Inácio Monteiro | Cesteiro Inácio Monteiro | Cesteiro
domingo, 06 maio 2018 08:35

Inácio Monteiro | Cesteiro Destaque

Classifique este item
(0 votos)

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Inácio Monteiro | CesteiroO ancião munido duma navalha, tesoura e um pedaço de pau, com gestos precisos de anos de oficio ia dando corpo à cesta. A peça ora estava virada para cima, ora para baixo, numa dança bem orquestrada. Na sua elaboração usou as mãos, pés, boca, navalha, tesoura e um pequeno pau.

O homem de quem falamos chama-se Inácio Monteiro, leva já 72 anos e nasceu me Aveiro. Do casamento nasceram dez filhos, mas um faleceu. Cedo aprendeu com os seus pais “que Deus tem”, a arte de cesteiro. Agora já está reformado e na vida não fez outra coisa. Atualmente só trabalha pontualmente e não vende o resultado da sua arte, troca por géneros para comer, com os vizinhos, pessoas da redondeza ou quem aparecer.

Os géneros que recebe servem para ajudar os seus filhos e netos. Disse que naturalmente passa algumas dificuldades e aquilo é uma forma de ajudar a família.

Leia também: Pedalando por Válega e Madail

Na cestaria usa vimes que os agricultores lhe trazem, de vários tamanhos e grossuras consoante a peça a ser feita. A alguns tira a casca com o seu inseparável canivete, até exibirem o interior branco para fazer “cestos para aquelas mulheres mais ricas”.

Na altura que o encontramos estava a acabar uma cesta grande, que demorou cerca de duas horas a fazer.

Disse com alguma tristeza que nenhum dos seus filhos quis esta vida, só o mais velho é que sabe do oficio, mas também não gosta da arte.

No final do espetáculo lançou a cesta rapidamente para o chão e ficou a mira-la algum tempo em reflexão. Esta peça que agora serve para ornamentar, antigamente era usada para trabalhar. 

 

 

Lida 393 vezes Modificado em quarta, 09 maio 2018 00:04

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social com distribuição da informação pela Internet, que visa promover a identidade regional e o turismo através da promoção da cultura, património, monumentos, museus, desporto, economia, gastronomia, ecologia e coletividades dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra, Arouca e dos restantes municípios desta região.

Itens relacionados

Bruno Monteiro: “O violino é a minha paixão”

O equilíbrio entre a emoção e o intelectual define Bruno Monteiro enquanto um dos melhores violinistas portugueses da atualidade. Nasceu no Porto, vive em Santa Maria de Lamas, e falou com o Ondas da Serra sobre as experiências emocionais que cria sempre que toca violino. “Tocar para as pessoas é comunicar emoções e raciocínio. É tudo.” A trabalhar no 12.º álbum, o artista promete mais um trabalho fora do comum, “apaixonado e obscuro”.

As quatro cidades de Emanuel Bandeira

É em liberdade pela cidade que Emanuel Bandeira se sente feliz. A sua agenda revela um desejo insaciável por contribuir para que “a melhor cidade do mundo” continue a progredir. Mobiliza o seu tempo em prol deste local com vista privilegiada para o mar. Contamos quatro cidades dentro da cidade de Emanuel, em pleno coração vareiro. Hoje, Esmoriz conta mais uma história sobre Emanuel ou será Emanuel a falar sobre Esmoriz?

Os caminhos de Covêlo de Paivó

A aldeia de Regoufe oferece muitas maravilhas para os amantes da natureza e caminhadas. O próprio local tem muitos pontos de interesse, sendo também ponto de partida para os percursos de Drave (PR 14 – A Aldeia Mágica) e Covêlo de Paivó (PR13 - Na senda do Paivó). O percurso que aqui vamos falar é o que fizemos para Covêlo de Paivó.

Faça Login para postar comentários
Pub