terça, 03 julho 2018 20:31

Pedalando por Válega e Avanca Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Um destes dias fomos pedalar por Válega e Avanca. Iniciamos o percurso pela Rua Ponte de Pedra, perto da linha do norte da CP e do viaduto da Avenida D. Maria II em Ovar. Pedalamos alguns quilómetros em direção a sul, pela Rua do Afreixo, por um caminho de terra batida, sempre com a linha pelo nosso lado direito. A dada altura perto do apeadeiro de Válega tivemos que passar para o outro lado da linha e continuamos a pedalar em direção a sul, mas agora com a linha pelo nosso lado esquerdo.

Como já o dissemos em outros artigos estas explorações permitem-nos sempre descobrir motivos novos e olhar para os que já são conhecidos de forma diferente. Se não fosse assim não tinham visto o espantalho, vestido de motard, como seu casaco de cabedal, capacete, a serrar lenha e com o seu “palhinhas” ao lado para matar a sede. Este motoqueiro aposentado estava a guardar a lenha do seu criador, para os amigos do alheio no inverno não se aquecerem às suas custas. Ao lado foi pintada grosseiramente com tinta vermelha, uma sugestiva placa de aviso, “Quem vai, vai, quem está, está, obrigado”. Sabedoria popular feita duma forma criativa e muito humorística a pedir para respeitarem o que é dos outros.

Vimos também um armazém de iluminações festivas o que não deixou de dar um ar de fantasia ao percurso. Descobrimos em Avanca o percurso do Rio Gonde, fomos ainda ver a fachada da Casa-Museu Egas Moniz e Igreja de Santa Luzia. Posteriormente aproveitamos esta informação para fazer artigos sobre o percurso atrás referido e a estação de Avanca.

Estas são terras de agricultores e por todo o lado se sente, cheira e vê os agricultores a trabalhar com as suas ferramentas, animais e tratores. No ar águias e cegonhas são rainhas dos céus.

Leia também: Avanca - Percurso do Rio Gonde

Leia também: Estação dos caminhos de ferro de Avanca

 

 

Lida 390 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

É tão bonito! Onde fica?

O chão de madeira serpenteia entre a maior zona lagunar do Norte de Portugal com o brilho que só a natureza pode proporcionar. Os passadiços da Barrinha de Esmoriz, no concelho de Ovar, são o passeio idílico para amantes de praia, natureza e emoções. É bonito por tudo o que oferece a quem o visita. Simples e poderoso.

Rio Inha em Canedo

A margem esquerda do Rio Inha em Canedo foi requalificada, dotando agora aquela parte do rio com uma bonita frente ribeirinha com cerca de três quilómetros. Quem circular pela Estrada Nacional 222 entre Canedo e Castelo de Paiva, antes da Ponte do Inha, vira à direita e desce para a Rua da Ribeirinha, onde começa o percurso, que termina no Rio Douro.

O Vale Mágico

“… cercado de montanhas de formas extravagantes, não é fácil descortinar em Portugal outro mais grandioso e espectacular. Quase não tem planos.

A terra é verde e o céu é azul; é tudo verde e azul com raras pintas brancas do casario, que mais do que moradias de homens parecem janelas da própria paisagem.

Nas noites de luar, quando o grande balão de oiro surge na lomba das montanhas, o vale enche-se de magia, dum sortilégio que paira desde os píncaros longínquos às águas sussurrantes do Caima. De manhã é o milagre, todos os dias há um milagre de luz sobre a terra quando o sol nasce em Vale de cambra.

(Ferreira de Castro)

Faça Login para postar comentários
Pub