Trilho das “Terra de Granito” Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Antes de se ter abatido o dilúvio durante o mês de março, a nossa equipa teve ainda tempo de ir fazer a Macieira de Alcôba – Águeda, o PR4 - Trilho das “Terra de Granito”.

Águeda - Trilho das “Terra de Granito”

Esta aldeia tem na sua entrada um bonito cartão de visita, que remete para a sua história de produção de milho. Estacionamos o carro junto à Igreja Paroquial de São Martinho e gostamos logo do que vimos. Esta aldeia é boa para quem gosta de ambientes rurais, calma, sossego e águias a cruzar os céus que a espaços soltam o seu pio. Sobranceira à aldeia, como guardiã, espreitava a torre da Capela de Nª Srª de Fátima.

Depois de observamos a aldeia subimos as escadarias da capela e tivemos uma agradável surpresa, a porta para a torre sineira estava aberta e não enjeitamos a oferta, com muito respeito subirmos a escadaria giratória em granito e podemos tirar magnificas fotos e vislumbrar dum local privilegiado a aldeia em redor. Um sino tinha a seguinte inscrição “1899 – BRAGA VIUVA DE NARCISO A. C”, no centro estava destacada a palavra “BRAGA”, que pensamos possa ter sido nome de uma família.

Leia também: Macieira de Alcôba - Parta à descoberta dos seus encantos e tradições

Metemo-nos ao caminho, seguindo as placas e conversando com os animais que iam aparecendo, cabras, ovelhas e outras criações pastorícias. Como é habitual conversamos com as gentes locais e brevemente serão publicados os seus testemunhos.

Trilho com grande patrimínio natural e paisagístico

Este percurso é muito rico e diversificado, onde podemos encontrar muitas rochas graníticas, casario em ruínas, miradouros, edifícios e tradições religiosas. O que nós mais gostamos foi ver os animais pelo caminho, a magnifica vista do miradouro do Monte da Junqueira, os rios, a floresta, as pedras em granito nas construções das casas ou espalhadas pela paisagem.

No final do percurso já não fomos a tempo de visitar o Centro Interpretativo do Milho antigo, no domingo seguinte iria ser feita uma apresentação da confeção tradicional da broa caseira. Nós não podemos ir, mas não faltaram oportunidades.

Leia também: Trilho da Ponte de Ferro

O trilho está bem assinalado, contudo junto à Capela do Carvalho, não existe sinalização, ou não não a vimos, para não se enganar deve descer em direção ao casario da aldeia ali próximo, onde encontra logo placas indicativas. O que não deve fazer se estiver de frente para a capela é seguir pelo caminho da esquerda, descendo por uma encosta. 

Como chegar: Nós como viemos do norte utilizamos a A29, sentido norte-sul, saímos para a A25 em direção a Viseu. Aqui abandonados esta via no corte para as Talhadas, tomando a direção de Águeda. A dada altura viramos em direção a A-dos-Ferreiros e Préstimo, depois é sempre em frente não tem como se enganar.

Leia também: Rostos de Macieira de Alcôba
Leia também: As vinhas Casa D’Almear

Download do desdobrável da CM Águeda.

 

Pontes de Interesse

Informações

  • Aldeia de Macieira de Alcôba;
  • Igreja Paroquial de São Martinho;
  • Centro Interpretativo do Milho antigo;
  • Piscina fluvial;
  • Hortas Velhas, antigas hortas com os seus corrais em ruínas;
  • Capela de Nª Srª da Guia, onde existe um parque de merendas e se realiza no terceiro domingo do mês de agosto a festa do “Milagre d'Urgueira”;
  • Miradouro do Monte da Junqueira, onde se pode vislumbrar na linha do horizonte Águeda e Aveiro;
  • Forno da Urgueira;
  • Aldeia do Carvalhal;
  • Capela do Carvalho;
  • Capela de Nª Srª de Fátima, sobranceira à aldeia;
Partida e chegada: Macieira de Alcôba (Largo da Igreja de S. Martinho) ou Urgueira
Âmbito: Ambiental, paisagístico, geológico, cultural e desportivo
Tipo de percurso: de pequena rota, circular, por caminhos urbanos, rurais e florestais pedestres
Distância: 8 km
Duração prevista: 3/4 horas
Grau de dificuldade: Médio/Elevado
Época aconselhada: todo o ano
Estado: Aberto
Fonte: CM Águeda

 Galeria de fotos

 

Lida 726 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.