segunda, 12 fevereiro 2018 15:07

Fotografar São João da Madeira Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Passear sem mapa ou destino é um dos melhores tratamentos para o aborrecimento. Esqueça a típica conversa de Domingo sobre onde ir ou o que fazer. Saia de casa, sem roteiro, e vá descobrindo o que São João da Madeira tem para oferecer. As surpresas estão onde menos se espera.

A Capital do Calçado tem vindo a conquistar um dinamismo assinalável nos últimos anos. O tecido empresarial está a crescer, os espaços comerciais têm vindo a inovar e as pessoas saem mais à rua. Ouvir a cidade é uma das melhores decisões que se pode tomar para um Domingo de sol ou para qualquer dia que apeteça explorar o burburinho que ouve para lá da janela.

São João da Madeira é a segunda maior cidade do distrito de Aveiro e integra a Área Metropolitana do Porto desde 2004. A Cidade do Trabalho oferece tantas possibilidades que o itinerário pode ser feito à medida de cada um.

Começamos pelo centro da cidade, junto ao Parque América, para descer as diferentes avenidas e perceber os diferentes ritmos de São João da Madeira. Para os amantes de histórias e fotografia, as casas abandonadas recordam o que esta terra já foi e exigem o seu ligar junto a prédio e negócios acabados de inaugurar.

A Casa da Criatividade é um dos pontos fortes, e mais tradicionais, da cidade. A requalificação do edifício do antigo Cinema Imperador terminou em 2012 e desde então o projeto do arquiteto Filipe Oliveira Dias tem conquistado o seu lugar na agenda cultural do país.

O Museu da Chapelaria é outro empreendimento emblemático de S. João da Madeira e que pode ser uma opção para quem gostar de saber mais sobre a Capital do Trabalho. Preserva a memória de uma das atividades com mais história no município.

Nas opções mais comuns, somam-se também a Oliva Creative Factory, o parque urbano do rio Ul, o Museu do Calçado, o parque Ferreira de Castro ou os Paços da Cultura. Mas existe muito mais para ver no concelho.

Leia também: Os pássaros negros que vigiam o parque urbano do rio Ul

A galeria de imagens que lhe apresentamos resulta da parceria do Ondas da Serra com o picture.wall e tem o objetivo de mostrar o concelho a partir de outra perspetiva. A máquina fotográfica de Ana Sofia Resende ouve as pessoas e recorda os sítios de São João da Madeira.

Os mantos de tulipas que cobrem as rotundas da cidade, o homem que regressa a casa do supermercado e os portões que não deixam o passador ir embora. As sugestões são diversas e pouco comuns. É uma outra forma de fotografar mas, acima de tudo, de ouvir São João da Madeira.  

Galeria de fotos

 

 

Lida 191 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

A tasca da Maria Macedo

Localizada numa terra recordada pelos rios Douro e Arda, Pedorido já conheceu melhores dias, quando se extraia carvão das minas do Pejão, cuja exploração foi abandonada em 1994. Numa das nossas aventuras de bicicleta entre esta localidade e a sede do concelho situada em Castelo de Paiva, fomos no final da tarde, tomar um verde à “Tasca da Maria Macedo.

O Vale Mágico

“… cercado de montanhas de formas extravagantes, não é fácil descortinar em Portugal outro mais grandioso e espectacular. Quase não tem planos.

A terra é verde e o céu é azul; é tudo verde e azul com raras pintas brancas do casario, que mais do que moradias de homens parecem janelas da própria paisagem.

Nas noites de luar, quando o grande balão de oiro surge na lomba das montanhas, o vale enche-se de magia, dum sortilégio que paira desde os píncaros longínquos às águas sussurrantes do Caima. De manhã é o milagre, todos os dias há um milagre de luz sobre a terra quando o sol nasce em Vale de cambra.

(Ferreira de Castro)

Inácio Monteiro | Cesteiro

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Faça Login para postar comentários
Pub