Pág. 1 de 2

Localizado no meio do coração da cidade vareira, perto da Câmara Municipal, o Museu de Ovar, com meio século de existência, apesar da sua enorme riqueza, vai passando despercebido, assim como a estreita rua onde nasceu. O seu rico espólio é constituído por azulejos, pinturas, esculturas, trajes tradicionais, bonecas e apicultura. O Ondas da Serra esteve à conversa com o seu diretor e duas funcionárias. Falaram-nos de um espaço que merece ser redescoberto pelos vareiros e explorado por forasteiros.

Espalhados pela cidade e arredores de Ovar, encontramos fontanários cuja função era dar de beber aos vareiros do concelho. A construção dos parques juntos às frentes ribeirinhas, têm melhorado a recuperação de alguns, mas ainda não é suficiente para evitar que parte do património desapareça. Medimos a saúde destas fontes durante um passeio de bicicleta ao longo de oito quilómetros com muitas derivações. Deixamos uma sugestão para planear uma visita a este património indelével da população de Ovar.

Ovar pode orgulhar-se de ter duas das mais bonitas igrejas do mundo, a de Válega já mereceu a nossa atenção e neste artigo vamos falar um pouco da Igreja de Cortegaça.

A equipa do Ondas da Serra visitou a bonita Igreja Nossa Senhora do Amparo, em Válega, situada a poucos quilómetros de Ovar. Oficialmente é conhecida como Igreja Matriz de Santa Maria, esta obra imponente define-se pelas suas fachadas e interior em azulejos onde estão retratadas passagens religiosas. A Senhora do Amparo é a padroeira desta vila, no concelho de Ovar, e enche-se de vida todos os anos no dia 15 de agosto. Muitos emigrantes regressam a casa e participam na romaria.

A Câmara Municipal de Ovar já aprovou, em sede de reunião de câmara, o projeto de Regulamento de Apoio à Recuperação de Fachadas do Centro Histórico de Ovar, que seguirá para discussão pública, por um período de 30 dias. Trata-se de mais “um incentivo para os proprietários recuperarem as fachadas dos seus imóveis degradados, no âmbito do objetivo de (re)centrar Ovar tendo em vista o desenvolvimento integrado e sustentável”, refere o presidente da autarquia, Salvador Malheiro, adiantando que este apoio municipal vem complementar a Operação de Reabilitação Urbana Sistemática do Centro Histórico de Ovar (ORU).

“Esta exposição tem como tema específico as Cinzas, que é a mesma coisa do que os Terceiros franciscanos, a procissão que acontece no 2.º domingo da Quaresma na nossa cidade, a única no país a realizar-se todos os anos. Estamos no Advento, não é por acaso que isto se faz nesta altura. Advento e Quaresma são dois tempos litúrgicos, onde somos convidados a refletir sobre a nossa vida”, disse Luís Ferreira, o jovem Ministro da Ordem Franciscana Secular de Ovar, na tarde do dia 3 de dezem­bro, durante a inauguração da exposição de fotografia, a preto e branco, de Fernando Manuel Oliveira Pinto.

Pág. 1 de 2
Pub