Pág. 1 de 8

O rancho folclórico “Os Camponeses da Beira-Ria”, do Bunheiro Murtosa, comemorou no passado domingo o seu trigésimo nono aniversário. A festa era para ser realizada na Casa-Museu Custódio Prato, mas a chuva levou os responsáveis a mudar o local para a sede da Junta de Freguesia.

Ondas da Serra apresenta neste artigo uma seleção de museus que pode visitar, onde poderá apreender sobre história, património, história da cortiça, chapelaria, música, rádio, espécies de peixes, azulejos, casas antigas, ferramentas agrícolas ou como se fabricava o papel.

Ricardo Vieira imortaliza os compositores e as suas criações a cada concerto. O pianista nasceu em Santa Maria da Feira há 33 anos e hoje conquista plateias em todo o mundo. Dezassete anos depois do primeiro concerto com orquestra, no Teatro São Luiz, em Lisboa, garante que nunca vai com “receio para cima do palco”.

Projeto “Fractions of Whole” é uma criação em estreia absoluta

Para os alunos do 10.º ano do Curso de Animação Sociocutural da Escola Secundária Coelho e Castro, de Fiães, a criação de um espetáculo para o festival Imaginarius é um grande desafio e uma oportunidade única que – acreditam os jovens – vai marcar o seu percurso escolar e ajudar a definir o seu rumo profissional. O performer e acrobata Daniel Seabra assume a coordenação artística de um amplo projeto de capacitação para o circo contemporâneo e criação artística, que arrancou em fevereiro, intitulado “Fractions of a Whole”, cujo resultado será apresentado em estreia absoluta no Imaginarius, nos dias 25 e 26 de maio.

A poesia saiu à rua nos centros de Pardelhas e da Torreira, trazida pelos alunos da Escola Padre António Morais da Fonseca e da EBI da Torreira, que surpreenderam os clientes e proprietários de um conjunto de estabelecimentos comerciais com a declamação de poemas e distribuição de marcadores de livros.

21 de março, Dia Mundial da Poesia, em S. João da Madeira | Operários fazem pausas no trabalho para ouvir e declamar poesia nas fábricas

Ao longo da próxima semana as palavras dos poetas vão ouvir-se em fábricas de S. João da Madeira, que fazem pausas na sua laboração para que os trabalhadores possam envolver-se ativamente nesses momentos, não só como espectadores, mas também dizendo versos.

Pág. 1 de 8