quinta, 12 janeiro 2017 09:09

Museu de Santa Maria de Lamas meio século ao serviço da cortiça

Classifique este item
(0 votos)

O Museu de Santa Maria de Lamas foi fundado na década de 50 do século XX (1957), tendo como diretora atualmente Susana Ferreira. Neste espaço poderá encontrar e descobrir a história da cortiça no concelho, visualizar obras-primas efetuadas pelas mãos hábeis de artesãos e compreender a razão deste material ter transformado Santa Maria da Feira no maior produtor e transformador mundial deste material natural.

Museu da Cortiça de Santa Maria de LamasSíntese histórica

Popularmente apelidado de “Museu da Cortiça”, o Museu Santa Maria de Lamas (MSML) constitui um caso particular na história da museografia portuguesa do século XX. Resultante do espírito colecionista do seu fundador, o benemérito e industrial “corticeiro”, Henrique Amorim (1902 - 1977), o MSML destaca-se pela quantidade, qualidade e variedade (tipológica e temporal), do seu espólio. Um verdadeiro acervo plural, recuperado e reorganizado do ponto de vista museológico e museográfico a partir de 2004, que apresenta coleções de Arte Sacra, Estatuária Portuguesa, Etnografia, Ciências Naturais, Escultura em Cortiça/aglomerado de Cortiça e Arqueologia industrial. Destaque-se esta última coleção que além de evidenciar as potencialidades desta matéria-prima, reflete a identidade da comunidade local e constitui uma verdadeira herança cultural que o MSML visa conservar, estudar, difundir e valorizar de forma integral. Dada a ligação do Fundador do Museu à Indústria transformadora da cortiça, bem como à implantação do Museu em território corticeiro, cumprindo e exaltando o desejo do Fundador de homenagear esta matéria-prima, ao longo da exposição permanente, têm sido incluídas réplicas, em cortiça e derivados, das obras mais emblemáticas do espólio - como é o caso do núcleo de escultura medieval.

Cronologia

Década de 50 do séc. XX: Fundação e início da construção do Museu de Santa Maria de Lamas (MSML), promovida e financiada por Henrique Alves Amorim (1902-1977).

1950 a 1953: Período de maior recolha e aquisição, por parte de Henrique Amorim, dos elementos da vasta e valiosa coleção de Arte Sacra do MSML. Deste modo, na sua globalidade, a Talha dourada, a Imaginária, a Pintura, a Gravura, a Litografia, os Missais, os Ex-votos, a Paramentaria, as Alfaias e os Objetos de uso litúrgico que integram esta coleção, foram adquiridos, na sua maioria, em território luso. Diretamente em espaços religiosos intervencionados, hastas públicas, “residências particulares” ou antiquários. Situados no Porto, Póvoa do Varzim, Braga, Viseu ou Vila Nova de Famalicão.

Até 1959: Momento cronológico marcado pelos trabalhos de conclusão da primeira fase expositiva e estrutural do edifício do MSML. Um complexo arquitetónico que, desde os primórdios da sua composição, carateriza-se pela proximidade do seu traçado exterior aos princípios “conservadores” da arquitetura pública da época, regrada pela ideologia nacionalista do Estado Novo (1926 – 1974). Assente na trilogia de valores: “Deus, Pátria e Família”.

1959: Em 5 de março, numa atitude de apreço pelo desenvolvimento cultural de Santa Maria de Lamas e sua população, Henrique Amorim procedeu à doação deste espaço museológico e espólio constituinte, para a Casa do Povo desta freguesia - uma entidade que, desde esse dia até à contemporaneidade, se preserva como “instituição tutelar” deste Museu.

Museu da cortiça de Santa Maria de Lamas1968: Tal como poderá comprovar a inscrição visível no solo do pórtico de entrada no complexo exterior do MSML - que associa o nome do fundador, “Henrique Amorim”, à referência cronológica “1968” - será datável desse ano a devida conclusão da segunda fase construtiva deste edifício museológico. Assim sendo, em 1968, o Museu “inaugurou” a sua planimetria final de 16 salas, distribuídas por dois andares.

1977: Com a morte de Henrique Alves Amorim, ocorrida no dia 20 de fevereiro, inicia-se um longo e “doloroso” período de 27 anos de “semi-adormecimento” no tratamento e conservação deste Museu.

2003/2004: Inicia-se o “Projeto de Reorganização Museográfica do MSML”. Revelando sentido de interesse e responsabilidade perante o Património, a direção da Casa do Povo celebrou um protocolo com o Departamento de Arte e Conservação e Restauro da Universidade Católica Portuguesa, com vista à orientação do relançamento, conservação, restauro e respetiva reestruturação deste complexo.

2005: Com o fim do protocolo em julho, foi criado um quadro técnico especializado, de modo a dar continuidade à implementação do “Plano Museológico”. Assim como a todos os trabalhos de intervenção e conservação; aos estudos interpretativos; e à definição de uma nova dinâmica comunicativa de promoção do Museu. Almejando, com os seus resultados práticos, a salvaguarda e a partilha das atividades, das memórias e do legado histórico deste Museu; e o reconhecimento, por todos os quadrantes da sociedade civil, leiga e especializada, nacional e internacional, da singularidade deste património material e imaterial que “preenche” o MSML.

2006: Criação do Serviço Educativo do MSML, uma marca de excelência e pedagogia, que prima pela aproximação dos diferentes quadrantes da comunidade a todos os conteúdos passíveis de abordagem e ao acervo exposto no Museu. Levando o público ao seu completo e claro entendimento.

2008: Término da primeira fase de recuperação do piso inferior do Museu, com a reabertura ao público de 3 das suas 10 salas, completamente intervencionadas e renovadas. Uma “empreitada” exigente do ponto de vista estrutural, com princípios orientadores baseados no pensamento e nas diretrizes da Museologia atual. Devidamente apropriados às necessidades do visitante contemporâneo e às “boas práticas” de exibição, interpretação e conservação de cada objeto exposto.

2009: Início do processo de credenciação do MSML na Rede Portuguesa de Museus (RPM).

2011: Marca o início da renovação de sinalética interna e externa de toda a envolvência física e temática do MSML. Neste projeto, salientam-se os princípios aplicados; nomeadamente a clareza, funcionalidade, rigor técnico, interpretativo, académico e científico dos conteúdos e materiais, proporcionando serviços informativos atrativos e esclarecedores.

2004 até ao presente: O Museu afirma-se como espaço de reflexão, estudo, partilha e interpretação de uma realidade que moldou a história de uma terra; e de um património que acompanhou o gosto e a evolução secular de um país. Assim sendo, este complexo, socialmente ativo, de grande valia cultural e pedagógica, demarca-se pelo contributo que presta à Museologia nacional. Invocando, em todo o seu acervo, Histórias e “Estórias” desta e das mais variadas regiões, “preservando, expondo e arquivando memórias” da Arte, do Culto, da Indústria, da Ciência e da Etnografia portuguesa.

Serviço Educativo

O Museu oferece ao público um conjunto de opções dinâmicas, que permitem o seu contacto direto com as coleções que integram o seu espólio tão rico e diversificado. Individualmente, em família ou em grupo, o público pode usufruir das habituais visitas gerais/temáticas orientadas, de modo a conhecer a história do Museu, bem como a sua exposição permanente. O Museu tem no seu Serviço Educativo um ponto alto em termos de qualidade teórica e lúdica, proporcionando ao participante uma sensibilização para a própria arte, sua diversidade tipológica e temática, património cultural/industrial e sua conservação. Ao longo do ano letivo, além do programa educativo permanente, do qual destacamos a atividade “O mistério do desaparecimento das roupas do sobreiro”, o Museu promove diversas atividades educativas (associadas a quadras festivas e diferentes comemorações), devidamente complementadas com oficinas de expressão plástica. Nas quais existe um recurso constante à cortiça, cumprindo deste modo a missão de contribuir para a sensibilização da importância da sustentabilidade ambiental proporcionada pela cortiça e pelo montado de sobro.

LOJA

A Loja do MSML procura oferecer aos seus visitantes um leque variado de produtos executados em cortiça e seus derivados, quer com motivos decorativos presentes nas suas coleções, quer com temáticas alusivas a eventos ou quadras festivas, executados na íntegra pelos técnicos do Museu. Destaque para linha de objetos associados à temática “Viagem Medieval em Terras de Santa Maria”, bem como para os Presépios de Natal. O MSML aceita encomendas de todo o tipo de objetos em cortiça. Solicite orçamento através dos contactos do Museu!

 

Morada e contactos

Largo da Igreja, nº 90, Parque de Santa Maria de Lamas, 4535-412 Santa Maria de Lamas, Santa Maria da Feira

T 227 447 468

TM 916 647 685

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

www.museudelamas.pt

http://museudelamas.blogspot.pt/

https://www.facebook.com/museudelamas/

 

Lida 729 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Igreja Paroquial de São Mamede de Guisande

Nas nossas voltas pelo distrito de Aveiro, fomos até Guisande em Santa Maria da Feira, onde descobrimos a sua bonita Igreja Paroquial em honra de São Mamede e Capela de Nossa Senhora da Boa Fortuna.

Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão

O Ondas voltou à Vale de Cambra para continuar a descobrir as suas bonitas aldeias ou reencontrar alguns amigos e começar o percurso onde antes tínhamos terminado em Paço de Mato.

Minha terra, meu Museu

Após visita ao Vale Mágico em busca da arte expressa nas ruas através do seu ‘Walking Tour de Arte Contemporânea’ voltamos ao ambiente  “… cercado de montanhas de formas extravagantes...” de Ferreira de Castro para saber mais da sua história, pois assim o teria de ser... e fomos ao museu.

O Museu Municipal de Vale de Cambra situa-se na freguesia de Macieira de Cambra nos antigos Paços do Município, que foi a sede do concelho até 1926. Dista 3Km do centro de Vale de Cambra e é o primeiro andar de um edifíco do séc. XIX onde funciona no rés-do-chão a Junta de Freguesia.