As Giestas da Maria Alice Maria Alice Soares - Vila Viçosa - Canelas - Arouca
segunda, 28 maio 2018 07:43

As Giestas da Maria Alice

Classifique este item
(4 votos)

Os nossos leitores devem estar recordados de termos contado a nossa aventura de bicicleta entre Castelo de Paiva e Alvarenga. A dada altura em Vila Viçosa – Espiunca - Arouca, no final duma subida, surgiu na curva uma pequena casa, com um bonito e colorido jardim à beira rua plantado. A pequena casa e terreno estavam totalmente submersos por todo o tipo de plantas, flores, vasos e onde as giestas eram rainhas. Como gostamos de fotografia e dos aromas que o ar adornava, paramos um pouco para contemplar a maravilha.

Maria AliceUma mulher que gosta de flores

A nossa presença chamou atenção da proprietária que simpaticamente acedeu a falar connosco. Ali vive Maria Alice Soares, com 74 anos de idade, viúva, já ali vive há 23. Tem três filhos, o rapaz está em Andorra, as filhas uma está em Sintra e a outra em Arouca, disse com orgulho já ter uma neta com 28 anos.

O jardim da Maria Soares

Em relação ao seu jardim disse gostar muito de flores e especialmente de giestas, possuindo quatro qualidades, cor-de-rosa, amarelo/vermelho e duas de amarelos. Foi apreendendo com a vida a tratar das suas plantas e agora reformada passa o tempo a cuidar delas. Para ali muita gente para ver as suas flores.

A vida desta mulher

Como muita gente não teve uma vida fácil, também teve trabalhos e canseiras. A sua família no tempo do mineiro foi para Rio de Frandes, onde o seu pai trabalhou nos compressores de ar, para os mineiros usarem nos martelos pneumáticos. Naquela altura as minas de volfrâmio eram exploradas por Alemães. Esteve nesta terra dos sete aos dez anos, corria os anos de 1958/60, quando aquela exploração acabou tiverem que regressar.

Regressada à terra natal foi guardar gado para as serras, depois foi viver para Vilarinho e quando casou regressou novamente com o marido a Rio de Frades, onde trabalharam na venda de minério a particulares.

Durante a exploração das minas pelos Alemães, havia pessoas muito ricas e outras muito pobres. Os mais necessitados eram obrigados a dormir debaixo dos sobreiros ou dentro das minas. Ainda se lembra da história do seu tio, que estava dentro duma mina, “Um dia o meu tio Venceslau foi atacado por lobos, gritou e o irmão veio ajuda-lo atirando nos lobos com uma pistolazita.”

Naquele tempo havia muita miséria, muitos mineiros morriam dentro das minas, contou que só de uma vez morreram cinco, porque as paredes das minas não eram protegidas por escoras e desabavam em cima dos esforçados trabalhadores.

No final da nossa conversa foi buscar algumas memorias que trouxe dos tempos de Rio de Frades e mostrou-nos as peças caleira e rapeta, que eram usados para retirar o minério e um gasómetro para os iluminar. Ainda tem na sua posse uma malga por onde os Alemães davam de comer aos trabalhadores.

Antes de seguirmos viajam matou-nos a sede com água, mas não deixou de nos oferecer um copito de vinho.

Galeria de fotos da Giestas da Maria Soares

Lida 2321 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Pessoas e projetos empreendedores de Aveiro e Portugal

Há pessoas que nasceram com uma ambição, força e coragem que lhes permitem criar e desenvolver ideias que se traduzem muitas vezes em negócios de sucesso. Esta caraterística de empreendedorismo não é exclusiva de nenhum género, raça ou instrução, é uma maneira de ser. Ondas da Serra selecionou alguns exemplos de negócios que podem ser apontados como exemplo e dar força a quem pensa criar um negócio, ou já começou e enfrenta problemas e desafios que só podem ser vencidos com perseverança e resiliência. “O sucesso não é definitivo, a falha não é fatal. O que importa é a coragem de continuar.” Winston Churchill. As pessoas destes projetos associaram-se ao Ondas da Serra para juntos demonstrarmos que é possível ter uma atitude positiva na vida, não se darem à maledicência e contribuirem para a saúde da sociedade.   

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.

Mestre Felisberto Amador constrói moliceiros na Ria de Aveiro

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando. Estes homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para as moldar, eram conhecidos por "Mestres do Machado". Neste artigo vamos conhecer o Mestre Felisberto Amador, de Pardilhó - Estarreja, um dos últimos seus últimos artífices, carpinteiro naval que usa a sua arte para não os deixar morrer e as suas velas possam continuar a enfornar com beleza a ria dos mil esteiros. Estas embarcações podem também ser apreciadas nos canais de Aveiro com turistas a passear, sendo muitas vezes reparadas na sua oficina e que descansam ao sol na Ribeira do Nacinho.