domingo, 18 setembro 2016 02:40

Fabrico do pão-de-ló de Ovar Destaque

Classifique este item
(0 votos)

O Pão-de-ló de Ovar é um doce regional tradicional deste concelho, caraterizado por ser confecionado com a gema do ovo e o seu aspeto molhado e aparentemente “mal cozido”, que acabam por lhe conferir o seu carácter único representativo da identidade vareira. Este doce leva farinha, açúcar, ovos, é batido, leva ou não sal, sendo cozido em fornos e vasilhas de barro próprias a uma temperatura oscilante entre 180 e 220 graus, sendo retirados quase crus e acabando por cozer na forma.

Na reportagem fotografia abaixo inserida estão representadas as várias etapas para a conceção deste doce, a separação das gemas, mistura da massa, colocação do papel nas formas de barro, colocação da massa neste recipientes que podem ter diferentes tamanhos, cozedura no forno, medição da temperatura para verificar a altura ideal para as formas serem retiradas do formo, retirada do forno, repouso do doce, embalamento e apresentação.

Lida 874 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Casa Alentejana | Aroma e Sabor a Tradição

Por esta vez o ‘Ondas’ deixou a serra e foi ao Litoral. Estivemos em Ovar para conhecermos um local muito particular.

No centro da cidade de Ovar, na praça Largo Família Soares Pinto onde também 'mora' o icónico chafariz Neptuno datado de 1877 é onde se encontra a Casa Alentejana, um estabelecimento onde podemos comprovar a cultura gastronómica da região Alentejana em plena terra de 'Vareiros'!

Salicórnia sabor a sal do mar

Vamos relembrar novamente um dos nossos lemas “Olhar e Ver, Escutar e Ouvir”. Andávamos nós na foz do Rio Cáster perto da Ribeira de Ovar, como habitualmente para observar aves, quando vimos duas pessoas a colher algo nas margens da Ria de Aveiro, no canal de Ovar, o que seria? Como temos uma curiosidade natural e estamos sempre dispostas apreender, com educação perguntamos o que estavam a fazer. Estavam a colher salicórnia, que são também conhecidos como “sal verde” ou “espargos do mar”.

6 Fragmentos vezes 60

Tratam-se de excertos de realidades, cada um construído sem a menor preocupação com o outro. Não querem saber se encaixam nas expectativas que os restantes fragmentos possam ter. Numa clara postura narcisística, adotam o seu discurso, as suas crenças e as suas opiniões. São seis fragmentos vezes 60 com a subtileza de mudanças que ocorrem em segundos e que tantas vezes não são vistas.

1 comentário

Faça Login para postar comentários
Pub