domingo, 12 novembro 2017 22:41

E a Moita aqui tão perto… Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Em Ovar existe um local que passa frequentemente despercebido, a Moita. Nós passeamos com regularidade pelos seus caminhos, apreciando os campos, aves, insetos, flores, águas, esteiros e ria. Os quadros variam com as estações, humores do tempo, pessoas, fauna e flora.

Conheça a Moita em Ovar

O cheiro a ria é inconfundível e em cima da pequena ponte da Moita a vista alcança e abrange toda a linha do horizonte. Este é o ponto de encontro dos pescadores desportivos ou observadores de aves.

Pelos seus caminhos em terra batida encontramos pescadores, agricultores, turistas ou caminhantes ocasionais. No final da estrada em terra batida resiste ainda e sempre um casebre familiar, os seus moradores já se cruzaram connosco e nós parecemos não lhes inspirar confiança, lá terão as suas razões, nem todos sabem respeitar o “dono” da terra.

Carlos Gomes com a sua bicicleta "Rosita"

Neste dia encontramos a passear com a sua bicicleta "Rosita", Carlos Gomes, natural da Ribeira e residente em São Miguel de Ovar, casado, com 67 anos de idade, trabalhou 47 anos na empresa Batista e Irmãos em Ovar. De olhar sereno e temperamento calmo, contou-nos que antigamente aqueles campos junto à ponte eram mais verdes e as águas mais doces, agora entra água mais salgada que mata tudo e a vegetação fica queimada.

Os problemas da ria

Segundo o mesmo este problema teve inicio há cerca 20 anos quando fizeram as obras na barra que permitiram às águas entrar e sair com mais pressão e velocidade. As preias-mar também são maiores e atingindo a água maior altura. Indicou-nos com o braço o local junto à ponte onde já se está a formar uma lagoa. A própria força da corrente trás consigo lodo e areia branca. Foi a área que o levou naquele dia à Moita, porque essa areia chama robalos e há uns dias um amigo seu pescou ali muitos destes peixes. Há muitas décadas os pais do seu amigo cultivavam um térreo ali perto, ele ainda criança com o amigo andavam por ali a cortar mato até junto do braço de ria, mas agora está tudo queimado sem vegetação. Frisou que antigamente naquele local existiam muitas terras de cultivo e indicou-nos duas terras que se vê da ponte da Moita para norte conhecidas pela Ilha e Boca do Rio.

Mas lá o deixamos ir embora a pedalar para fazer aquilo que disse gostar mais, ver a paisagem.

Já no nosso regresso fomos surpreendidos por uma família de etnia cigana que permitiu que tirássemos umas fotos para alegria das suas crianças.

Na ida e no regresso podemos ouvir e ver um bando de corvos que parecem ser os arruaceiros do local. De todas as vezes que ali vamos, vemos sempre estas aves a esvoaçar e pousar nos campos. Fazem de tal maneira barulho que até parecem que se estão a divertir com a algazarra que criam.  

Leia também: Percursos pedestres/bicicleta em Aveiro 

Galeria de fotos

Lida 1239 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Aprenda como se ensinava no Museu Escolar Oliveira Lopes

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].

Vereda do pastor percurso pedestre oculto da Serra da Freita

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.

Cabril Gerês o que visitar, natureza selvagem desconhecida

A freguesia de Cabril pertencente ao concelho de Montalegre, região de Trás-os-Montes, sendo ainda uma jóia resguardada do Parque Nacional Peneda-Gerês. Situada no interior profundo é descrita como selvagem pelos seus ilustres moradores, possuindo riquezas culturais, naturais e arquitectónicas que fascinam quem as contempla.

Para sentir Cabril falamos com um autarca, empresário e historiador locais, que demonstraram o seu empenho pelo seu desenvolvimento, defesa e promoção. Nós amantes das serranias e graníticos penedos, ficamos enamorados pela Surreira do Meio Dia e beleza desta região. Neste artigo esperamos que as pessoas despertem para a conhecer e a respeitem quando a visitarem.