Pág. 1 de 7

Conhecer (40)

Conhecer

Santa Maria da Feira é um dos maiores concelhos do país, conhecido pela sua grande atividade industrial em que a transformação da cortiça ocupa o lugar principal. Nos últimos anos a sua faceta tem vindo a mudar com eventos turísticos e culturais que já ultrapassam as suas fronteiras, destacando-se a Feira Medieval e o Imaginarius. Recentemente a autarquia assumiu a gestão do Europarque vislumbrando-se uma nova vida para este recinto. Terra de tradições, conhecida pelas fogaças, protegida pelo seu padroeiro São Sebastião e guardada pelo Castelo, encara com otimismo este milénio e projeta-se como terra onde o antigo se funde com o futuro.  

23 agosto 2019

A Loja Centenária da Marçalina

  • por Ondas da Serra

Ondas da Serra viajou até Cabomonte – São Miguel de Souto, onde subsiste há mais de um século uma antiga taberna, mercearia ou como o povo gosta de chamar “Loja de comes e bebes”, mais conhecida por “Loja da Marçalina”, uma das mais velhas das terras de Santa Maria e onde ainda se podem sentir os refinados odores dos petiscos dos nossos avós.

Nas nossas voltas pelo distrito de Aveiro, fomos até Guisande em Santa Maria da Feira, onde descobrimos a sua bonita Igreja Paroquial em honra de São Mamede e Capela de Nossa Senhora da Boa Fortuna.

No fundo de um florido vale, por onde serpentei o rio Lage, num lugar que poucos conhecem por Penouco, em Cabomonte, na Rua da Ponte, nasceu a 21 de janeiro de 2009, a ALMISOUTO - Associação de Lazer S. Miguel do Souto, nos “Antigos Moinhos do Fidalgo”, num terreno e casa rústica que o tempo já tinha tomado posse.

O equilíbrio entre a emoção e o intelectual define Bruno Monteiro enquanto um dos melhores violinistas portugueses da atualidade. Nasceu no Porto, vive em Santa Maria de Lamas, e falou com o Ondas da Serra sobre as experiências emocionais que cria sempre que toca violino. “Tocar para as pessoas é comunicar emoções e raciocínio. É tudo.” A trabalhar no 12.º álbum, o artista promete mais um trabalho fora do comum, “apaixonado e obscuro”.

A história mais difícil dos três anos de projeto ‘Cão ou Sem Casa’ pertence a Vitória. Encontrada há cerca de três meses na rua com um golpe de calor e em convulsão há 5 horas, a gata sobreviveu ao que a vida parecia querer terminar. Joana Lamoso, Ana Tavares, Joana Rodrigues e Catarina Adão partilharam a sua história esta Sexta-feira, 27 de julho de 2018, à procura de uma adoção responsável. Desde 2015, já salvaram mais de 150 animais.

As Invasões Francesas em 1809 deixaram uma marca vincada na história do povo de Arrifana, concelho de Santa Maria da Feira. Há quem diga que tal sofrimento provocou um síndrome de bairrismo invulgar na população.

Pág. 1 de 7