer. Rezávamos antes da refeição para agradecer o alimento. Agora não se usa muito isso... Fizemos a oração, comemos, e o chefe ordenou que ninguém lavasse o seu prato. Antigamente, cozinhava-se a lenha, não havia fogões. O chefe mandou fazer uma roda e disse para eu ir para o meio. Queria saber que castigo me haviam de dar por eu ter espetado a faca na árvore. Mas ninguém falou... Então, o chefe virou-se para mim e mandou-me lavar a louça toda do agrupamento. Fui para a beira do rio, e estive lá quase três horas... Naquele tempo não havia detergente, nem esfregões. A louça era lavada com areia, e as panelas de alumínio tinham de ficar branquinhas. Estraguei os meus dedos todos naquele dia a esfregar. Ainda apareceram lá dois escuteiros para me ajudar, mas o chefe não deixou. Nunca mais espetei uma faca numa árvore...

 

TEXTO e FOTOS: Fernando Pinto

Lida 14 vezes Modificado em sexta, 22 setembro 2017 18:49

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Deolinda Silva | A pequena dos chapéus

Ondas da Serra esteve à conversa em São João da Madeira com Deolinda Silva, conhecida na terra carinhosamente pela “Pequena dos Chapéus”. Mas Deolinda já não é pequena, tem 64 anos de idade, mas ainda trabalha nos chapéus. Esta senhora é natural e residente desde sempre em Casal Novo – Cucujães, tem dois filhos e um casal de netos. Deolinda é do tempo em que as coisas eram mais imutáveis, os empregos, residências e famílias. Nós fomos ter com ela à antiga fábrica “Empresa Industrial de Chapelaria”, onde atualmente funciona o Museu da Chapelaria, para nós ajudar tínhamos à nossa espera Joana Galhano.

Restaurante Oxalá: Que cena!

O desejo de Amândio e Augusta Rebelo em oferecer bons momentos concretizou-se em 1991. Oxalá vestiu novos significados e consolidou-se como um dos restaurantes mais icónicos da cidade de Ovar. O compromisso é com as pessoas e com o seu bem-estar. Mais do que comida, o Restaurante Oxalá revoluciona o conceito de gastronomia requintada há 26 anos e atrai atenções em todo o mundo.

Fernando Pinto – Artista ovarense

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu em Ovar no dia 28 de junho de 1970. Jornalista profissional (licenciado em Jornalismo pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), ama as ARTES e as LETRAS. "Vareiro de gema" (como costuma afirmar), é fotógrafo e realizador de curtas-metragens de ficção (expõe regularmente o seu trabalho fotográfico e participa em festivais de Cinema e Vídeo), escreve poesia, contos e argumentos; a pintura a óleo e a acrílico é outra das suas paixões. Vejam, na GALERIA, algumas fotografias de Fernando Pinto, colaborador do "ONDAS DA SERRA".

Faça Login para postar comentários
Pub