Falha da Espiunca Falha da Espiunca | Arouca
quinta, 17 maio 2018 14:25

Falha da Espiunca Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

A Falha da Espiunca ocorre no talude da estrada nas rochas mais antigas o Arouca Geopark. Estas rochas formaram-se há mais de 500 milhões de anos nas profundezas de um antigo mar, onde se foram depositando sedimentos, cujos estratos quartzíticos se encontram aqui bem percetíveis.

Há cerca de 350 milhões de anos inciou-se um conjunto de processos geológicos gerador de montanhas – Orogenia Varisca – do qual as Serras da Freita e Montemuro são apenas resquícios. A formação destas montanhas foi acompanhada por um sistema fundamental de falhas de direção NW-SE a NNW-NNE e NE-SW a NNE-SSW, provocadas essencialmente por forças distensivas e compressivas dando origem a falhas normais e inversas, respetivamente.

A falha da Espiunca é um exemplo didático de uma falha normal, resultante da atuação de forças distensivas, sendo que o bloco do lado direito desceu relativamente ao do lado esquerdo, por ação da gravidade.

Falhas

As falhas são fraturas nas rochas que resultam de forças distensivas, compressivas e tangenciais, sendo acompanhadas de movimentação de blocos rochosos.

 

Esta falha insere-se numa das Rota dos Geossítios – “Itinerário C: Paiva: o vale surpreendente”

Este itinerário tem como cenário-base o rio Paiva, que no seu vale contempla os visitantes com descobertas surpreendentes em permanência. Na verdade, o rio Paiva possui uma grande importância na construção da paisagem do Arouca Geopark, contribuindo para a modificação desta através de processos erosivos, de transporte e de deposição de sedimentos ocorridos na sua bacia hidrográfica. Ao longo destes cursos de água surgiram diversas povoações com relevante importância histórica, económica e cultural. São muitas as histórias e as lendas construídas nas margens que, muitas vezes, passaram através das gerações e configuram um forte elemento de identidade cultural dos habitantes desta região. Este itinerário está definido na região nordeste do Arouca Geopark e estende-se ao longo de aproximadamente 27 km, dos quais cerca de 11 km terão de ser realizados a pé. Integra a visitação a 12 geossítios.

 

G25: Centro de Interpretação Geológica de Canelas (Leia o nosso artigo)

G26: Evidências da glaciação tardi-ordovícica

G27: Graptólitos do Silúrico inferior

G28: Conglomerado do Carbónico

G29: Crista quartzítica da Gralheira d'Água

G37: Icnofósseis de Cabanas Longas

G38: Sítio de Mira Paiva

G36: Garganta do Paiva

G35: Cascata das Agueiras

G30: Vau

G31: Gola do Salto

G32: Falha da Espiunca

 

Fonte arquivos: Arouca Geoparque
Fotos e organização da informação: Ondas da Serra

 

Lida 460 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

São João de Fontoura na Rota dos Cerejais

Os vastos horizontes que se têm aberto ao Ondas da Serra levaram-nos para fora de Aveiro para ver outras maravilhas do nosso país, desta vez fomos até São João da Fontoura em Resende, para degustarmos a sua Rota dos Cerejais.

Igreja Paroquial de São Mamede de Guisande

Nas nossas voltas pelo distrito de Aveiro, fomos até Guisande em Santa Maria da Feira, onde descobrimos a sua bonita Igreja Paroquial em honra de São Mamede e Capela de Nossa Senhora da Boa Fortuna.

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Faça Login para postar comentários