Pastor Transmontano guarda ovelhas da raça Churra Pastor Transmontano António Júlio Pereira com o seu rebanho da raça Churra Ondas da Serra

Pastor Transmontano guarda ovelhas da raça Churra

Classifique este item
(7 votos)

Conhecemos o alegre pastor transmontano António Pereira de Maçores em Torre de Moncorvo quando andava com as suas ovelhas a pastar desde o começo do dia até a noite findar. O seu rebanho da raça autóctone Churra é um dos últimos da sua aldeia e tem mais de setenta e cinco animais. Pela manhã tira ovelhas da corriça e com ajuda dos cães leva-as para as encostas do Monte Ladeiro, cobertas de oliveiras, amendoeiras e erva rasteira. Os seus animais descendem dos primeiros rebanhos que começou a criar há mais de trinta anos, que conhece pelos sinais e diz conseguir identificar a todos no meio de rebanho alheio. Para este homem as forças já foram como grossos mares, mas como o granito das serras aguenta com estoicismo a severidade de Trás-os-Montes.

A vida de um pastor de ovelhas de Trás-os-Montes

Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

Ao longo da nossa história temos calcorreado terras altas montanhosas onde nos vamos cruzando com pastores de cabras, ovelhas e vacas da raça arouquesa e barrosã. Sentimo-nos atraídos pela paz que estes lugares emanam, a longitude do horizonte, a serenidade destes pastores e a vigilância dos seus cães do ataque repentino dos poucos lobos que existem ou, por vezes de homens. Neste artigo vamos conhecer um pouco da vida de um pastor e a história da sua profissão.  

Pastor de ovelhas transmontano de Maçores - Torre de Moncorvo

Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

Fomos passar um fim-de-semana à região transmontana de Torre de Moncorvo para ver as amendoeiras em flor. No domingo pela manhã seguíamos em direção a Barca D'Alva, quando resolvemos parar para conhecer a aldeia de Maçores - Torre de Moncorvo. Andávamos a caminhar pelas suas ruelas quando a Rua da Estrada Principal foi tomada de assalto por um rebanho de ovelhas, conduzido pelo seu pastor e guardado pelos seus cães. Obedecendo a uma força irresistível, fomos atrás dele para a vertente do Monte Ladeiro, onde estivemos à conversa e conhecemos este homem. Nós também nascemos  e crescemos numa aldeia e num tempo em que se vivia ainda como antigamente e dormíamos em colchões de palha que pontualmente tinham que ser retirada para compor novamente a cama ou mudar a mesma.    

Rebanho composto por 75 ovelhas da raça autóctone Churra

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

Este pastor de ovelhas transmontano disse chamar-se António Júlio Pereira. Nasceu aqui em Maçores, tem 59 anos de idade, é casado e tem um casal de filhos maiores que moram nas redondezas. Disse-nos que sempre trabalhou nesta vida e consigo trazia um forte cajado de madeira, a sua merenda e água. O seu rebanho é composto por 75 ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana, que se espalharam pela encosta do Monte Ladeiro, onde se destacavam os magníficos carneiros, com retorcidos cornos, as ovelhas negras e as crias das ovelhas sempre junto das mães protetoras. Este pastor disse-nos que esta raça tradicional em virtude de produzir menos leite anda a ser substituída por outras mais produtivas.

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

Neste domingo este homem levantou-se às 08h00, deu de comer aos animais e ordenhou as ovelhas, depois retirou os animais da corriça e com ajuda dos seus três cães e uma cadela foi para os montes para elas pastarem. O leite produzido é vendido à Cooperativa Quinta Branca, que disse fazer o melhor queijo da região.

Quando era novo subia e descia as serras com garra, mas os anos passaram e as forças e saúde foram fraquejando, até a mulher o obrigar a ir ao médico e descobrir um grave problema que podia ter sido fatal e esteve relacionado com a pouca água que bebia quando no verão o calor aperta, já que por aqui o ditado diz, "9 meses de inverno e 3 de inferno".

As ovelhas negras do rebanho

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

Afinal o ditado popular "A ovelha negra da família" tem inspiração no comportamento das ovelhas negras dos rebanhos, porque estas duas não gostavam de se juntar às outras e permaneciam mais afastadas e com ar reservado. Será que têm alguma incompatibilidade, receberam algo a que não tinham direito ou comeram às escondidas a ração das outras? A sorte delas é o povo ser sereno porque se não, já tinham levado com o cajado, mas o português não é burro a história ensinou-o a ser paciente, mas lá vem o dia que leva tudo à frente.

Aldeia de Maçores apenas com dois pastores de ovelhas

Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

As suas ovelhas atuais descendem dos primeiros rebanhos que o pastor criou há mais de 30 anos. Na sua aldeia atualmente há apenas o seu rebanho e outro com cerca de 40 ovelhas e algumas cabras. “Hoje não há quem queira guardar isto, porque a gente nova ninguém quer andar com isto e os velhos vão acabando, por isso é que os gados têm tendência acabar. Quando eu tinha os meus vinte anos havia aqui muitas cabradas e uns nove ou dez rebanhos de ovelhadas, mas tudo rebanhos grandes, com 140/150 animais e por aí fora.Pastor António Pereira

Qual a função de um pastor de ovelhas

Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

A função do pastor de ovelhas é guardar e proteger os animais, alimentá-los, tosquiá-los, levar os rebanhos para as pastagens e antigamente fazer a transumância. Neste função é ajudado pelos seus cães que também lhe fazem companhia e as protegem dos ataques dos lobos que ao contrário do que se pensa e segundo as nossas pesquisas ainda subsistem em Trás-os-Montes. Há uma simbiose perfeita entre três atores que se conhecem bem: o pastor que todos respeitam e obedecem pelas ordens verbais, gestuais, sinais como assobios ou força do cajado; os cães que mantém o rebanho em ordem e disciplina; e as ovelhas, que a todos obedecem sem protestar ou refilar. O pastor, à nossa frente, exemplificou dando um assobio e, em uníssono, as ovelhas olharam à espera, ansiosas da sua decisão. Estes atores representam a sua peça, seguindo os sinais e a energia que veio dos seus ancestrais e está gravada nos seus genes.   

Os cães rafeiros que acompanhavam o pastor

Cães de guarda a rebanho de ovelhas- Maçores - Torre de Moncorvo

Os três cães e uma cadela deste pastor, que disse ser a mais irascível, são rafeiros, embora nesta zona a raça autóctone seja o "cão de gado transmontano". Apesar destes cães não serem finórios verificamos que fazem bem o seu trabalho, com orgulho e tal dedicação que até pareciam humanas gentes. Muitos milénios de aprendizagem ensinaram aos canídeos como se posicionarem quando o rebanho está em movimento, ficando de atalaia e não permitindo emboscadas dos inimigos. Assim, as ovelhas não se dispersam e seguem corretamente o rebanho. Quando o grupo está parado, vão deambulando pelas suas extremidades ou simplesmente dormitando à sombra de uma oliveira, sempre com as orelhas à escuta e, por vezes, levantando o focinho para ver o que se passa.

O cão de gado transmontano

Cão de gado transmontano no PR14 - Rota das Amendoeiras - Torre de Moncorvo

Nós tivemos o privilégio de fazer a maior parte do PR14 - Rota das Amendoeiras que começa na aldeia da Açoreira em Torre de Moncorvo, com a companhia de um dócil cão de gado transmontano que nos resolveu acompanhar depois de lhe fazermos festas junto à igreja local.

"O Cão de Gado Transmontano é o melhor amigo do pastor, pois além de guardar os rebanhos, possibilitando-lhe um maior rendimento, também lhe faz companhia ao longo dos árduos percursos de pastoreio. É um animal de grande porte, que tem como principal função, desde tempos imemoriais, a proteção dos rebanhos, na região de Trás-os-Montes.

Esta raça tem um comportamento dócil e reservado, apesar da grande corpulência. É um animal cauteloso sem ser agressivo, sempre muito calmo e de olhar sereno. Vive e convive com outros machos sem qualquer conflito, embora imponha uma hierarquia de dominância quando se encontra em grupos com fêmeas em idade de reprodução.

Num rebanho é muito raro haver só um cão. Os pastores preferem os machos, encontrando-se em número superior ao de fêmeas no acompanhamento do rebanho. Quando em contacto com pessoas estranhas e ultrapassada a reserva inicial, deixa-se manusear sem problemas, sendo muito sensível a bons tratos e atenções." (UTAD, 2005)

Cão de gado transmontano origem e história

"Os cães de gado, isto é, os animais que estiveram na origem das raças atuais, devem ter surgido na Península Ibérica ao mesmo tempo que a ovelha e a cabra doméstica. Estas últimas aparecem com registros arqueológicos datados do neolítico. O facto dos cães de guarda poderem ter surgido simultaneamente com os ovinos e caprinos domésticos, pode ser explicado pela necessidade dos rebanhos serem acompanhados por um cão de guarda, fruto da elevada vulnerabilidade que teriam aos ataques do lobo.

O Cão de Gado Transmontano representa um pouco da história viva de Trás-os-Montes e consequentemente de Portugal, fazendo parte do nosso património. Muitos consideram que esta raça é uma variedade de um possível Mastim Português. Contudo, o Clube Português de Canicultura considera que as condições climatéricas, ortográficas e tipo de pastoreio que se observam na região de Trás-os-Montes, acabaram por diferenciar estes cães de forma evidente.

As características pelas quais eram selecionados baseavam-se na cor, de preferência brancos, para que os pastores os conseguissem distinguir dos lobos quando viessem em seu auxílio. Quanto ao temperamento, os selecionados eram os mais corajosos, e deveriam ser grandes e fortes. Este cão pertence às poucas raças que ainda hoje desempenham o papel que lhes foi destinado inicialmente, sendo a sua origem muito semelhante à de duas outras raças de cães de defesa de rebanhos do nosso país, o Cão da Serra da Estrela e o Rafeiro do Alentejo. Contudo, o Cão de Gado Transmontano é o único que hoje em dia exerce a função de defesa contra o lobo, pois, ao contrário do que se pensa, o lobo ainda ocorre livremente na região transmontana. Sendo assim, esta raça desempenha uma função muito importante na economia transmontana, baseada na agro- -pastorícia, numa zona do país de baixa densidade populacional." (UTAD, 2005)

Descubra o cão nesta imagem

Cão de guarda a rebanho de ovelhas- Maçores - Torre de Moncorvo

Quando deixamos este pastor o seu rebanho foi para outras pastagens e neste caminho tiramos a fotografia de cima e convidamos os nossos leitores a descobrir onde está o cão e pensarem porque razão se colocou num local tão estratégico e camuflado. 

Conhecer as ovelhas pelos sinais - A ovelha "Malha Preta"

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

Enquanto falávamos com este pastor, a ovelha "Malha Preta" ouvia atentamente a conversa, voltando o pescoço consoante os interlocutores, palavra de honra como até parecia que queria participar no falatório. Já conhecemos e adoramos esta curiosidade das ovelhas, mas percebemos que, por aqui, os dias devem ser sempre iguais e nós éramos motivo de curiosidade. Algumas pareciam contudo ciumentas por termos roubado atenção "do seu homem". 

"Conheço todos os animais do meu rebanho pelos nomes e sinais, como esta que está aqui agora a “malha preta”, ou uma outra por ser um bocadinho mais brava. Vamos supor que a senhora agarrava aqui em dez ou doze das minhas ovelhas e punha-as no meio de duzentas ou trezentas ovelhas doutro rebanho eu ia lá buscá-las a todas.Pastor António Pereira 

O que é um pastor

Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

"A classificação medieval para o pastor era a de Conhecedor ou Conhecedor das ovelhas, presente na Lei da Almotaçaria em 1253 (Ribeiro, 1857) e na Figueira e Barros em 1269 (Saraiva, 1997). Viterbo define-o como “O que conhece bem o estado e a qualidade de um rebanho ou vacada” (Viterbo, 1798).

Encontram-se ainda outras especializações: Ovelheiro, encontrado na Figueira, 1269; Entre-Tejo-e-Guadiana, 1362 (Rau, 1982); em Alcobaça no século XV (Gonçalves, 1989) e no Porto em 1431 (AMP). No livro de décimas de Arraiolos em 1643 tem as grafias Ouilheiro / obilheiro e na lavoura de Lopes de Azevedo, Avis, 1915-19, está classificado como ovilheiro – moural e Para guardar as ovelhas. Nos livros de doentes do Hospital da Misericórdia de Avis entre 1860 e 71 existe a categoria do Guardador de ovelhas.

Este termo pastor implica maioritariamente o guarda das ovelhas. Também pode indicar o porqueiro ou o cabreiro, mas são casos muito raros. Silva Picão (Elvas, 1903) define-o como o Ganadeiro dos lanígeros. Orlando Ribeiro salienta a importância da pastorícia na região mediterrânica, na qual praticamente todo o território português se inclui, mas com especial incidência para o Alentejo e as Beiras: “A ovelha e a cabra desempenham, na economia destas terras pobres, papel da maior importância: fornecem o leite, o queijo, a carne e a pele, a lã e o pelo. Uma indústria caseira típica de toda a região (Mediterrâneo) é a tecelagem de panos grosseiros, de mantas, tapetes e tapeçarias”, (Ribeiro, 1968).

O pastor propriamente dito também vem da época medieval a chega ao século XX como o resumo de todas as classificações referidas." (Almeida, 2002)

Homens pastores e mulheres pastoras ou dueiras 

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

"Não há bicho pior para guardar do que a ovelha… Nem a cabra. (…) No meu tempo era só trabalho e porrada"

"No Alentejo esta profissão é exclusivamente masculina; no entanto, noutras regiões encontraram-se algumas Pastoras e Dueiras, mulheres que tomam conta dos rebanhos (Vasconcelos, 1933). Em Monsanto, por exemplo, o Romanceiro tradicional da região inclui esta personagem em vários poemas (Buescu, 1958). E no Ribatejo também se usava enviar rapariguinhas para o campo guardar ovelhas, segundo relata a Ti Elvira, avó do Constantino Guardador de Vacas e de Sonhos, um dos mais populares romances de Alves Redol (1961): “Quando em pequena me mandavam para o monte com mais de trinta ovelhas, aprendi a conhecer os animais. (…) Mandavam-me para aquele degredo sozinha, e eu tinha de me calar, a comer pão duro com o molho dos olhos, que é o molho mais amargo que se pode comer. (…) Não há bicho pior para guardar do que a ovelha… Nem a cabra. (…) No meu tempo era só trabalho e porrada(Almeida, 2002)

A transumância do gado

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

"Este autor descreve também a chamada “oscilação transumante”, um retrato de comportamentos ancestrais que ainda se verificavam nos anos 60 do século XX: “Durante o Verão, a erva seca nas terras baixas e há que procurar pastagens frescas na montanha; no Inverno arrefecem os cimos e cobrem-se de neve, e os rebanhos buscam abrigo e alimento nas planícies e nos vales. (…) Enquanto o pastoreio se confina à montanha, na maior parte dos casos acima dos limites da cultura permanente, aparta-se quase por completo da vida agrícola ou traz-lhe, com um pouco de estrume, ainda algum benefício. (…) os conflitos surgem, inúmeros e intermináveis, nos caminhos pastoris que passam perto das povoações e das culturas.” Estes movimentos transumantes de rebanhos verificavam-se entre a Serra da Estrela e Ourique, no Baixo Alentejo, no séc. XVII.

Nesta época, “a cultura dos campos ressent(ia)-se desta praga que, periodicamente, a montanha derrama nas terras baixas.” A situação dos pastores nas Beiras era bastante dura, devido a estas longas viagens durante o inverno inteiro, durante o qual saíam com rebanhos que incluíam reses de diferentes proprietários, e usavam as pastagens das terras mais a sul, por vezes em troca do estrume que as ovelhas lá deixavam.(Almeida, 2002)

A raça ovina Churra Galega Bragançana

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

"A ovinocultura tem desde sempre desempenhado um papel importante na vida das populações rurais, fornecendo benefícios em termos de alimentação, vestuário e fertilização dos solos para a agricultura. A raça ovina Churra Galega Bragançana, devido às suas características de elevada rusticidade e a fatores de natureza histórica e económica, fixou-se na região da Terra Fria Transmontana. Destaca-se pela sua grande capacidade de adaptação às condições adversas do meio onde se insere e pela produção de carne e de lã." (UTAD, 2005)

Origem e história da raça ovina Churra Galega Bragançana

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

"As raças churras autóctones têm, tradicionalmente, relações filogénicas com o Ovis aries Studery. A Churra Galega Bragançana não é exceção. Os ovinos da raça Churra Galega Bragançana caracterizam-se por serem animais de grande estatura, nos quais a altura do tórax e dos membros lhes confere um aspeto característico, designando-se por pernalteiros. Em tempos, eram explorados para a produção de lã, carne e fertilização do solo. Alimentavam-se de ervas espontâneas dos incultos e pousios associados a fracos recursos alimentares vindos de espécies arbustivas (estevas, giestas, urzes, tojos, silvas) e, como suplemento, dependendo das épocas do ano, recorria-se ao feno e grão de centeio ou cevada. 

Mais tarde, devido à mecanização da agricultura e à opção por produções agrícolas diferentes das habituais, ocorreu uma diminuição das pastagens disponíveis. Consequentemente, verificou-se uma diminuição dos efetivos e os produtos passaram a ser, além dos já referidos, também o leite. Com a finalidade de aumentar a produção de leite e prolificidade efetuaram-se cruzamentos entre a Churra Galega Bragançana e a raça Frísia. Cruzando-a com Romney Marsh procurou-se aumentar a produção de carne.

Produção de leite: nesta raça a aptidão leiteira não é explorada. No solar da Galega Bragançana nunca foi tradição a ordenha de ovinos. No entanto, devido à procura e valorização do leite
na década de sessenta, os ovinos começaram a ser ordenhados nos concelhos de Macedo de Cavaleiros, Mogadouro e Vimioso.

Produção de lã: esta aptidão é de importância reduzida, sendo atualmente utilizada pelos artesãos no fabrico de algumas peças de vestuário. Caracterizam-se por velos com madeixas churras, compostas por filamentos curtos e compridos."(UTAD, 2005)

Os carneiros de cornos retorcidos

Rebanho de ovelhas da raça autóctone Churra Galega Bragançana - Mançores - Torre de Moncorvo

No meio do rebanho destacavam-se dois carneiros com grandes cornos retorcidos que deram uma trabalheira para se deixarem fotografar e sem nos deixarem alcançar o ângulo e a melhor foto pretendida. 

Créditos e Fontes pesquisadas

Texto: Ondas da Serra com exceção do que está em itálico e devidamente referenciado.
Fotos: Ondas da Serra.

Referências bibliográficas

UTAD (2005) de Gado Transmontano, O. C. A raça ovina Churra Galega Bragançana.

Almeida, M. A. P. D. (2002). Pastor. História do Trabalho e das Ocupações. Vol. III. A agricultura: dicionário das ocupações, 230-237.

Agradecimentos

Agradecemos ao pastor transmontano António Júlio Pereira pelo tempo que nos despendeu e às gentes de Maçores que tão bem nos receberam e onde havemos de regressar.

Jornalista Rosa Leal do Ondas da Serra e o Pastor de ovelhas transmontano António Júlio Pereira - Mançores - Torre de Moncorvo

Lida 1744 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Rota das Pipas e Matança do Porco tradicional em Açoreira

Na Açoreira, terra transmontana do município de Torre de Moncorvo, realiza-se anualmente um evento denominado Rota das Pipas, organizado pela Associação Recreativa e Cultural da Açoreira. Neste percurso pelas ruas da terra os boémios convidados, novos, velhos, homens e mulheres, munidos duma pequena caneca, vão bebericando o néctar dos produtores vinícolas durienses desta aldeia. O cortejo muito cerimonioso leva também a carrinha da Maria com petiscos e doçaria. O ambiente é animado por grupos musicais com cantorias, bombos, concertinas e gaitas de foles, que junta todo o povo a cantar e dançar. O dia começa bem cedo, com o estoirar de foguetório, matança tradicional do porco e farto pequeno-almoço. Ao meio dia é servido um rico repasto, com finas carnes e odoríferos vinhos. O menu é composto por pratos típicos da matança, com soventre, migas de sarrabulho e feijoada. Esta festa de arromba, acontece no último sábado de fevereiro e coincide com as amendoeiras em flor, que enchem o ambiente de fragrâncias especiais. Todos participam na festa, com trabalho, vontade de comer ou beber. Alguns por terem muita sede dão por vezes grandes rombos no chão para grande contentamento de Dionísio por ter por companheiros ébrios profissionais.

Pedale na Ecopista do Sabor e viaje de comboio no Douro

Percorrer de bicicleta a Ecopista do Sabor foi uma aventura épica que vamos narrar, realçando a riqueza sublime dos vales do Douro e Sabor. Começamos a viagem de comboio, para chegar ao destino, pela Linha do Douro, abarcando as paisagens através da janela, navegando junto às arribas do rio Douro, até chegar ao Pocinho. Aqui começa a Ecopista do Sabor, construída aproveitando o traçado da antiga linha férrea, que nos finais do século XX, foi como outras vilmente encerrada sem atender às populações do interior. Alguns destes decisores que deveriam ter sido julgados podem agora apresentar livros e discorrer com enlevo sobre a arte de bem governar. Neste percurso pedalamos junto às antigas estações onde o património foi esquecido, destruído e abandonado. Apesar do desatino a sua reconversão em pista ciclável veio dinamizar e recuperar parte da sua glória, embora por vezes o coração se ressinta da grave ofensa, mas temos que perdoar. Neste artigo vamos escrever sobre a sua localização, características técnicas, história e pontos de interesse.

Maçores - Torre de Moncorvo: Terra do São Martinho

A aldeia transmontana de Maçores pertence ao município de Torre de Moncorvo e cresceu no sopé do Monte Ladeiro, cujo corpo é povoado por oliveiras e amendoeiras e ervas rasteiras de urzes, estevas, giestas, espinheiros e carquejas. Foi no meio desta idílica paisagem que um pastor de ovelhas da raça autóctone Churra contou-nos a sua Odisseia. Neste artigo vamos conhecer a história desta terra, património natural e arquitetónico, gastronomia, festas, tradições e economia. Vamos destacar alguns dos seus monumentos naturais e criados pelas artes modernas e rupestres, festa do São Martinho e percursos pedestres. Conhecemos a Comissão de Festas do São Martinho que nos recebeu na sua mesa com saborosas carnes e odoríferos vinhos. Aqui ainda se perpetuam antigos rituais pagãos de adoração aos elementos da terra, pão e do vinho que celebramos fazendo libações aos deuses para agradecer a nossa chegada a Ítaca.