quinta, 25 maio 2017 23:25

Zé “Caranguejo” – O calceteiro

Classifique este item
(2 votos)

José Dias de Oliveira Gonçalo nasceu em 12 de janeiro de 1952 na Rua Castilho, Poço de Baixo, Ovar: "Quero reformar-me para dar trabalho aos meus colegas da Câmara Municipal, aos mais novos", diz o Sr. José Caranguejo.

A alcunha é de família: "Pode tratar-me por Zé Caranguejo, que não levo a mal. Muito pelo contrário! Até gosto que me chamem Caranguejo, porque assim recordo-me do meu pai, José Moreira de Oliveira Gonçalo, que foi varredor na Câmara. Era da Ribeira de Ovar e tocava viola braguesa. Aprendi a tocar viola com ele... Também andei no Rancho da Ribeira. Não tenho uma fotografia do meu pai, mas gostava de ter." O sino da Matriz interrompeu o início da conversa. Agora vou ter de ir marcar o ponto ao Centro de Arte de Ovar, mas, se quiser, pode ir comigo. Pelo caminho conversámos sobre a arte onde o Sr. Caranguejo é mestre: "Sou calceteiro, sim, com muito orgulho. Aprendi isto com o Barnabé e o José Pinto. Era servente deles. Chegava-lhes as pedras, e via como é que eles faziam. Esta calçada portuguesa por onde estamos a passar está bem feita, as raízes destas árvores ainda não vieram cá para cima", graceja o calceteiro, confessando que fica "triste e chateado" quando não deixam o passeio em condições. "As pessoas, depois, queixam-se... Este alto que está a ver aqui é da água. Abriram o buraco para consertar o tubo e não fizeram a reposição devida." Disse-nos que é funcionário da Câmara Municipal desde o ano de 1979: "Andei primeiro nas Águas, e sempre fiz tudo e mais alguma coisa... Até faço martelos, as minhas próprias ferramentas. É verdade ou mentira?", diz, virando-se para o outro funcionário da Câmara, que está a aprender a arte de calceteiro com o Sr. Zé Caranguejo, ali junto aos Correios. "Foi a Câmara que me mandou fazer aquela parte do adro da Igreja Matriz que você fotografou no outro dia, onde estão as árvores, as esculturas do Muge. Aquilo ficou bem! Ovar é a terra do azulejo, mas também tem a bela calçada, seja em calcário ou em paralelos de granito", lembra o Sr. Caranguejo, rematando: "Tenho 65 anos, estou quase a ir para a reforma, mas se me pedirem para ensinar outros jovens, ensino, porque tenho muito gosto que eles continuem esta minha arte, que está a acabar. O problema é que, quando termina o contrato, eles vão embora."

 

  

Fernando M. Oliveira Pinto (texto e fotos)

Clique neste link para ver a galeria de Fotografia deste jornalista ovarense

https://www.flickr.com/photos/fernandomanueloliveirapinto/

Lida 747 vezes Modificado em sexta, 21 julho 2017 02:04

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Teresa Andrade de Rio de Frades

Um destes dias passeávamos nós em Rio de Frades - Arouca, depois de mais uma caminhada quando um cão nosso conhecido (Ler: Fuste – História de um cão), surgiu com cara de poucos amigos e deu-nos uns latidos intimidatorios. No entanto desta vez a história foi diferente, porque descobrimos a sua dona ali próximo apascentar umas cabras, numa ribeira confluente ao rio com o mesmo nome da terra.

Fotografar São João da Madeira

Passear sem mapa ou destino é um dos melhores tratamentos para o aborrecimento. Esqueça a típica conversa de Domingo sobre onde ir ou o que fazer. Saia de casa, sem roteiro, e vá descobrindo o que São João da Madeira tem para oferecer. As surpresas estão onde menos se espera.

Taberna Dom Joaquim acolheu festa da Comunidade Carioca de Ovar

A Taberna do Dom Joaquim foi o local escolhido pela Comunidade Carioca de Ovar se encontrar ao jantar do dia 03 de fevereiro e entregaram ao Presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, um projeto de lei, onde o município do Rio de Janeiro, declara que as duas cidades passam a ser irmãs.

Faça Login para postar comentários
Pub