De bicicleta por rios, aldeias e florestas de Castelo de Paiva e Alvarenga Miradouro sobre o "Rapido dos três saltinhos" - Rio Paiva

De bicicleta por rios, aldeias e florestas de Castelo de Paiva e Alvarenga Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

No dia 14 deixamos o carro perto do novo monumento ao vinho verde em Castelo de Paiva e começamos o percurso de bicicleta pela estrada nacional 225, em direção a Alvarenga. Há muito tempo que procurávamos e encontramos finalmente uma zona sem manchas florestais queimadas.  Este trajeto é muito calmo, tranquilo e dotado duma serena natureza. Por estas terras existe um equilíbrio entre a natureza e humanização da paisagem.  Não foi fácil esta demanda e releva o que se tem passado nos últimos anos em Portugal.

Rio PaivaDe bicicleta entre Castelo de Paiva e Alvarenga

Esta estrada tem pouco movimento, está sempre ladeada de arvoredo e pode-se avistar as serras em redor ou o desfiladeiro em baixo por onde serpenteia o Rio Paiva. O percurso tem cerca de 25 quilómetros para cada lado, quase sempre em asfalto bem conservado, mas tem um grau de dificuldade elevado. A cada pedalada ouvem-se os grilos e pássaros cantar e riachos a correr. O ar é adocicado pelos perfumes da Primavera e dá gosto saborear os seus aromas.

Como há pouco trânsito os condutores confiam e cortam curvas duma forma completamente louca, quem for fazer este trajeto tem que estar atento a esta situação.

Durante o nosso caminho perto das aldeias e nos campos em redor viam-se fumos e fogueiras e pessoas mais ou menos vigilantes a controlar, num caso porem isso não estava a acontecer e as labaredas consumiam as ervas e silvas junto a uma casa, isto quer dizer que os comportamentos negligentes e perigosos continuam.  

A visita à freguesia de Fornos

Nós temos o hábito de por vezes sair da estrada para explorar as aldeias em redor e por isso fomos visitar Fornos, que está bem plantada numa planície, onde as vinhas do verde da região, parecem ondas que vão rebentar junto a Igreja de São Pelágio.

Um percurso que acompanha o Rio Paiva

A estrada a dada altura começa a descer a encosta e acompanha durante muitos quilómetros o Rio Paiva, no fundo do vale passamos uma ponte junto a um ponto de captação de água.

Leia também: Rio Paiva

Almoçamos na Carvalha onde o cabrito e a posta arouquesa são reis e bem acompanhados pelo verde vinho da região.

O trajeto a dada altura passa também por Travanca – Cinfães – distrito de Viseu, onde nos prendeu atenção um casebre em granito, com um jardim todo florido, onde vivem Maria Alice Sousa e Adriano de Sousa, com 56 e 59 anos, que nos contaram um pouco da sua terra.

Continuando a viagem, em Vila Viçosa, no final duma íngreme subida, talvez para amenizar o esforço, encontramos numa curva um jardim que começava na berma e se precipitava para o interior duma casa. O que mais haviam eram giestas de várias cores e qualidades. Ali reside há muitos anos, Maria Alice Soares, que nos matou a sede e contou histórias para outro artigo.  

Leia também: As Giestas da Maria Alice

Perto deste ponto uma mulher, de nome Deolinda Conceição de 79 anos, lavava a roupa à mão num tanque publico e desconfiou com muita razão dos nossos nobres objetivos, infelizmente há para aí muita malandragem.

A dada altura do percurso em Janarte é necessário fazer uma importante escolha quando surgir um entroncamento com as indicações “Cinfães, Arouca, Nespereira e Canelas/Espiunca”. Se seguir em direção a Canelas/Espiunca, pode visitar a aldeia de Espiunca, falha geológica, praia fluvial e uma das entradas para os passadiços do Paiva. Se tomar esta opção deve contar depois com uma forte subida para Alvarenga e aproveitar para visitar o miradouro sobre o "Rápido dos três saltinhos", que tem uma vista soberba sobre o Rio Paiva e os passadiços. Este miradouro necessita como podem se pode ver pelas fotos de manutenção urgente já que há tábuas de proteção partidas.

Apesar do esforço nós aconselhamos esta opção e no regresso vir por Cinfães que irá sair ao entroncamento acima referido, trajeto um pouco mais curto. Se quiser uma estrada mais suave segue as placas em direção a Nespereira e sem passar por Canelas/Espiunca.

A chegada a Alvarenga

Chegamos por fim a Alvarenga, terra que brotou no meio duma planície cercada por serras, onde o azul e o verde amainam os espíritos. No local os restaurantes da posta à Arouquesa são muitos e as vacas que os alimentam pastam nos campos em redor.

Quisemos saber mais sobre o local e quatro pessoa que trauteavam num banco de madeira lá nos contaram um pouco sobre o local, Eduardo Sousa, Natinda Cunha, Fernando Cunha e Joaquim Costa, com 59, 77, 88 e 75 anos de idade. Numa horta desta vila encontramos um uso diferente para bonecas, que foram colocadas de forma engenhosa distribuídas pelas culturas para assustar a passarada. No regresso viemos por Nespereira onde abundam os rebanhos de ovelhas e passamos junto à capela de São Brás em Vila Chã - Cinfães.

Começamos esta aventura eram 10h00 da manha e terminamos já passava das 19h00, porque vamos parando para tirar fotos, falando com as pessoas e visitando certas aldeias que nos captam atenção. Estamos agradecidos à natureza por termos feito esta viagem e que continue assim por muitos anos para que outros também o possam desfrutar.

Galeria de fotos do passeio de bicicleta

Lida 1638 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

Foz do Alge | Uma ode à mãe natureza

A povoação de Foz do Alge pertence à freguesia de Arega - concelho de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, do nosso Portugal. Este reino foi ali conquistado junto das águas do Rio Zêzere com as da Ribeira de Alge, num cenário de grande beleza, quebrada à volta pelos grossos mares de eucaliptos, que estão sempre à espreita para o aniquilar.

Vieira do Minho terra de contrastes

Vieira do Minho no sopé da Serra da Cabreira, vizinha do Parque Nacional da Peneda-Gerês, perto da azafama da área metropolitana do Porto, é um bom refugio para passar uns dias tranquilos, junto da natureza e vida selvagem.