Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça durante as obras de requalificação da zona envolvente
sábado, 07 abril 2018 10:23

Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Ovar pode orgulhar-se de ter duas das mais bonitas igrejas do mundo, a de Válega já mereceu a nossa atenção e neste artigo vamos falar um pouco da Igreja de Cortegaça.

Igreja Matriz de Santa Marinha de CortegaçaEscolhemos este momento porque a zona envolvente da mesma está a ser alvo de obras, neste local irá nascer a Casa Mortuária de Cortegaça, está a ser requalificada a Alameda do Padre Manuel Dias da Silva e efetuados os respetivos os arranjos urbanísticos.

A nível histórico a Igreja “nova” como foi conhecida em Cortegaça começou a nascer em 1910 pela vontade do Padre Manuel Pereira e de uma comissão que o coadjuvava. Mas os custos eram bastantes e os “paroquianos na maioria pobre, não podiam arcar sozinhos, deliberou solicitar ao Governo de Sua Majestade um subsidio para ajuda do custeio das despesas com a fábrica da referida Igreja”, Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

A obra sofre um primeiro revés com a implementação da republica e posteriormente com a morte inesperada em 1916 do seu maior impulsionador, Padre Manuel Pereira. Mas o homem sonha e a obra nasce e em 18 de agosto de 1918, foi inaugurada, “O “João Semana” de Ovar noticiava assim este evento, na sua edição de 11.08.1918: Realiza-se, nos próximos dias 18 e 19 do corrente (Agosto de 1918) em Cortegaça, uma grandiosa festa, solenizando a inauguração da Igreja Matriz que acaba de concluir-se. Prega n’essa festa o Revº Abade resignatário d’Anta e tomam n’ella parte a banda de infantaria 6 do Porto e a “Ovarense” d’Ovar. A festa promete ser pomposa, a avaliar pelo entusiamo que reina entre o povo d’aquella freguesia e que resulta da grande alegria de está possuído, por ver sua freguesia dotada d’um templo de que há muito vinha carecendo, para substituir a velha e pequena igreja matriz.” Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

Leia também: Válega | Igreja Nossa Senhora do Amparo

O cemitério velho junto da Igreja tem muitos motivos de interesse e esperemos que as obras que estão a fazer não se esqueçam dele e dignifiquem o seu espaço, até para honrar a memória das pessoas que já partiram. Sobre o seu nascimento o autor acima referido diz o seguinte, “O multissecular costume de se enterrarem os mortos dentro das igrejas ou em volta delas, foi, inopinadamente, interrompido pelas chamadas “leis da saúde”, do Governo de Costa Cabral, leis alias progressivas, mas que concitaram contra si a rebelião da “Maria da Fonte (1846)”. Todavia venceu o bom senso e as populações rurais viram-se mesmo obrigadas as construir cemitérios próprios. E os de Cortegaça fizeram o mesmo ao lado da igreja “velha”. ” Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

A Igreja e os jazigos do Cemitério Velho encontram-se classificado como de Interesse Público, pela Direção Geral do Património Cultural.

 

Nota Histórico-Artística (Fonte: DGPC)

A edificação da atual igreja de Santa Marinha, matriz de Cortegaça, que veio substituir uma outra de época anterior, foi iniciada em 1910 e concluída em 1918 sob projeto de Manuel Soares de Almeida (Cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRC). Trata-se de um imponente templo, com fachada principal flanqueada por torres rematadas por coruchéus. O pano central é marcado pela abertura do portal de verga recta, que se liga ao janelão superior, com balaustrada e frontão triangular, terminando num amplo frontão coroado por três esculturas - Santa Marinha, a quem o templo é dedicado, encontra-se ao centro, com S. Miguel à direita e S. Martinho à esquerda.

Todo este alçado foi revestido por azulejos azuis e brancos, com motivos decorativos e arquitetónicos que equilibram e enquadram os vãos existentes. As representações figurativas são referentes a S. Pedro e a S. Paulo, a S. João Bosco e a S. Francisco de Assis, ao Coração de Jesus e ao Coração de Maria.

No interior, o retábulo-mor exibe um painel com Cristo Crucificado e as imagens de Santa Marinha e São Miguel. O tecto da capela-mor apresenta pinturas dos quatro Evangelistas.

A igreja foi depois objeto de outras campanhas, entre as quais se destaca a realização de dois altares e, em 1956, a construção de um novo batistério onde se inclui um painel de azulejo com a figuração do Batismo de Cristo. Sensivelmente na mesma época foram aplicados dois painéis de azulejo na capela-mor.

O revestimento azulejar do exterior da igreja matriz de Cortegaça inscreve este templo na tendência que, desde o século XIX, se manifestou de forma particular na região de Ovar, onde boa parte das fachadas dos imóveis foram revestidas por azulejos.

A presente classificação inclui ainda os jazigos do Cemitério Velho, situado ao lado da igreja. Executados entre o final do século XIX e o início da centúria seguinte, caracterizam-se pela utilização de um vocabulário revivalista, destacando-se pelo trabalho escultórico das suas cantarias, pelos gradeamentos em ferro forjado e, também, pelo recurso ao revestimento azulejar, configurando um conjunto de grande homogeneidade.

 

 

Lida 181 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Eventos Ondas da Serra

Ondas da Serra pontualmente efetua alguns eventos onde pretendemos envolver a nossa comunidade. Nós achamos ser nosso dever partilhar os nossos conhecimentos, sobre yoga, meditação, amor que temos pela humanidade, património natural e arquitetónico, animais e tradições. Defendemos um mundo melhor, onde as pessoas vivam em harmonia consigo próprias e com o universo, sem semearem a discórdia. Já fomos andar de bicicleta, de bateira na Ria de Aveiro, de barco no Rio Douro, subimos serras, mergulhamos em lagoas, fizemos yoga e meditação e partilhamos almoços em locais fantásticos. Aqui ficam alguns dos nossos momentos, não perca a oportunidade de viajar connosco.

Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete

O Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete situa-se no concelho de Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro. Ao aproximarmo-nos do local, escondido na floresta do monte, vamos descobrindo o templo que se ergue em direção ao céu, convidando ao longe os crentes para oração. Antes de começarmos a sentir o parque quisemos visitar a Igreja. A fé que se vive neste sítio é única.

Demanda pela Ilha dos Amores

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

Faça Login para postar comentários
Pub