Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete
sexta, 22 junho 2018 10:04

Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

O Santuário de Nossa Senhora de La-Sallete situa-se no concelho de Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro. Ao aproximarmo-nos do local, escondido na floresta do monte, vamos descobrindo o templo que se ergue em direção ao céu, convidando ao longe os crentes para oração. Antes de começarmos a sentir o parque quisemos visitar a Igreja. A fé que se vive neste sítio é única.

Santuário de Nossa Senhora de La-SalleteNo local, um homem esguio e de barbas brancas, com um olhar que denota as muitas experiências que já passou na vida, aguardava sentado junto à entrada dos visitantes. Ficamos a saber que se chama António Carvalho, tem 71 anos, é natural de Braga. Casou por estas terras e por cá ficou. Já conta 45 anos em Oliveira de Azeméis.

Agora está reformado, tendo trabalhado como empresário de vendas na área decorativa. Sempre esteve ligado à religião católica e quando se reformou, há cerca de três anos, foi convidado para a função de vigilante.  

No local existem dois vigilantes. As suas funções passam por dar assistência às pessoas, responder a perguntas e abrir e fechar o templo. Junto da entrada existe uma mesinha onde vendem velas e imagens da Santa. Foi António Carvalho quem nos explicou a história do santuário.

A Nossa Senhora de La-Sallete é originária de França e os vitrais centrais são dedicados à Nossa Senhora de La-Sallete de Monte de La-Sallete em França.

A imagem de Nossa Senhora de La-Sallete de Oliveira de Azeméis é diferente da de Nossa Senhora Francesa. Há muitos anos houve um milagre em França. Numa altura de seca o povo fez uma peregrinação ao Monte de La-Sallete a pedir chuva e quando lá chegaram o pedido foi satisfeito. Este milagre teve impacto mundial e fez com que o culto se espalhasse.

Em Oliveira de Azeméis, também num ano de seca, povo fez o mesmo pedido e foram em peregrinação com intenção da Santa Francesa ao então Monte de Castro. A bênção da chuva foi concedida e o monte mudou para o nome atual. A ocorrência traduziu-se na criação da imagem da Nossa Senhora de La-Sallete de Oliveira de Azeméis e que está no santuário.

Antes do atual santuário existia no antigo Monte de Castro a capelinha original e que pode ser vista nos vitrais da Igreja do lado esquerdo ou nos painéis em azulejos por baixo do coreto.

A capelinha sofria assaltos com frequência e para os impedir foi destacado um vigilante noturno. Na madrugada de 10 de junho 1908 um ladrão, que já tinha feito outros assaltos no local, voltou a tentar repetir a façanha. No assalto anterior tinha partido um dedo da Nossa Senhora para lhe roubar um anel. Nesse dia foi apanhado pelo vigiante em flagrante que disparou em direção ao vulto. Foi posteriormente entregue à GNR.

No dia seguinte à detenção, pela manhã, a população encontrou junto ao altar o dedo mindinho do ladrão que o perdeu com o tiro, precisamente o mesmo que ele tinha partido à Santa. Este dedo está exposto junto da entrada há 110 anos.          

Contou-nos também que acorrem ao Santuário pessoas de todo o país, principalmente em excursões aos fins-de-semana. No primeiro domingo de agosto realizam-se as festas em honra da Santa. O ponto alto é a procissão das velas. Tem saída deste templo para a Igreja Matriz levando um andor com a imagem da Santa. Para o lugar dela vai tal imagem que ficou sem o dedo. Oito dias depois há a procissão triunfal onde as Santas trocam novamente de lugar e terminam as festas.

Aqui também se celebram eucaristias aos domingos pelas 11h30. Os turistas costumam visitar o local, com destaque para espanhóis, brasileiros e franceses. Em relação ao parque, ainda tem potencial por trabalhar. Destaque para o lago, que precisa de tratar a água, e que se prevê que aconteça em setembro.  

Depois de sairmos do templo vimos atletas que usam o parque para treinar, pessoas a caminhar ou a descansar nos bancos. Existe ainda um circuito de manutenção com máquinas apropriadas. Junto ao lago fica situado um pequeno café e os mais energéticos podem ir remar para o lago. Existem vários locais com frondosas sombras e mesas onde se podem fazer piqueniques.

Há um sitio que parece uma floresta encantada com raízes em forma de monstros, que crescem enrodilhadas por toda a parte e que ganham vida com a escuridão.

O Ondas da Serra destaca o facto do coreto de o jardim necessitar de uma manutenção mais frequente e de uma limpeza nos azulejos que retratam a historia do local.

 

 

Lida 394 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Passadiços de Aveiro em harmonia com a ria

Debaixo duma forte borrasca, com a chuva e o vento a fustigar-nos fomos ao encontro dos novos passadiços de Aveiro. A autarquia aproveitando as potencialidades da Ria, construiu um via pedonal e ciclável, que coloca o visitante em contacto direito com a laguna, a fauna e flora duma forma harmoniosa.

Pardilhó encantos e recantos

Pardilhó é uma vila pertencente ao concelho de Estarreja, nascida junto à Ria de Aveiro, repleta de encantos e recantos que facilmente enamoram o visitante. Esta terra possui uma atmosfera especial, um tempo peculiar e gentes afáveis e trabalhadoras.

Percursos pedestres/bicicleta em Aveiro

O nosso magnifico distrito possui dezenas de trilhos onde podemos observar a natureza, pássaros, insetos, flores, árvores e escutar um silêncio que dificilmente encontramos no meio urbano. Por vezes durante as caminhadas poderá cruzar-se com os habitantes desses locais, lembrem-se que um cumprimento e um sorriso não custam nada e fazem muito bem. Nós temos falado com pastores, pescadores, idosos e feirantes que sempre nós ensinam algo e nos relembram de outros tempos em que a sociedade estava mais unida.

Faça Login para postar comentários
Pub