Foz do Rio Cáster e a harmonia por restaurar Foz do rio Cáster
sábado, 03 março 2018 17:57

Foz do Rio Cáster e a harmonia por restaurar Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

As três pontes de madeira suspiram. As aves prometem. A torre de vigia aguarda. A área circundante da foz do rio Cáster separa o dinamismo urbano do paraíso faunístico e florístico. As debilidades multiplicam-se, apenas mitigadas pela dedicação de Manuel Faneco. A intervenção ficou incompleta.

Manuel Faneco no Rio CasterSanta Maria da Feira é o berço do rio Cáster. Corre para sul, atravessa Ovar, e desagua diretamente na ria de Aveiro. O movimento é silencioso, quase ligeiro. Transporta a riqueza da ria, o esquecimento das cidades e o património da história.

Do Cais da Ribeira, no concelho de Ovar, à foz do rio Cáster são cerca de dois quilómetros e meio em terra batida, salpicados por mantos verdes, terrenos agrícolas, construções devolutas e sinfonias orquestradas pela Natureza. Entre voos de garças-reais, andorinhas e cegonhas, é possível percorrer o caminho a pé ou de bicicleta.

O rio divide a terra e cria uma paisagem única. As potencialidades continuam por aproveitar. A manutenção é exclusiva de Manuel Faneco. As melhorias ainda não se concretizaram.

Leia também: Povo que lavas no rio

Um passeio ao longo do Canal de Ovar permite observar diversas espécies, desde a Garça-vermelha, Garça-branca-pequena, Garça-real, Águia-pesqueira, Tartaranhão-azulado, Pica-pau-malhado, Guarda-rios, Pernilongo, Colhereiro, Felosa-unicolor, Guarda-rios, Lampreia, Enguia, Lagarto-de-Água, Lontra, Texugo, Raposa, Salicórnia, Pilriteiro, Caniço, Junco e Salgueiro, entre outros.

O destino é a Ria de Aveiro. O recuo do mar concretizou-se na sua formação no século XVI. Surgiram cordões litorais e que originaram uma laguna. É um dos mais relevantes acidentes geográficos da costa portuguesa. Um património que ainda não tem o reconhecimento devido.

Os caixotes do lixo, a torre de vigia, as pontes de madeira, os ninhos para as cegonhas, a limpeza e a vigia são tarefas concentradas em Manuel Faneco. Apaixonado pela natureza, defende este lugar com toda a tenacidade. No entanto, não é oficialmente trabalhador da Câmara ou de outro organismo responsável pela preservação ambiental do local. É o seu amor à cidade que o faz estar presente.

Leia também: Manuel Faneco: “A minha relação com Ovar é inexplicável. Adoro isto”

A Ria estende-se ao longo de 45 quilómetros e a sua largura, de aproximadamente 11 quilómetros, no sentido este-oeste, tem uma foz que envolve 11 mil hectares. Tal como a Ria de Aveiro, o Canal de Ovar e esta área em particular podia desempenhar um papel essencial na relação entre a população e o território. Porém, falta trabalho.

A harmonia entre pessoas e ambiente ainda não está salvaguardada. A biodiversidade permanece, mas precisa de ser preservada com efeitos nefastos caso o seu património continue negligenciado. As eco-intervenções não chegam para proteger a fauna e a flora do local.

 

 

Lida 586 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Viagem à Pré-História e fragâncias da Serra da Freita

Ondas da Serra regressou Arouca para conhecer melhor a Serra da Freita, pelos caminhos do trilho “Viagem à Pré-História”.Esta é uma das épocas do ano mais aconselhadas para fazer este percurso, porque a mãe natureza acordou para florir as encostas despidas destes montes com urze, carqueja e giestas, pintando-as de tonalidades amarelas e lilases, que enchem o ar com doces odores perfumados.

Couto de Esteves | Trilho da Agualva

O Ondas da Serra foi visitar Couto de Esteves em Sever do Vouga para conhecer o trilho da Agualva. As nossas espectativas não saíram goradas e fomos encontrar um percurso diversificado com muitos pontos de interesse, onde predomina a natureza, levadas, albufeiras e bonitas aldeias ainda habitadas por algum povo.

Almisouto | Uma associação em comunhão com a natureza

No fundo de um florido vale, por onde serpentei o rio Lage, num lugar que poucos conhecem por Penouco, em Cabomonte, na Rua da Ponte, nasceu a 21 de janeiro de 2009, a ALMISOUTO - Associação de Lazer S. Miguel do Souto, nos “Antigos Moinhos do Fidalgo”, num terreno e casa rústica que o tempo já tinha tomado posse.