Povo que lavas no rio Foz do rio Caster
sábado, 17 fevereiro 2018 09:07

Povo que lavas no rio Destaque

Classifique este item
(0 votos)

A revolução industrial e a eletricidade permitiu ao povo, principalmente no ocidente, automatizar uma serie de tarefas domésticas para aumentar a sua qualidade de vida e supostamente lhe dar mais tempo. Com estes adventos surgiram toda uma serie de parafernália mecânica para auxiliar na cozinha, higiene pessoal, tratamento da roupa, jardinagem e outras tarefas quotidianas.

Hoje em qualquer lar podemos encontrar, fornos, ferros de engomar, batedeiras, maquinas de lavar, secar, secadores de cabelo e por ai fora.

A mulher viu a sua vida facilitada e acertadamente a igualdade de géneros tentou equilibrar as tarefas domesticas. O povo deixou de ir lavar a roupa ao rio, mas estas transformações como é natural não ocorreram todas ao mesmo tempo e nos mesmos locais.

Um destes dias em passagem pela foz do rio Cáster em Ovar, fomos encontrar Maria Valente, com 52 anos e residente na Ribeira, no meio do rio a lavar roupa à mão, com uma botas de borracha até ao joelhos para não se molhar. Disse que para além de gostar mais, ainda poupa algum dinheiro. Já deixou no local um bidão mas há sempre alguém que embirra com aquilo e por isso ela agora traz de casa uma mesinha que monta no meio das águas. Ali próximo o seu carrinho de mão aguardava o regresso a casa com a trouxa de roupa. Nos campos em redor estendeu os seus lençóis e de imediato nos veio à memória um pedaço da nossa história nos quadros do filme "Aldeia da Roupa Branca".

Não estranhou o facto de queremos tirar fotografias, já está habituada, não somos os primeiros nem devemos ser os últimos. Muito havia para dizer, mas nesse dia continuamos o nosso passeio, porque por vezes precisamos de estar em silencio e observar apenas o que nos rodeia e aves não faltavam (para já, estamos cada vez mais atentos, aguardem).  

 

 

Lida 298 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

É tão bonito! Onde fica?

O chão de madeira serpenteia entre a maior zona lagunar do Norte de Portugal com o brilho que só a natureza pode proporcionar. Os passadiços da Barrinha de Esmoriz, no concelho de Ovar, são o passeio idílico para amantes de praia, natureza e emoções. É bonito por tudo o que oferece a quem o visita. Simples e poderoso.

Pedalando por Válega e Avanca

Um destes dias fomos pedalar por Válega e Avanca. Iniciamos o percurso pela Rua Ponte de Pedra, perto da linha do norte da CP e do viaduto da Avenida D. Maria II em Ovar. Pedalamos alguns quilómetros em direção a sul, pela Rua do Afreixo, por um caminho de terra batida, sempre com a linha pelo nosso lado direito. A dada altura perto do apeadeiro de Válega tivemos que passar para o outro lado da linha e continuamos a pedalar em direção a sul, mas agora com a linha pelo nosso lado esquerdo.

Rio Inha em Canedo

A margem esquerda do Rio Inha em Canedo foi requalificada, dotando agora aquela parte do rio com uma bonita frente ribeirinha com cerca de três quilómetros. Quem circular pela Estrada Nacional 222 entre Canedo e Castelo de Paiva, antes da Ponte do Inha, vira à direita e desce para a Rua da Ribeirinha, onde começa o percurso, que termina no Rio Douro.

Faça Login para postar comentários
Pub