sexta, 27 janeiro 2017 08:29

XIV Encontro de Grupos de Cantares de Janeiras e de Reis em Santa Maria da Feira

Classifique este item
(0 votos)

Decorreu no passado dia 15 de janeiro de 2017, pelas 15h00, no Cineteatro António Lamoso em Santa Maria da Feira, o magnifico evento, “XIV Encontro de Grupos de Cantadores de Janeiras e Reis de Santa Maria da Feira”, promovido pelo Grupo de Danças e Cantares Regionais da Feira. Está de parabéns o Grupo organizador porque conseguiu fazer uma apresentação de forma diferente, educativa, teatralizando numa antiga casa de um lavrador remediado já falecido a vivência acolhedora de dois casais, com os seus filhos e avós. No meio desta encenação apareciam os Grupos a cantar e pedindo oferendas. Estes reiseiros com as suas vozes transportaram os presentes para um universo da paz e da alegria.

O espetáculo começou assim:

Era assim antigamente…

Uma família encontra-se reunida, com dois casais sentados à mesa, os filhos a brincar e duas avós sentadas à lareira, ao serão. O cenário desta recreação foi montado no palco do Cineteatro.

Imaginemos a casa do Ti Zé da Fonte, (já falecido), onde se encontram reunidos os seus familiares mais próximos, no dia dedicado à Sagrada Família, (o Domingo seguinte ao dia de Natal, segundo o calendário da Igreja Católica). Os dois filhos, o António e o Zé; a sua mãe, a Senhora Maria, (viúva); a sogra do António, a Ti Zeferinha e a mulher do António, a Maria Amélia; a mulher do Zé, a Maria Carolina; as crianças, filhos dos dois casais; a Rita, filha do António e da Maria Amélia; e o Zé Pedro e a da Adriana, filho do Zé e Maria Carolina.

Era já noite dentro, a família estava quase no fim da ceia, a saborear alguma doçaria caseira, quando ouvem um grupo a cantar à porta. Era tradição cá por Terras da Feira/Terra de Santa Maria, saírem grupos de homens a cantar a Janeiras pelas portas, desde a noite de fim de ano à noite de Reis. E como se tratava duma casa de lavradores, que sempre tinham alguma coisa para dar aos Grupos que os visitavam, vinham todos os anos bater-lhe à porta, não um grupo, mas, dois, três ou mais. E todos eram recebidos com grande alegria, como se pode ver nesta recriação histórica.

Programa

01 Apresentação do espetáculo

02 Abertura do pano – boca de cena

03 Entrou um Grupo de reiseiros, constituído só por homem como antigamente.
Estes homens pertencem ao Grupo de Danças e Cantares da Feira. A sua atuação tentou recrear a tradição de Terras da Feira/Terra de Santa Maria.

04 Entrou a figura do homem “embriagado”
Devido ao estado de embriagues em que se encontra, não atina com a sua casa, e aparece à porta desta família. Como já o conhecem, um dos homens da casa, procura encaminha-lo para casa.

05 Entrou o Rancho Típico de Vila Nova – Cernache – Coimbra
Procedeu como o primeiro Grupo – à entrada

06 Entrou a figura da mulher do “embriagado”
Anda à procura do marido, aflita. Na casa dos lavradores dizem-lhe, que ele passou por ali, pouco tempo antes, e que o encaminharam para casa.

07 Entrou o Grupo de Danças e Cantares de Soalhães – Marco de Canavezes
Na sua entrada procedeu de igual modo, do primeiro e do segundo Grupos.

08 De volta, entram: -o “embriagado” e a mulher         
O casa ia a caminho de sua casa, mas a mulher tinha dificuldades em conduzir o marido.

09 Entrou o Rancho Folclórico de Sever do Vouga
Procederam à entrada de igual nodo que os anteriores.

10 Entrou o GEDEPA (Grupo Etnográfico de Defesa do Património e Ambiente da Região da Pampilhosa)

11 Entrou o Grupo de Danças e Cantares da Feira
Nesta segunda parte da autuação do Grupo da Feira, o mesmo já estava composto na forma atual; com homens e mulheres, instrumentos de corda e palhetas; interpretando cantares recolhidos pelo Grupo na região de Terras da Feira.

12 Convívio final, também de acordo com a tradição. Antigamente os Grupos reiseiros, no fim da cada noite a cantar pelas portas, reuniam-se em grandes “tainadas”, para comer e beber do que lhes tinham oferecido nas casas visitadas.  E este era o segundo motivo porque os grupos iam cantar as Janeiras e os Reis pelas portas.

 

Lida 430 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

Bruno Monteiro: “O violino é a minha paixão”

O equilíbrio entre a emoção e o intelectual define Bruno Monteiro enquanto um dos melhores violinistas portugueses da atualidade. Nasceu no Porto, vive em Santa Maria de Lamas, e falou com o Ondas da Serra sobre as experiências emocionais que cria sempre que toca violino. “Tocar para as pessoas é comunicar emoções e raciocínio. É tudo.” A trabalhar no 12.º álbum, o artista promete mais um trabalho fora do comum, “apaixonado e obscuro”.

Invasões Francesas em Arrifana | Santa Maria da Feira

As Invasões Francesas em 1809 deixaram uma marca vincada na história do povo de Arrifana, concelho de Santa Maria da Feira. Há quem diga que tal sofrimento provocou um síndrome de bairrismo invulgar na população.