Fuste | A Quinta da Sr.ª Iracema Iracema Coelho com o seu porco "Tiago"
terça, 14 novembro 2017 23:09

Fuste | A Quinta da Sr.ª Iracema

Classifique este item
(2 votos)

Numa destas frias manhãs de outono deslocamo-nos ao lugar de Fuste, que pertence à freguesia de Moldes em Arouca. Chegamos ao local por uma estrada pequena em largura e condições. Os vales das serras ainda estavam cobertos pela neblina matinal, mas o sol prometia chegar por breves horas aos locais mais recônditos.

Iracema Coelho e o porco "Tiago"Estacionamos o nosso carro perto da capela de Santa Catarina e preparamo-nos para a nossa caminhada. Ainda mal tínhamos esticado as pernas quando surgiu à nossa frente, num terreno com duas medas de milho, uma mulher cuja nossa curiosidade nos levou a perguntar o que andava a fazer e, palavra-puxa-palavra, nos levou a conhecer a sua quinta e animais.    

A mulher disse chamar-se Iracema Coelho. Com 59 anos de idade, nasceu e reside em Fuste, toda a vida trabalhou a terra, disse mesmo que se quisesse neste momento ir trabalhar para outro oficio duvida que conseguiria.

Quando a encontramos andava a tratar dos animais; tinha ido buscar uma maças para dar aos porcos. O campo onde estava a trabalhar antigamente era de renda, mas o pagamento variava com o que tiravam da terra; de tudo, davam metade ao senhorio. No entanto, essas rendas não chegavam para os patrões fazerem obras nas suas casas, já que eles também tinham as suas despesas com adubos e outros produtos. Como era difícil para todos os donos, deram-lhes ordens para cultivar sem qualquer pagamento, de forma a não deixar as terras a criar mato.

O seu marido também ajuda na lavoura, no tempo que lhe sobra de quando não está no seu trabalho na Associação Florestal de Arouca. Em alguns campos tiram milho, batata, hortaliça; acrescentando, com orgulho, que têm muito feijão e que noutros apenas erva para o gado.

Apontou as dificuldades de viverem naquele local e terem de se deslocar a Arouca para fazerem compras.

Não vivem muitas pessoas na sua aldeia. Disse ter emigrado muita malta nova e que “outros compraram casa lá em baixo na vila, porque é mais perto para irem para o trabalho. Aqui praticamente só ficaram os mais velhos”. Segundo a Iracema, neste lugar vivem cerca de 40/50 pessoas. Na aldeia há poucas crianças; apenas as suas netas e mais três ou quatro catraios que andam na escola primária e liceu.

À pergunta de como ocupam o tempo quando não estão a trabalhar na agricultura, rematou que quem trabalha na mesma tem sempre o que fazer; até ao Domingo, porque os animais têm que comer. Apesar disso, por vezes tiram tempo para irem a festas religiosas como a padroeira do lugar Santa Catarina, que se realiza no penúltimo domingo de agosto, ou a Feira das Colheitas, na sede do concelho.

A conversa levou-a a perceber o nosso gosto por estas lides e animais e, por isso, convidou-nos a visitar a sua quinta e a ver os animais.

Esta viagem foi sem dúvida marcada por histórias caninas. Aqui vamos contar já uma a outra devido à sua riqueza fica para outro artigo.

Depois de sairmos do terreno e contornarmos uma rua lá demos com a entrada da mesma e, mal a Senhora abriu a porta, surgiu o seu cão de nome “Kinder”. Com dois anos, é atualmente a sua companhia quando o homem está no ofício. Mas nem tudo foram rosas, já que ele tão depressa apareceu como desapareceu para o pátio interior, tendo a dona dito que devia ter ido buscar uma bola para a brincadeira. Assim, o cão, com a sua vontade de brincar, tornou difícil a estabilidade para a tomada de fotografias, mas lá fizemos o nosso trabalho; fotografa-lo é que já foi mais difícil. Apesar do trabalho, tiramos um bocadinho de tempo para brincar com o “Kinder”, tirando-lhe a bola à força da mandíbula e pontapeando-a para longe.

Regressando à narrativa, a mulher disse que o marido pôs ao porco o nome de “Tiago”. Com 180 quilos, fará um ano em dezembro. Além disso, conta com cinco ovelhas. Uma delas, a mais idosa, tem cerca de 13 anos, e para ter mais sossego está separada das outras no curral. Mas, se num primeiro momento as mais novas fugiram, regressaram passados uns momentos para, com um olhar alcoviteiro, ver o que o fotógrafo estava a fazer. Devido ao tamanho, a sua vaca “Cabanas” tem um curral particular. De raça arouquesa, possui 4 anos de idade. Há poucos meses, vendeu o filho dela. Noutra divisão do curral, estavam três cabras e um carneiro. Tem também patos, galinhas e perus, os quais se passeiam livremente pelo pátio. Os patos é que não se cansavam de grasnar; assim como os perus. Nós viemos alterar a rotina e eles parecem não ter apreciado.

Atualmente, Iracema vive com o marido e tem quatro filhos. O filho, com 20 anos, estuda em Coimbra. No que toca às filhas, uma vive em Arouca, outra em Fuste e a última na Suíça.

Mas, apesar de aqui o tempo correr mais devagar, tivemos que nos pôr ao caminho, já que tínhamos um trilho para fazer até Rio de Frades; lá deixamos a senhora acabar de alimentar os animais. Despedimo-nos para tristeza do cão, que entristeceu os olhos e deixou cair a bola da boca.

Leia também:

 

 

Lida 978 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Paraduça e suas gentes

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.

Minha terra, meu Museu

Após visita ao Vale Mágico em busca da arte expressa nas ruas através do seu ‘Walking Tour de Arte Contemporânea’ voltamos ao ambiente  “… cercado de montanhas de formas extravagantes...” de Ferreira de Castro para saber mais da sua história, pois assim o teria de ser... e fomos ao museu.

O Museu Municipal de Vale de Cambra situa-se na freguesia de Macieira de Cambra nos antigos Paços do Município, que foi a sede do concelho até 1926. Dista 3Km do centro de Vale de Cambra e é o primeiro andar de um edifíco do séc. XIX onde funciona no rés-do-chão a Junta de Freguesia.

As Giestas da Maria Alice

Os nossos leitores devem estar recordados de termos contado a nossa aventura de bicicleta entre Castelo de Paiva e Alvarenga. A dada altura em Vila Viçosa – Espiunca - Arouca, no final duma subida, surgiu na curva uma pequena casa, com um bonito e colorido jardim à beira rua plantado. A pequena casa e terreno estavam totalmente submersos por todo o tipo de plantas, flores, vasos e onde as giestas eram rainhas. Como gostamos de fotografia e dos aromas que o ar adornava, paramos um pouco para contemplar a maravilha.

Faça Login para postar comentários