Ondas da Serra

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

URL do Sítio: http://ondasdaserra.pt
Pág. 1 de 64

A aldeia do Xertelo, foi enriquecida com um miradouro, a 740 metros de altitude, junto ao Fojo do Lobo, em pleno Parque Nacional da Peneda-Gerês. Neste local de pasmar o visitante poderá deslumbrar-se com as paisagens arrebatadoras do vale do Rio Cabril e serranias envolventes, onde se destaca do lado direito a Surreira do Meio-Dia, que para nós é a montanha mais formosa e imponente de Portugal. Daqui podem também ser alcançados os aglomerados de 12 das 15 aldeias da freguesia de Cabril, município de Montalegre, e ao fundo a albufeira de Salamonde em Vieira do Minho. Do cimo da sua estrutura metálica, sobre um penedo o olhar pode pousar no sol ardente, azul celeste, montanhosos picos, fragas agrestes, serpenteante rio, aldeias xistosas e lago abarcante.

As Lagoas de Travanca ficam situadas no interior do Parque Nacional Peneda-Gerês, no lugar de Travanca, freguesia de Cabana Maior, concelho de Arcos de Valdevez. As suas águas verde esmeralda, são oferecidas pela Ribeira de Travanca, que nasce na Serra do Soajo e desaguam no Rio Ázere. Esta sucessão de lagoas e quedas de água de boas formas, feitios e profundidades, são emolduradas por paisagens graníticas serranas e florestas encantadas, de um verde luxuriante. Os prados e vales são partilhados por gado da raça cachena e cavalos garranos, onde se ouve ainda o tinido dos chocalhos, canto das cigarras no verão e marulhar das águas gélidas das nascentes. Esta área é ainda pouco conhecida e visitada, com poucas ofertas de alojamento e serviços, estando rodeada de muita riqueza natural e arquitetónica, que urge divulgar, mas com a consciência que deverá ser preservada e fiscalizada.

O percurso pedestres PR2 - Rota do Vale, fica situado no concelho de Cinfães, distrito de Viseu. Este trilho linear, com 18,8 km de extensão, desenvolve-se pelo Vale da Bestança, que se caracteriza pela sua luxuriante fauna e flora. O rio que lhe inspirou o nome nasce na Serra de Montemuro e corre livremente pela encosta até desaguar no Rio Douro. A Associação para a Defesa do Vale do Bestança trabalha para a conservação deste rico habitat tendo como principal missão impedir o aprisionamento do rio com a construção de mini-hídricas. O auge da sua beleza reside na planície central do Prado, que prende o olhar pela sua formosura, marulhar das águas, sinfonia dos pássaros e harmonia da criação. Veja com os seus olhos e diga-nos como alguém pode escrever fielmente sobre a sua beleza. O percurso é caracterizado também pelas aldeias rurais que atravessa, povo que ainda lavra terras, pontes medievais, grande eira comunitária de Bustelo, Capela e Muralha das Portas de Montemuro. Este é um desafio esgotante que o leva às portas do paraíso e a uma natureza que pensávamos perdida e que afinal ainda subsiste com o empenho das gentes locais.

A totalidade do percurso da Ecopista do Vouga, com cerca de 80 km de extensão, desde Sernada do Vouga, no distrito de Aveiro, até à cidade de Viseu, pode agora ser percorrida, após a sua abertura em 6 de Outubro de 2023. Ao longo dos anos foram sendo abertos vários troços, mas só agora a ligação entre todos foi finalizada. Esta via por onde no passado o comboio da Linha do Vale do Vouga, ou Vale das Voltas como era também conhecida, resfolegava, pode agora ser trilhada sem interrupções pelos amantes das bicicletas ou caminhadas. O seu trajeto caracteriza-se por engenhosas e ousadas obras de artes, túneis, pontes e viadutos que conseguiram vencer o indomável relevo, dos quais destacamos a Ponte de Negrelos e Vouzela. O seu caminho é protegido por densas florestas autóctones onde os ancestrais carvalhos alvarinho relembram o grandioso passado histórico e paisagem altaneira do Maciço da Gralheira. Neste artigo elaboramos um detalhado guia para o ajudar, com extensa documentação técnica, mapas, conselhos, regras, pontos de interesse, património natural, arquitetónico, fotos sugestivas e ficheiros de tracking GPS para download. 

A Ecovia do Arda, situada em Arouca, com início no coração da vila, é um percurso ribeirinho junto ao rio que lhe inspirou o nome. Os seus 11 quilómetros passeiam pelo interior profundo de seis freguesias, onde se desenrola a vida agrícola, num ambiente bucólico e profundamente rural, com a lida do campo, criação de animais ou o desenrolar diário da vida do seu povo. O visitante ao caminhar ou pedalar pelo seu percurso é surpreendido pela riqueza do seu património natural e arquitetónico, com a profusão de fauna, flora e antigos monumentos. Pelo caminho foram construídos parques de merendas, descanso, atividades radicais e recuperação de moinhos. O percurso foi bem desenhado com construção eficiente do corredor ecológico, passadiços e estruturas metálicas, algumas com 70 metros e passagens vertiginosas sob antigas pontes. O mesmo está bem sinalizado a nível da orientação, sinalização e informação. Em suma, se for conhecer este passeio irá ter uma surpresa agradável e passar um dia tranquilo e sair com forças revigoradas.

A Estrada do Portal do Inferno é uma estreita via sinuosa, com perto de 18 km, a cerca de 1000 metros de altitude que percorre uma crista altaneira da Serra da Arada, caracterizada pelas suas falésias abruptas e precipícios infinitos, que metem medo ao olhar e fazem temer os incautos. O seu percurso em pleno coração do Maciço da Gralheira, começa perto da Capela de São Macário em São Pedro do Sul e termina na aldeia de Ponte de Telhe em Arouca, nos distritos de Viseu e Aveiro. A sua beleza é enaltecida na primavera quando a serra se pinta de tons verdes, amarelos, laranjas e lilases da carqueja, urze e giestas e que perfumam o ambiente e inebriam os sentidos. No seu percurso passa pelo geossítio do Portal do Inferno da Garra, com uma visão panorâmica de arrepiar sobre o vale por onde corre o Rio Paivô e Aldeia de Portugal de Covas do Monte. Os pontos de interesse são variados, desde as aldeias típicas de montanha em xisto, mariolas dos pastores, gado bovino e caprino que pasta livremente, fauna e flora. A mesma é muito popular entre os ciclistas e motociclistas, embora alguns corajosos condutores de automóvel também se aventurem pelos seus domínios.

Pág. 1 de 64