Os caminhos de Covêlo de Paivó Caminhos de Covêlo de Paivó
domingo, 10 junho 2018 01:43

Os caminhos de Covêlo de Paivó Destaque

Classifique este item
(0 votos)

A aldeia de Regoufe oferece muitas maravilhas para os amantes da natureza e caminhadas. O próprio local tem muitos pontos de interesse, sendo também ponto de partida para os percursos de Drave (PR 14 – A Aldeia Mágica) e Covêlo de Paivó (PR13 - Na senda do Paivó). O percurso que aqui vamos falar é o que fizemos para Covêlo de Paivó.

Os caminhos de Covêlo de PaivóEste trilho não tem subidas muito acentuadas e o seu percurso ladeia o vale em baixo por onde passa o rio Paivó. Este percurso caracteriza-se pelas paisagens deslumbrantes dos vales, montanhas e caminhos que tocam os céus. As pessoas que tiverem vertigens que respirem fundo e deixem-se levar numa prova de autossuperação.

Na nossa caminhada cruzamo-nos com um rebanho de ovelhas e tivemos que fazer de pastores improvisados. As mais corajosas passaram a correr, as outras mais medrosas foram à nossa frente até aparecer uma bifurcação.

Ao chegar Covêlo de Paivó encontramos três homens a espalhar estrume numa terra, para o trator vir depois revirá-la. O terreno pertence a Mário Martins, que tem 61 anos e andava a ser ajudado pelo filho Daniel Martins com 27 anos e o amigo Vítor Figueiredo com 42, como é habitual paramos ali um pouco para trocar dois dedos de conversa.

A aldeia em si é muito bonita com o típico casario em pedra e algumas com telhados em xisto. Só há uma estrada para a aldeia e pelo seu interior circula-se por estreitas vielas e escadarias. Nós descemos até ao fundo e fomos dar um mergulho no rio Paivô para refrescar o corpo e prepara-nos para regressar a Regoufe. Este rio nasce na Serra de Arda, sendo um afluente do Rio Paiva, também conhecido como rio Covêlo.

Leia também: Conhecer Regoufe e Drave

 

PR13- Na senda do Paivó – Fonte CM de Arouca

Deixe o carro na entrada da aldeia de Regoufe, porque esta não é transitável. Descubra a aldeia, percorrendo as suas ruas estreitas. Aproveite também para visitar as minas de volfrâmio abandonadas. Para iniciar o percurso terá que atravessar a aldeia até às últimas casas, localizadas na zona oeste, onde irá encontrar um trilho. Siga por ele e um pouco mais à frente encontrará um cruzamento. Vire à esquerda.

As grandes lajes que acamam o caminho e que seguem em direção a Paivô, o lugar de destino, estão profundamente marcadas pelo desgaste das incontáveis passagens dos carros de bois, a lembrar histórias já esquecidas. Ao fim de cerca de dois quilómetros a ribeira de Regoufe junta-se ao rio Paivô, que irá acompanhá-lo até Covêlo de Paivó. Estas linhas de água marcam fortemente toda a paisagem ao longo do percurso., sulcando um vale de grande beleza.

Ao chegar a Covêlo de Paivó poderá passear pela aldeia e, mais tarde, poderá procurar a pequena praia fluvial para um merecido descanso. Para voltar ao ponto de partida é só fazer o mesmo percurso, agora em sentido inverso.

 

Covêlo de Paivó

Freguesia muito antiga, cujos habitantes vivem o presente de olhos postos no futuro. Apostando numa agricultura que já não é só de subsistência, mantêm o apego às tradições: desde a malha do centeio, passando pelas desfolhadas, até à matança do porco. As principais festas e romarias são o S. Pedro, a 29 de junho, a Festa do Senhor, no dia de Corpo de Deus, e as Festas em honra de Nossa Senhora de Fátima e de Santo António, em Maio ou Junho.

 

Informações:

Distância a percorrer: 9 km: 4,5 km de ida e 4,5 km de volta

Nível de Dificuldade: Baixo

Desníveis: Pouco acentuados, sendo descendente até Covêlo

Tipo de caminho: Tradicional, lageado e bem definido

 

 

Lida 519 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Bruno Monteiro: “O violino é a minha paixão”

O equilíbrio entre a emoção e o intelectual define Bruno Monteiro enquanto um dos melhores violinistas portugueses da atualidade. Nasceu no Porto, vive em Santa Maria de Lamas, e falou com o Ondas da Serra sobre as experiências emocionais que cria sempre que toca violino. “Tocar para as pessoas é comunicar emoções e raciocínio. É tudo.” A trabalhar no 12.º álbum, o artista promete mais um trabalho fora do comum, “apaixonado e obscuro”.

A caminhada à Ilha dos Amores: da balbúrdia ao silêncio

Falcão deu a última ordem de partida para a Ilha dos Amores faltavam 5 minutos para as 14 horas. Num instante, a balbúrdia do cais cedeu ao silêncio. A equipa do Ondas da Serra foi a última a zarpar rumo ao ponto alto da caminhada ‘Em busca do amor’. À nossa espera estava o almoço partilhada entre as 21 pessoas que se aventuraram por Castelo de Paiva este Domingo, 22 de Julho.

Eventos Ondas da Serra

Ondas da Serra pontualmente efetua alguns eventos onde pretendemos envolver a nossa comunidade. Nós achamos ser nosso dever partilhar os nossos conhecimentos, sobre yoga, meditação, amor que temos pela humanidade, património natural e arquitetónico, animais e tradições. Defendemos um mundo melhor, onde as pessoas vivam em harmonia consigo próprias e com o universo, sem semearem a discórdia. Já fomos andar de bicicleta, de bateira na Ria de Aveiro, de barco no Rio Douro, subimos serras, mergulhamos em lagoas, fizemos yoga e meditação e partilhamos almoços em locais fantásticos. Aqui ficam alguns dos nossos momentos, não perca a oportunidade de viajar connosco.

Faça Login para postar comentários
Pub