Arouca (63)

Arouca

Concelho situado no interior sul da AMP, Arouca assume a situação de fronteira entre o litoral e o interior e as Regiões Norte e Centro de Portugal. o vale de Arouca é circundado pela Serra do Gamarão a norte, pelo monte cónico da Mó a leste e pela Serra da Freita a sul, sendo atravessado pelo rio Paiva, um dos rios menos poluídos da europa.

O concelho de Arouca tem um notável património histórico e natural, destacando-se a esplendida cascata - Frecha de Mizarela e as Pedras Parideiras na serra da Freita, o Mosteiro de Arouca e o Geoparque de Arouca, Passadiços do Paiva, reconhecido pelo seu excecional património geológico de relevância internacional. Terra de tradições, Arouca apresenta uma gastronomia rica com iguarias únicas, desde a carne arouquesa aos doces conventuais.

Fonte: portal.amp.pt

A aldeia de Janarde em Arouca é o ponto de partida para o percurso pedestre mais curto em extensão do Arouca Geopark, mas dos maiores em significado e beleza, o PR5 – Livraria do Paiva e Icnofósseis de Mourinha. Originalmente o nome do percurso apenas faz referência à livraria, mas nós achamos que pela importância e qualidade dos seus icnofósseis, o seu nome deveria traduzir essa importância. Nós adoramos ver naquela parede rochosa, outrora o fundo um leito marinho os rastros da passagem de antigas criaturas. Este percurso pedestre tem como pontos de interesse a aldeia de Janarde, Rio Paiva, Conheiros e Meandros do Paiva, a Livraria do Paiva e os Icnofósseis da Mourinha.

Meitriz em Arouca é uma terra profundamente longínqua, que brotou do fundo do Vale do Rio Paiva e que conserva ainda a sua traça tradicional, recebendo a distinção de Aldeia de Portugal. O rio por ela se enamorou, fazendo-lhe uma vénia ao chegar e oferecendo-lhe uma praia fluvial para se perfumar. Ela deu-lhe volta à cabeça, ele deu-lhe voltas ao rio, tão recortadas de pasmar, não podendo ficar partiu, dando lágrimas ao lugar. Por estas terras se reconquistou e perdeu território para o Sarraceno, Almançor por aqui atemorizou, mas este povo sempre lutou e como em Moldes igrejas sempre edificou. 

Janarde em Arouca foi abençoada com uma luxuriante natureza e vista soberba sobre o vale do Rio Paiva, preservando ainda algum do seu casario em xisto e socalcos agrícolas que outrora davam pão ao povo. É também uma velha terra com milhões de anos gravados na história geológica das suas rochas. O espírito de Deus ao pairar sobre as águas deu à luz a vida, tendo a sua criação moldado seres de todas as formas e feitiços, que foram vivendo e morrendo ao longo de milhões de anos. Muitos foram aqueles que nos deixaram provas da sua existência, através dos restos fossilizados dos seus corpos ou icnofósseis das pistas por onde passaram, existindo aqui um importante geossítio do Arouca Geopark, onde poderá admirar marcas deste passado. A nossa curiosidade levou-nos a fazer um pequeno trilho para conhecer esta terra, paleontologia, icnofósseis, meandros, cocheiros e biblioteca do Rio Paiva.

Arouca entrou a caminhar por este milénio decidida aproximar as pessoas do seu território, distante passado geológico e magníficas criações da sua natureza. O Criador num dia de inspiração e bons humores, com magnificência criou o Vale do Paiva, deu-lhe apaziguamento, mas deixou-lhe o carácter do maior rio de águas bravas de Portugal. Arouca com a criação dos Passadiços do Paiva em 2005 oferece aos seus hóspedes a capacidade de deslumbramento e contemplação destas obras de arte divinas. Para os mais afoitos em 2021, subiu aos céus sem limites criando a 516 Arouca, “Maior Ponte Pedonal Suspensa do Mundo”, que como o próprio nome indica tem uns impressionantes 516 metros de comprimento e 175 metros de altura acima do rio Paiva.

Quem gosta de montanhas, geologia e história caótica da terra regressa com frequência ao Arouca Geopark, para descobrirmos a nossa odisseia a bordo de caravelas do tamanho de continentes. Nestas serras cada pedra sussurra o passado se a soubermos interpretar ou ouvirmos os homens que as estudam. Navegamos numa jornada pela caminhada interpretada do "Vale do Paiva", onde ficamos a conhecer melhor a “Pedreira do Valério”, onde nas lousas ganham vidas gigantescos fósseis de trilobites e escalamos a Gralheira d'Água, onde romanos extraíram ouro de antigas minas mouras. No seu miradouro saboreamos as paisagens longínquas de Alvarenga e Cinfães e conhecemos a lenda do rego do boi.

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, como as Pedras Boroas do Junqueiro, ou rochas dobradas por milhares de anos, pedras parideiras que dão à luz ou como estas do Junqueiro que parecem pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos por ação da erosão, água, vento e sol, resolveram tomar a forma de boroas, com amarelo milho e assim enganar o fraco engenho humano. "As Pedras Boroas são o resultado da erosão diferencial que o granito sofreu e que pós em evidência a sua estrutura base. Este fenómeno dá origem à formação de uma rede de fissuras poligonais nas partes da rocha mais erodidas que, à vista desarmada, lembra a superfície de uma boroa, pelo que a rocha foi assim batizada." 1