Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais Caldas de São Jorge | Rio Uíma
quinta, 23 maio 2019 20:14

Caldas de São Jorge | Terra de mártir, poesia, rio e águas termais Destaque

Classifique este item
(3 votos)

Caldas de São Jorge é uma freguesia de Santa Maria da Feira, bastante conhecida pelas suas águas termais, mas que tem outras riquezas à espera de serem descobertas.

Fonte de São JorgeQuando o visitante chega às Caldas, junto às termas cujo largo tem o nome do descobridor das suas águas, “Abbade Ignácio António da Cunha”, fica maravilhado pelo seu enquadramento. De um lado o estilo clássico do antigo edifício termal e do outro o sussurrar do Rio Uíma. Aqui as águas foram abraçadas à terra, num todo harmonioso que denota cuidado e amor pelos seus filhos. Aqui a mãe natureza anda de mão dada com a paisagem urbana e até as pontes foram embelezadas com coloridas flores.

Uma fonte com águas termais está sempre ocupada a dar de beber ao povo, embelezada com um painel de azulejos com o mártir da freguesia, por Manuela Moreira em 2009.

Fronteiro às novas instalações das termas nasceu a Fonte de São Jorge, que aparece montado no seu cavalo, com seu elmo, lança e escudo a matar o dragão, recordemos aqui a oração de São Jorge que o monumento exibe.

…Eu andarei vestido e armado com as vossas armas, para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me enxerguem e nem pensamentos possam ter para me fazer mal.
Armas de fogo o meu corpo não alcançaram!
Facas e lanças quebrar-se-ão sem o meu corpo tocar!!
Cordas e correntes rebentar-se-ão sem o meu corpo amarrar!!!
São Jorge cavaleiro guiai-me!
São Jorge Guerreiro defendei-me!!
São Jorge mártir protegei-me!!!

As Caldas são como um livro de poesia, por isso por todo o concelho são encontrados versos dos nossos grandes poetas, junto dos monumentos ou afixados nas paredes, aqui Fernando Pessoa, Luís de Camões ou José Régio, tem algo a dizer para quem os quiser escutar.

Daqui partem três percursos pedestres, Rio Uíma, Calvário e Ilha, com 6.84, 5.18 e 1.25 km respetivamente. O mais longo é também o mais interessante, por caminhar junto ao rio, saboreando a sua luxuriante vegetação, sobre pontes em madeiras, passando junto do jardim das aromáticas e bonito parque de lazer de Várzea - Pigeiros.

Não estávamos a conseguir encontrar o percurso do Calvário e fomos logo por casualidade pedir informações ao Sr. Presidente da Junta, José Martins, que nos prometeu sinalizar melhor o mesmo e nos deu a notícia da abertura do concurso para outro troço deste rio, entre as Caldas e Fiães, numa extensão de 12/13 Km. Numa fase posterior há um projeto para o troço entre Pigeiros e Milheirós. Disse-nos também que a ideia dos autarcas é todo o percurso do rio dentro do município de Santa Maria da Feira ter caminhos ou passadiços. 

Faça uma pausa e vá conhecer ou regressar a esta terra protegida pelas armas do São Jorge, onde uma cultura inusitada num local incomum nasceu.

Leia também: As mais bonitas aldeias de Aveiro

 

 

 

Lida 1220 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Entre Ambos-os-Rios | Uma península fluvial

Localizada no concelho de Ponte da Barca, a freguesia de Entre Ambos-os-Rios, não é uma jangada de pedra, embora a sua península formada pelos rios Lima, Tamente e Froufe pareça ter uma grande vontade de ir conhecer o oceano atlântico lá para os lados de Viana do Castelo.

Pedras Boroas do Junqueiro | As côdeas do povo

A Serra da Freita é dotada de prodígios geológicos, rochas dobradas com milhares de anos, pedras que dão à luz ou são pão para o povo. Lá para os lados do Junqueiro - Arouca, os penedos resolverem tomar forma de boroas para enganar o engenho humano.

Pedras parideiras que dão à luz na aldeia da Castanheira

Quem sobe para a Serra da Freita em Arouca, está longe de imaginar que no seu planalto irá encontrar tantas maravilhas de Portugal, paisagens, gado de raça caprina e bovina apascentar livremente pelos montes, um rico património natural e geológico e as suas aldeias serranas de Albergaria da Serra, Cabaços, Merujal e Castanheira, onde até as inférteis pedras dão à luz e são chamadas parideiras.