Pub

Mais populares

A Cascata das Aguieiras fica localizada na freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Esta queda de água é o geossítio de interesse com a identificação G35 do Arouca Geopark. Esta maravilha geológica destaca-se pelos sucessivos desníveis por onde a água, proveniente da ribeira com o mesmo nome, se precipita e que no conjunto totalizam cerca de 160 metros. A torrente em queda é descarregada na Garganta do Rio Paiva, onde este curso de água adquire um carácter violento e feroz para vencer as encostas estreitas. A sua importância é reforçada pela forma como pode ser observada pelo miradouro integrado nos Passadiços do Paiva ou Ponte Suspensa 516 Arouca.
As Sete Capelas dos Passos, ficam localizadas no centro de Ovar, tendo sido construídas no século XVIII, com o objetivo de recriar a Via Sacra de Jesus Cristo, para expiar os pecados dos homens, pelas ruas de Jerusalém, desde o Pretório de Pilatos até ao Calvário. Estes templos possuem uma forte carga simbólica, emocional e religiosa, pelas cenas da paixão de Cristo e Santos Bíblicos representados. Os artistas recriaram estes quadros com frescos e centenas de esculturas que parecem imbuídas de vida, transparecendo dor, emoção, justiça e vingança. No passado estas procissões da quaresma eram feitas com capelas de lona portáteis e santos de palha, tendo sido substituídas por estes templos que foram erigidos com o dinheiro de um curioso imposto da venda de vinho. Neste trabalho fizemos uma exaustiva pesquisa para dar a conhecer a sua localização, história, aspetos técnicos, simbologia, representação, descrição e curiosidades. Em cada uma das…
Na Açoreira, terra transmontana do município de Torre de Moncorvo, realiza-se anualmente um evento denominado Rota das Pipas, organizado pela Associação Recreativa e Cultural da Açoreira. Neste percurso pelas ruas da terra os boémios convidados, novos, velhos, homens e mulheres, munidos duma pequena caneca, vão bebericando o néctar dos produtores vinícolas durienses desta aldeia. O cortejo muito cerimonioso leva também a carrinha da Maria com petiscos e doçaria. O ambiente é animado por grupos musicais com cantorias, bombos, concertinas e gaitas de foles, que junta todo o povo a cantar e dançar. O dia começa bem cedo, com o estoirar de foguetório, matança tradicional do porco e farto pequeno-almoço. Ao meio dia é servido um rico repasto, com finas carnes e odoríferos vinhos. O menu é composto por pratos típicos da matança, com soventre, migas de sarrabulho e feijoada. Esta festa de arromba, acontece no último sábado de fevereiro e…
O poder da palavra escrita aliada ao saber e cultura de pessoas criativas e talentosas serve de farol aos náufragos em mares grossos e revoltosos. Muitos pagaram com a vida a ousadia de pensar diferente e querer ensinar os homens a ver claramente e não se deixarem enganar pelos algozes tirânicos do pensamento e liberdade. Hoje existe uma censura velada a quem ouse colocar em causa os poderes instalados, sejam económicos, políticos, religiosos ou culturais. Não se pode analisar o passado com os olhos do presente. Neste artigo vamos dar a conhecer 11 escritores do distrito de Aveiro, que foram distinguidos na exposição conjunta itinerante, denominada "Autores da região de Aveiro", realizada na Biblioteca Municipal de Ovar, no período compreendido entre 12 de janeiro e 09 de março de 2024. A mesma foi organizada pela Rede de Bibliotecas Municipais da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro a pretexto do seu…
Os Passadiços do Côa nasceram em Vila Nova de Foz Côa, na região do Alto Douro, do distrito da Guarda, perto do museu da arte rupestre. Este pequeno percurso em extensão é grandioso em significação pelas paisagens vertiginosas que brotam do horizonte. O quadro que se abre ao visitante é gigantesco e exerce uma força que remete para a história humana com milhares de anos. A vista alcança paz nos rostos serenos dos Rios Douro e Côa que aqui se enamoram. Nos seus vales foram identificados e classificados dois patrimónios protegidos pela UNESCO, Sítio Pré-Histórico de Arte Rupestre do Vale do Côa e Alto Douro Vinhateiro. Pelas íngremes escadas o visitante poderá consultar informação sobre arte rupestre, pombais, biodiversidade, património natural e arquitetónico desta região. A viagem termina junto à antiga estação desativada da Linha do Douro desta terra, que a esperança quer ver renascida. Na subida de regresso mais…

Receber Newsletter

E fique a conhecer em primeira mão as nossas reportagens especiais sobre a nossa identidade regional

Hide Main content block

Últimos Artigos

A Estrada do Portal do Inferno é uma estreita via sinuosa, com perto de 18 km, a cerca de 1000 metros de altitude que percorre uma crista altaneira da Serra da Arada, caracterizada pelas suas falésias abruptas e precipícios infinitos, que metem medo ao olhar e fazem temer os incautos. O seu percurso em pleno coração do Maciço da Gralheira, começa perto da Capela de São Macário em São Pedro do Sul e termina na aldeia de Ponte de Telhe em Arouca, nos distritos de Viseu e Aveiro. A sua beleza é enaltecida na primavera quando a serra se pinta de tons verdes, amarelos, laranjas e lilases da carqueja, urze e giestas e que perfumam o ambiente e inebriam os sentidos. No seu percurso passa pelo geossítio do Portal do Inferno da Garra, com uma visão panorâmica de arrepiar sobre o vale por onde corre o Rio Paivô e Aldeia de Portugal de Covas do Monte. Os pontos de interesse são variados, desde as aldeias típicas de montanha em xisto, mariolas dos pastores, gado bovino e caprino que pasta livremente, fauna e flora. A mesma é muito popular entre os ciclistas e motociclistas, embora alguns corajosos condutores de automóvel também se aventurem pelos seus domínios.

Os Passadiços do Côa nasceram em Vila Nova de Foz Côa, na região do Alto Douro, do distrito da Guarda, perto do museu da arte rupestre. Este pequeno percurso em extensão é grandioso em significação pelas paisagens vertiginosas que brotam do horizonte. O quadro que se abre ao visitante é gigantesco e exerce uma força que remete para a história humana com milhares de anos. A vista alcança paz nos rostos serenos dos Rios Douro e Côa que aqui se enamoram. Nos seus vales foram identificados e classificados dois patrimónios protegidos pela UNESCO, Sítio Pré-Histórico de Arte Rupestre do Vale do Côa e Alto Douro Vinhateiro. Pelas íngremes escadas o visitante poderá consultar informação sobre arte rupestre, pombais, biodiversidade, património natural e arquitetónico desta região. A viagem termina junto à antiga estação desativada da Linha do Douro desta terra, que a esperança quer ver renascida. Na subida de regresso mais custosa as pessoas podem imaginar os esforços para percorrer estas arribas, dos nossos ancestrais para viver, caçar, fugir ou esculpir a rocha e já mais tarde plantar e vindimar para o mundo celebrar.

Na Açoreira, terra transmontana do município de Torre de Moncorvo, realiza-se anualmente um evento denominado Rota das Pipas, organizado pela Associação Recreativa e Cultural da Açoreira. Neste percurso pelas ruas da terra os boémios convidados, novos, velhos, homens e mulheres, munidos duma pequena caneca, vão bebericando o néctar dos produtores vinícolas durienses desta aldeia. O cortejo muito cerimonioso leva também a carrinha da Maria com petiscos e doçaria. O ambiente é animado por grupos musicais com cantorias, bombos, concertinas e gaitas de foles, que junta todo o povo a cantar e dançar. O dia começa bem cedo, com o estoirar de foguetório, matança tradicional do porco e farto pequeno-almoço. Ao meio dia é servido um rico repasto, com finas carnes e odoríferos vinhos. O menu é composto por pratos típicos da matança, com soventre, migas de sarrabulho e feijoada. Esta festa de arromba, acontece no último sábado de fevereiro e coincide com as amendoeiras em flor, que enchem o ambiente de fragrâncias especiais. Todos participam na festa, com trabalho, vontade de comer ou beber. Alguns por terem muita sede dão por vezes grandes rombos no chão para grande contentamento de Dionísio por ter por companheiros ébrios profissionais.

A Cascata das Aguieiras fica localizada na freguesia de Alvarenga, concelho de Arouca, distrito de Aveiro. Esta queda de água é o geossítio de interesse com a identificação G35 do Arouca Geopark. Esta maravilha geológica destaca-se pelos sucessivos desníveis por onde a água, proveniente da ribeira com o mesmo nome, se precipita e que no conjunto totalizam cerca de 160 metros. A torrente em queda é descarregada na Garganta do Rio Paiva, onde este curso de água adquire um carácter violento e feroz para vencer as encostas estreitas. A sua importância é reforçada pela forma como pode ser observada pelo miradouro integrado nos Passadiços do Paiva ou Ponte Suspensa 516 Arouca. 

O poder da palavra escrita aliada ao saber e cultura de pessoas criativas e talentosas serve de farol aos náufragos em mares grossos e revoltosos. Muitos pagaram com a vida a ousadia de pensar diferente e querer ensinar os homens a ver claramente e não se deixarem enganar pelos algozes tirânicos do pensamento e liberdade. Hoje existe uma censura velada a quem ouse colocar em causa os poderes instalados, sejam económicos, políticos, religiosos ou culturais. Não se pode analisar o passado com os olhos do presente. Neste artigo vamos dar a conhecer 11 escritores do distrito de Aveiro, que foram distinguidos na exposição conjunta itinerante, denominada "Autores da região de Aveiro", realizada na Biblioteca Municipal de Ovar, no período compreendido entre 12 de janeiro e 09 de março de 2024. A mesma foi organizada pela Rede de Bibliotecas Municipais da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro a pretexto do seu 10º aniversário - celebrado em dezembro de 2022.

Destaques

Neste artigo exibimos uma seleção dos melhores percursos pedestres e trilhos do distrito de Viseu que o Ondas da Serra já percorreu. Esta região de Dão-Lafões é muito rica a nível natural, histórico e arquitetónico, criando caminhos milenares que merecem ser encontrados e percorridos. Por estas serras nascem ribeiras e rios, que moldaram a paisagem, com profundos vales, cascatas, poços e praias fluviais. Os vários concelhos criaram percursos de eleição para potenciar o seu turismo e economia. Viseu já foi servido por duas vias férreas, que foram encerradas vilmente nos finais do século passado, as vias do Vouga e Dão. Este erro histórico foi parcialmente colmatado com a sua conversão em esplêndidas ecopistas, das mais extensas e bonitas de Portugal. Vamos também enumerar as vantagens de fazer caminhadas para a saúde e estar em contacto direto com a natureza.
O Rio Paiva brota da Serra da Nave em Moimenta da Beira e deságua no Rio Douro em Castelo de Paiva, junto à Ilha dos Amores e Praia do Castelo. O seu curso tem uma extensão de 110 km e uma área hidrográfica de 77 km2 com 14 562 ha. O mesmo é considerado dos menos poluídos da Europa, sendo por isso muito importante para preservação da fauna e flora e protegido por legislação europeia. O seu curso de água é ainda um dos poucos locais para a desova da truta. O mesmo tem onze afluentes, sendo os principais os rios Frades e Paivô. Pelo seu caminho visita dez concelhos, duas Aldeias de Portugal, nove praias fluviais, várias áreas de lazer, poços e cascatas de arrebatar. A sua beleza deu vida aos Passadiços do Paiva e pavor a quem o enfrentar do cimo da vertiginosa Ponte 516 Suspensa de Arouca.…
O Arouca Geopark, fica localizado no concelho de Arouca, sendo reconhecido pelo seu excecional património geológico. A sua importância ganhou relevância internacional e projeção com a atribuição da categoria de geoparque pela UNESCO. Neste rico patrimônio destaca-se em particular as trilobites gigantes de Canelas, pedras parideiras da aldeia da Castanheira e icnofósseis do Vale do Paiva. No entanto há no total 41 geossítios com interesse geológico, que podem ser visitados através de três itinerários. Há 600 milhões de anos existia nesta região um mar pouco profundo onde as estas criaturas viviam. Contudo, há cerca de 1 milhão de anos o mar desceu cerca de 200 metros matando muitas destas espécies, cujos corpos se depositaram no fundo ou à beira mar. Muitos destes fundos marinhos subiram gradualmente e passaram a fazer parte de cadeias montanhosas como as serras atuais de Arouca, deixando muitas provas da sua existência embutidas na paisagem.
O nosso magnífico distrito de Aveiro possui centenas de trilhos, percursos pedestres, ecopistas e ciclovias, por onde podemos caminhar, junto ao mar, Ria de Aveiro, vencendo lagunas, ladeando rios, escalando montanhas e descendo desfiladeiros. Se nós abrirmos à natureza ela abre-se para nós através das paisagens arrepiantes, cantos das aves, zumbido dos insetos, fragrância das flores, marulhar dos ribeiros, mugido das vacas, numa sinfonia do Criador que uma mente aquietada pode saborear. Nas nossas andanças temos falado com pastores, pescadores, criadores de gado, agricultores, feirantes, povos perdidos nas agruras dos casebres graníticos, que sempre nos transmitem a sua sabedoria ancestral e tradições seculares e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.
As pessoas estão de regresso à natureza, procurando trilhos para fazer a caminhar ou de bicicleta. Por esta razão ao longo dos anos temos vindo a explorar as melhores Ciclovias, Ecopistas e Ecovias do Norte de Portugal. Esta demanda das pessoas levou à criação de belos percursos, que atravessam locais magníficos, junto de rios, rasgando serradas montanhas, tocando o céu ou beijando o mar. Em alguns casos por onde resfolegava comboios a vapor, agora gritam crianças caminhando ao lado dos pais ou pedalando forçosos grupos de ciclistas, trazendo vida a terras que já estavam esquecidas pelo tempo. Neste artigo mostramos-lhe algumas das nossas aventuras por estes trilhos e como fomos felizes a percorrer algumas das mais icónicas e premiadas.
Neste artigo vamos conhecer algumas das mais bonitas aldeias rurais escondidas, despovoadas, longínquas e por vezes abandonadas do distrito de Aveiro. Esta região foi divinamente bafejada pela riqueza dos grossos mares, altaneiras serras e lagunar da Ria de Aveiro, por isso floresceu à vista ou escondidas, aldeias e povos rurais duma grande riqueza social, tradicional, histórica e religiosa. Nas nossas caminhadas pelos percursos pedestres e explorações vamos encontrando e divulgando a sua beleza para que outros as possam abraçar, aqui ficam as que já visitamos até hoje e aconselhamos a desvendar
Há pessoas que nasceram com uma ambição, força e coragem que lhes permitem criar e desenvolver ideias que se traduzem muitas vezes em negócios de sucesso. Esta caraterística de empreendedorismo não é exclusiva de nenhum género, raça ou instrução, é uma maneira de ser. Ondas da Serra selecionou alguns exemplos de negócios que podem ser apontados como exemplo e dar força a quem pensa criar um negócio, ou já começou e enfrenta problemas e desafios que só podem ser vencidos com perseverança e resiliência. “O sucesso não é definitivo, a falha não é fatal. O que importa é a coragem de continuar.” Winston Churchill. As pessoas destes projetos associaram-se ao Ondas da Serra para juntos demonstrarmos que é possível ter uma atitude positiva na vida, não se darem à maledicência e contribuirem para a saúde da sociedade.
Os Caminhos de Santiago, para chegar a Santiago de Compostela, na Galiza em Espanha, onde reza a lenda está sepultado o Apóstolo, na sua catedral, estão a ser percorridos de uma forma crescente pelos peregrinos do mundo inteiro. As principais razões para esta demanda são religiosas, desportivas, culturais e acima de tudo procurar um novo sentido de vida. Também nós do Ondas da Serra há uns anos ficamos apaixonados quando fizemos o primeiro e nunca mais paramos. Cada um tem a sua história e nos ajudou a aprofundar a nossa espiritualidade e crescimento interior. Neste artigo enumeramos os caminhos que já tivemos a felicidade de percorrer, onde conhecemos pessoas especiais, culturas, monumentos religiosos, natureza e paisagens que iremos para sempre recordar.