Guimarães | Citânia de Briteiros Citânia de Briteiros - Monte de São Romão - São Salvador de Briteiros - Guimarães Ondas da Serra

Guimarães | Citânia de Briteiros Destaque

Classifique este item
(2 votos)

A citânia de Briteiros é um dos maiores castros da península ibérica, ficando situado no alto do monte de São Romão, na freguesia de Salvador de Briteiros, concelho de Guimarães.

Citânia de Briteiros - Salvador de Briteiros - Guimarães

Rota da Citânia

Este local arqueológico e o museu da cultura castreja ficam integrado no PR2 – Rota da Citânia, que fizemos parcialmente. Este castro pode ser considerado do tipo luso-romano segundo Sérgio, A. (1978). BREVE INTERPRETACÃO DA HISTORIA DE PORTUGAL. LISBOA: LIVRARIA SA DA COSTA.

Museu da Arte Castreja -lar da famosa Pedra Formosa

Aconselhamos os nossos leitores que pretendam ir conhecer este sitio arqueológico a visitarem primeiro o museu da arte castreja, onde ficam a conhecer a vida de Francisco Morais Sarmento, que viveu no século XIX. Este homem foi um pioneiro da arqueológica em Portugal e do estudo levado a cabo neste monte. O museu reúne muito desse espólio e a conhecida “Pedra Formosa” de um dos balneários (sauna) destruídos pela passagem da estrada que liga Briteiros a Braga (via bom Jesus).

Francisco Martins Sarmento, o Arqueólogo que salvou a citânea

A citânia tem cerca de vinte e quatro hectares, Martins Sarmento comprou muitos destes terrenos e sete foram por ele logo recuperados. Estes trabalhos puseram a descoberto vestígios das duas fazes principais da ocupação, da idade do ferro que compreende o inicio do povoado que se iniciou oitocentos anos antes de Cristo e a época romana.

A maioria das ruínas são de formato circular, com grande concentração na zona da acrópole, mas também existem outras retangulares por influência dos romanos.

O traçado das vias compreende uma via principal e ruas secundárias, denotando já um certo proto urbanismo. Ao passearmos por estas ruas não podemos deixar de sentir um curioso sentimento que nos transportou para outras eras e nas profundezas dos nossos genes algumas luzes se acenderam.

A citânia tem quatro linho de muralha, só não sendo bem visível uma delas, que está muito destruída e tapada pela vegetação. Perto do cruzamento das vias uma das portas de entrada mantêm ainda o seu carácter imponente e no exterior têm-se uma vista privilegiada sobre o vale do rio Ave.

Leia também: Guimarães | Em São Torcato pisamos Campo da Ataca

Na acrópole existem duas replicas destas casas mandadas construir por Martins Sarmento de forma as pessoas terem uma melhor perceção das ruínas, contudo o mesmo não ficou agradado com a sua excessiva altura.

Outro dos locais que se destaca é a Casa do Concelho, onde os patriarcas destas famílias, sacerdotes e outras pessoas importantes daqueles tempos se reuniam para debater as suas questões judiciais, de defesa, ataque, distribuição de baldios, tarefas e cerimónias oficiais.

 

Video Citânia de Briteiros - Casa do Conselho

Em tempos idos a água da nascente era aproveitada e conduzida por caleiras até à zona do balneário pré-romano bem conservado e onde poderá ser apreciada uma das pedras formosas.  

As gravuras rupestres da citânia

Espalhados por este espaço poderão ser encontradas gravuras rupestres, principalmente constituídas por espirais. O Ondas da Serra agradece a Daniela Cardoso, funcionária da autarquia, pela forma como nos ajudou durante os trabalhos na citânia. A mesma tem vasto trabalho académico publicado sobre esta temática onde destacamos os contributos para o conhecimento mais aprofundado sobre a arte rupestre no vale do Ave, Trás-os-Montes e Alto Douro. (2015). A arte atlântica do Monte de S. Romão (Guimarães) no contexto da arte rupestre pós-paleolítica da Bacia do Ave – Noroeste Português (Doutoramento).

É fácil no meio destas ruínas imaginar a vida nessas comunidades e compreender quem somos e como aqui chegamos. Este local foi habitado por cerca de três mil pessoas, mas com a chegada dos romanos e muitas lutas travadas a “Pax Romana” foi imposta e estes povos abandonaram os castros para irem viver para as “Villas” Romanas, onde tinham melhor conforto, segurança e “civilização”.

A área está dividida alfabeticamente bastando ao visitante seguir o mapa e ler a respetiva informação, contudo este sistema é algo deficitário e poderia ser melhorado.

Quem estiver interessado em visitar este local, pode começar por fazer uma visita virtual através duma aplicação online desenvolvida pela Universidade do Minho. Visita virtual

 

Vídeo Citânia de Briteiros - As réplicas das casas de Martins Sarmento

Vídeo Citânia de Briteiros - O balneário

Galeria de fotos

 

Lida 860 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro – Ria de Aveiro - Murtosa

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.

Vida de inseto | Rota dos três rios

Muitas vezes na vida andamos e não caminhamos, vemos e não observamos e ouvimos sem escutar. Gostamos das caminhadas na natureza porque elas nos oferecem a possibilidade se estivermos atentos de observar as pequenas vidas dos insetos, conhecer novas plantas ou ver pegadas de animais.

Museu Escolar Oliveira Lopes - A preservação do respeito pelo ensino

A história dos irmãos Oliveira Lopes de Válega que construíram uma escola

Esta é a história de dois irmãos do Cadaval – Válega que no começo do século XX, resolveram combater a expensas próprias o analfabetismo e mandaram erigir uma escola na sua terra que marcou tantos homens e mulheres e que comprova a importância do saber para elevar o ser humano. Naquele tempo não havia ensino obrigatório e universal, existiam poucas escolas, mestres e os alunos andavam desnutridos, mal vestidos e calçados.

Na sessão camarária de 29 de Janeiro de 1908 foi presente um ofício do subinspector escolar José de Castro Sequeira Vidal comunicando que José de Oliveira Lopes e seu irmão Manuel José de Oliveira Lopes, do lugar do Cadaval, da freguesia de Válega, ofereciam-se para custear todas as despesas com a construção dum edifício para as escolas oficiais e habitação dos respetivos professores dessa freguesia, pelo que pedia a cedência gratuita do terreno necessário para aquele construção que, concluída, seria oferecida ao Estado pelos citados beneméritos.” Lamy, A. (1977). Monografia de Ovar - volume 2 (1st ed., p. 376). Ovar [Portugal].