Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça durante as obras de requalificação da zona envolvente
sábado, 07 abril 2018 10:23

Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Ovar pode orgulhar-se de ter duas das mais bonitas igrejas do mundo, a de Válega já mereceu a nossa atenção e neste artigo vamos falar um pouco da Igreja de Cortegaça.

Igreja Matriz de Santa Marinha de Cortegaça

Escolhemos este momento porque a zona envolvente da mesma está a ser alvo de obras, neste local irá nascer a Casa Mortuária de Cortegaça, está a ser requalificada a Alameda do Padre Manuel Dias da Silva e efetuados os respetivos os arranjos urbanísticos.

História desta igreja

A nível histórico a Igreja “nova” como foi conhecida em Cortegaça começou a nascer em 1910 pela vontade do Padre Manuel Pereira e de uma comissão que o coadjuvava. Mas os custos eram bastantes e os “paroquianos na maioria pobre, não podiam arcar sozinhos, deliberou solicitar ao Governo de Sua Majestade um subsidio para ajuda do custeio das despesas com a fábrica da referida Igreja”, Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

A obra sofre um primeiro revés com a implementação da republica e posteriormente com a morte inesperada em 1916 do seu maior impulsionador, Padre Manuel Pereira. Mas o homem sonha e a obra nasce e em 18 de agosto de 1918, foi inaugurada, “O “João Semana” de Ovar noticiava assim este evento, na sua edição de 11.08.1918: Realiza-se, nos próximos dias 18 e 19 do corrente (Agosto de 1918) em Cortegaça, uma grandiosa festa, solenizando a inauguração da Igreja Matriz que acaba de concluir-se. Prega n’essa festa o Revº Abade resignatário d’Anta e tomam n’ella parte a banda de infantaria 6 do Porto e a “Ovarense” d’Ovar. A festa promete ser pomposa, a avaliar pelo entusiamo que reina entre o povo d’aquella freguesia e que resulta da grande alegria de está possuído, por ver sua freguesia dotada d’um templo de que há muito vinha carecendo, para substituir a velha e pequena igreja matriz.” Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

Leia também: Válega | Igreja Nossa Senhora do Amparo

O cemitério junto da igreja

O cemitério velho junto da Igreja tem muitos motivos de interesse e esperemos que as obras que estão a fazer não se esqueçam dele e dignifiquem o seu espaço, até para honrar a memória das pessoas que já partiram. Sobre o seu nascimento o autor acima referido diz o seguinte, “O multissecular costume de se enterrarem os mortos dentro das igrejas ou em volta delas, foi, inopinadamente, interrompido pelas chamadas “leis da saúde”, do Governo de Costa Cabral, leis alias progressivas, mas que concitaram contra si a rebelião da “Maria da Fonte (1846)”. Todavia venceu o bom senso e as populações rurais viram-se mesmo obrigadas as construir cemitérios próprios. E os de Cortegaça fizeram o mesmo ao lado da igreja “velha”. ” Pardinhas, A. (1992). Monografia de Cortegaça. Coraze. Oliveira de Azeméis.

A Igreja e os jazigos do Cemitério Velho encontram-se classificado como de Interesse Público, pela Direção Geral do Património Cultural.

Nota Histórico-Artística (Fonte: DGPC)

A edificação da atual igreja de Santa Marinha, matriz de Cortegaça, que veio substituir uma outra de época anterior, foi iniciada em 1910 e concluída em 1918 sob projeto de Manuel Soares de Almeida (Cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRC). Trata-se de um imponente templo, com fachada principal flanqueada por torres rematadas por coruchéus. O pano central é marcado pela abertura do portal de verga recta, que se liga ao janelão superior, com balaustrada e frontão triangular, terminando num amplo frontão coroado por três esculturas - Santa Marinha, a quem o templo é dedicado, encontra-se ao centro, com S. Miguel à direita e S. Martinho à esquerda.

Todo este alçado foi revestido por azulejos azuis e brancos, com motivos decorativos e arquitetónicos que equilibram e enquadram os vãos existentes. As representações figurativas são referentes a S. Pedro e a S. Paulo, a S. João Bosco e a S. Francisco de Assis, ao Coração de Jesus e ao Coração de Maria.

No interior, o retábulo-mor exibe um painel com Cristo Crucificado e as imagens de Santa Marinha e São Miguel. O tecto da capela-mor apresenta pinturas dos quatro Evangelistas.

A igreja foi depois objeto de outras campanhas, entre as quais se destaca a realização de dois altares e, em 1956, a construção de um novo batistério onde se inclui um painel de azulejo com a figuração do Batismo de Cristo. Sensivelmente na mesma época foram aplicados dois painéis de azulejo na capela-mor.

O revestimento azulejar do exterior da igreja matriz de Cortegaça inscreve este templo na tendência que, desde o século XIX, se manifestou de forma particular na região de Ovar, onde boa parte das fachadas dos imóveis foram revestidas por azulejos.

A presente classificação inclui ainda os jazigos do Cemitério Velho, situado ao lado da igreja. Executados entre o final do século XIX e o início da centúria seguinte, caracterizam-se pela utilização de um vocabulário revivalista, destacando-se pelo trabalho escultórico das suas cantarias, pelos gradeamentos em ferro forjado e, também, pelo recurso ao revestimento azulejar, configurando um conjunto de grande homogeneidade.

Galeria de fotos

 

Lida 596 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como era o ensino no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Associação Dona Urraca Moreira a lutar pela terra oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

Vieira do Minho terra de contrastes

Vieira do Minho no sopé da Serra da Cabreira, vizinha do Parque Nacional da Peneda-Gerês, perto da azafama da área metropolitana do Porto, é um bom refugio para passar uns dias tranquilos, junto da natureza e vida selvagem.