Arouca (63)

Arouca

Concelho situado no interior sul da AMP, Arouca assume a situação de fronteira entre o litoral e o interior e as Regiões Norte e Centro de Portugal. o vale de Arouca é circundado pela Serra do Gamarão a norte, pelo monte cónico da Mó a leste e pela Serra da Freita a sul, sendo atravessado pelo rio Paiva, um dos rios menos poluídos da europa.

O concelho de Arouca tem um notável património histórico e natural, destacando-se a esplendida cascata - Frecha de Mizarela e as Pedras Parideiras na serra da Freita, o Mosteiro de Arouca e o Geoparque de Arouca, Passadiços do Paiva, reconhecido pelo seu excecional património geológico de relevância internacional. Terra de tradições, Arouca apresenta uma gastronomia rica com iguarias únicas, desde a carne arouquesa aos doces conventuais.

Fonte: portal.amp.pt

O PR10 - Rota dos Aromas é um percurso pedestre de Arouca, onde o caminhante poderá deliciar-se com os aromas da sua natureza imaculada e a galeria ripícola do Rio Paiva, que foram poupadas ao grande incêndio que aqui deflagrou em 2015. Por este trilho irá conhecer as antigas aldeias de Serabigões, Espiunca e Vila Cova e toda a sua riqueza arquitetónica da fauna e flora. Nesta caminhada destacamos as aldeias em xisto, a praia fluvial da Espiunca e os moinhos tradicionais de milho e linho e forno comunitário da Espiunca.

O Rio Paiva brota da Serra da Nave em Moimenta da Beira e deságua no Rio Douro em Castelo de Paiva, junto à Ilha dos Amores e Praia do Castelo. O seu curso tem uma extensão de 110 km e uma área hidrográfica de 77 km2 com 14 562 ha. O mesmo é considerado dos menos poluídos da Europa, sendo por isso muito importante para preservação da fauna e flora e protegido por legislação europeia. O seu curso de água é ainda um dos poucos locais para a desova da truta. O mesmo tem onze afluentes, sendo os principais os rios Frades e Paivô. Pelo seu caminho visita dez concelhos, duas Aldeias de Portugal, nove praias fluviais, várias áreas de lazer, poços e cascatas de arrebatar. A sua beleza deu vida aos Passadiços do Paiva e pavor a quem o enfrentar do cimo da vertiginosa Ponte 516 Suspensa de Arouca. Felizmente que as barragens não o subjugaram e permitem manter o seu caráter bravio usado na prática de desportos de aventura. No entanto, há ameaças que o podem matar pela expansão do cultivo de eucaliptos, agricultura, zonas industriais, habitacionais, açudes e proliferação de espécies invasoras, que lançam alertas e fazem temer pelo seu futuro.

"No nordeste do distrito de Aveiro situa-se o município de Arouca com uma área total de 327km2, estando distante de Aveiro 60 km e 50km do Porto. Integra-se na NUT III Entre Douro e Vouga fazendo fronteira com os concelhos de Castelo de Paiva, Santa Maria da Feira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Gondomar. Também os concelhos de São Pedro do Sul, Castro Daire e Cinfães do distrito de Viseu fazem fronteira com Arouca.

Ondas da Serra tem consciência que nem sempre os trabalhos académicos são aproveitados na prática pelas entidades públicas e privadas para resolver e acautelar problemas atuais ou futuros. A seguir se insere parte de uma tese de dissertação para obtenção do grau de mestre na Universidade de Aveiro, pela então aluna Maria Fernanda Cardoso Conceição Azevedo Silva, onde são relatados importantes resultados e considerações sobre a economia e turismo de Arouca.

A história de Arouca é conhecida desde os tempos longínquos, devido à existência de alguns vestígios pré-históricos. A civilização romana também deixou a sua marca através de uma via romana que começava em Viseu e cruzava o concelho de Arouca rumo ao Porto. Nota-se a presença de populações de origem germânica, que resultam das invasões bárbaras, devido à toponímia como exemplo os nomes Sá, Sarail, Alvarenga, Burgo, Escariz, Friães e Melareses. Neste artigo vamos conhecer a sua história e evolução deste concelho de Aveiro. O Mosteiro de Arouca, está profundamente ligada ao seu passado e granjeou grande reputação com o ingresso nos seus claustros de D. Mafalda, filha do rei D. Sancho I, o Povoador.

O granito onde se insere a escola de escalada aqui apresentada enquadra-se geologicamente no denominado Plutão Granítico da Serra da Freita. Este corresponde a um corpo granítico, com uma orientação NW-SE, que intersecta, de forma mais ou menos descontínua, as rochas metamórficas do Super-Grupo Dúrico-Beirão (> 520 milhões de anos), correspondendo estas últimas a uma sequência alternante de xistos e grauvaques.