De bicicleta por rios, aldeias e florestas de Castelo de Paiva e Alvarenga Miradouro sobre o "Rapido dos três saltinhos" - Rio Paiva

De bicicleta por rios, aldeias e florestas de Castelo de Paiva e Alvarenga Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

No dia 14 deixamos o carro perto do novo monumento ao vinho verde em Castelo de Paiva e começamos o percurso de bicicleta pela estrada nacional 225, em direção a Alvarenga. Há muito tempo que procurávamos e encontramos finalmente uma zona sem manchas florestais queimadas.  Este trajeto é muito calmo, tranquilo e dotado duma serena natureza. Por estas terras existe um equilíbrio entre a natureza e humanização da paisagem.  Não foi fácil esta demanda e releva o que se tem passado nos últimos anos em Portugal.

Rio PaivaEsta estrada tem pouco movimento, está sempre ladeada de arvoredo e pode-se avistar as serras em redor ou o desfiladeiro em baixo por onde serpenteia o Rio Paiva. O percurso tem cerca de 25 quilómetros para cada lado, quase sempre em asfalto bem conservado, mas tem um grau de dificuldade elevado. A cada pedalada ouvem-se os grilos e pássaros cantar e riachos a correr. O ar é adocicado pelos perfumes da Primavera e dá gosto saborear os seus aromas.

Como há pouco trânsito os condutores confiam e cortam curvas duma forma completamente louca, quem for fazer este trajeto tem que estar atento a esta situação.

Durante o nosso caminho perto das aldeias e nos campos em redor viam-se fumos e fogueiras e pessoas mais ou menos vigilantes a controlar, num caso porem isso não estava a acontecer e as labaredas consumiam as ervas e silvas junto a uma casa, isto quer dizer que os comportamentos negligentes e perigosos continuam.  

Nós temos o hábito de por vezes sair da estrada para explorar as aldeias em redor e por isso fomos visitar Fornos, que está bem plantada numa planície, onde as vinhas do verde da região, parecem ondas que vão rebentar junto a Igreja de São Pelágio.

A estrada a dada altura começa a descer a encosta e acompanha durante muitos quilómetros o Rio Paiva, no fundo do vale passamos uma ponte junto a um ponto de captação de água.

Leia também: Rio Paiva

Almoçamos na Carvalha onde o cabrito e a posta arouquesa são reis e bem acompanhados pelo verde vinho da região.

O trajeto a dada altura passa também por Travanca – Cinfães – distrito de Viseu, onde nos prendeu atenção um casebre em granito, com um jardim todo florido, onde vivem Maria Alice Sousa e Adriano de Sousa, com 56 e 59 anos, que nos contaram um pouco da sua terra.

Continuando a viagem, em Vila Viçosa, no final duma íngreme subida, talvez para amenizar o esforço, encontramos numa curva um jardim que começava na berma e se precipitava para o interior duma casa. O que mais haviam eram giestas de várias cores e qualidades. Ali reside há muitos anos, Maria Alice Soares, que nos matou a sede e contou histórias para outro artigo.  

Leia também: As Giestas da Maria Alice

Perto deste ponto uma mulher, de nome Deolinda Conceição de 79 anos, lavava a roupa à mão num tanque publico e desconfiou com muita razão dos nossos nobres objetivos, infelizmente há para aí muita malandragem.

A dada altura do percurso em Janarte é necessário fazer uma importante escolha quando surgir um entroncamento com as indicações “Cinfães, Arouca, Nespereira e Canelas/Espiunca”. Se seguir em direção a Canelas/Espiunca, pode visitar a aldeia de Espiunca, falha geológica, praia fluvial e uma das entradas para os passadiços do Paiva. Se tomar esta opção deve contar depois com uma forte subida para Alvarenga e aproveitar para visitar o miradouro sobre o "Rápido dos três saltinhos", que tem uma vista soberba sobre o Rio Paiva e os passadiços. Este miradouro necessita como podem se pode ver pelas fotos de manutenção urgente já que há tábuas de proteção partidas.

Apesar do esforço nós aconselhamos esta opção e no regresso vir por Cinfães que irá sair ao entroncamento acima referido, trajeto um pouco mais curto. Se quiser uma estrada mais suave segue as placas em direção a Nespereira e sem passar por Canelas/Espiunca.

Chegamos por fim a Alvarenga, terra que brotou no meio duma planície cercada por serras, onde o azul e o verde amainam os espíritos. No local os restaurantes da posta à Arouquesa são muitos e as vacas que os alimentam pastam nos campos em redor.

Quisemos saber mais sobre o local e quatro pessoa que trauteavam num banco de madeira lá nos contaram um pouco sobre o local, Eduardo Sousa, Natinda Cunha, Fernando Cunha e Joaquim Costa, com 59, 77, 88 e 75 anos de idade. Numa horta desta vila encontramos um uso diferente para bonecas, que foram colocadas de forma engenhosa distribuídas pelas culturas para assustar a passarada. No regresso viemos por Nespereira onde abundam os rebanhos de ovelhas e passamos junto à capela de São Brás em Vila Chã - Cinfães.

Começamos esta aventura eram 10h00 da manha e terminamos já passava das 19h00, porque vamos parando para tirar fotos, falando com as pessoas e visitando certas aldeias que nos captam atenção. Estamos agradecidos à natureza por termos feito esta viagem e que continue assim por muitos anos para que outros também o possam desfrutar.   

 

Lida 1037 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Almisouto | Uma associação em comunhão com a natureza

No fundo de um florido vale, por onde serpentei o rio Lage, num lugar que poucos conhecem por Penouco, em Cabomonte, na Rua da Ponte, nasceu a 21 de janeiro de 2009, a ALMISOUTO - Associação de Lazer S. Miguel do Souto, nos “Antigos Moinhos do Fidalgo”, num terreno e casa rústica que o tempo já tinha tomado posse.

Mansores terra fértil de levadas

A caminho de Arouca já passamos inúmeras vezes por Mansores, mas nunca paramos nesta terra. Desta vez a pretexto de fazermos o PR11 - trilho das levadas, subimos à Nª Srª do Rosário, no lugar da Vila, onde contemplamos os vales e montanhas que se estendiam em redor.

De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo

O Ondas da Serra, ou melhor o Sílvio, o Rui e eu, percorreu Ovar a Aveiro em bicicleta. A aventura começou no primeiro dia em que se ponderou fazer o caminho desde a cidade vareira à cidade dos canais, sempre com a Ria como apoio. Foram mais de 10 horas de percurso e perto de 90 quilómetros de caminho. Mais do que pedalar, ficar espalmado ou mergulhar os pés na lama, ficou a importância do tempo.

Faça Login para postar comentários
Pub