Castelo de Paiva caminhada da Ilha dos Amores ao Rio Douro Rui Sousa a recitar o Canto IX dos Lusiadas Ondas da Serra

Castelo de Paiva caminhada da Ilha dos Amores ao Rio Douro

Classifique este item
(5 votos)

No dia 22 de julho de 2018, realizou-se mais um evento do Ondas da Serra, sob o mote “Em busca do amor”, em Castelo de Paiva. Esta nova iniciativa da nossa comunidade, percorreu o "Trilho Ilha dos Amores", que começa e termina no Lugar do Castelo. Participaram nesta caminhada, duas dezenas de pessoas, oriundas de Ovar, Espinho, Vila Nova de Gaia, Porto e Beja. Nesta caminhada percorremos este percurso pedestre, por terras de Fornos e no final fomos de barco até à Ilha dos Amores. Neste local passamos o resto do dia, onde fizemos yoga e meditação, partilhamos um almoço, nadamos e demos saltos loucos para o Rio Douro e declamamos Camões.

Caminhada "Ilha dos Amores" em Castelo de Paiva

Caminhada

O dia apresentou-se radioso, um pouco quente, mas os ares junto ao lugar do Castelo são refrescados pela brisa do Rio Douro ali perto. O grupo partiu à descoberta com alegria e vontade de conhecer os principais pontos de interesse:

Pontes de interesse da caminhada Ilha dos Amores

  • Ponte sobre o Rio Paiva que divide os distritos de Aveiro e Viseu;
  • Aglomerado histórico do lugar do Castelo;
  • Alminhas da Nossa Senhora da Boa Fortuna com data de 1825;
  • Capela de Santo António – Fornos;
  • Velho Cruzeiro de Fornos;
  • Igreja de São Plágio de Fornos;
  • Várzea de Fornos;
  • Ilha dos Amores;

Festas em honra de São Plágio - Fornos - Castelo de Paiva

Festas em honra de São Pelágio - Fornos - Castelo de Paiva

Tivemos um prémio extra porque na freguesia de Fornos comemorava-se a festa de São Pelágio e um batizado. O velho cruzeiro estava enfeitado a preceito, cumprindo a tradição secular. No momento em que chegamos, entrava a procissão na Igreja ao som da Banda Musical de Fornos. Na lateral descansavam os andores à espera de serem levados pelo povo. Algumas pessoas do grupo crentes no poder divino foram visitar a Igreja e depois de terem cumprido o seu ato de fê, seguimos viagem.

Andamos depois a ladear a várzea de Fornos, com as suas quintas do vinho verde da região e paramos em algumas fontes. As mesmas tinham avisos que a água não era controlada, mas deu para nos refrescar e alguns molharem-se numa batalha de água.

O vinho comprado em Geão - Fornos

Caminhada

Por detrás duma porta aberta numa adega em Geão - Fornos, surgiu um velho homem, José Silva, 71 anos, antigo motorista, muito simpático, alto e de boas falas. Lá dentro não faltavam pipos, garrafões e todas as ferramentas para fazer vinho. O António Teixeira, de Vila Nova de Gaia, ofereceu-se logo para levar um garrafão de vinho verde da região, para o nosso almoço, que carregou durante alguns quilómetros. A pinga revelou-se boa, mas para ficar um pouco fresca mergulhou algum tempo nas águas do Douro.

O percurso continuou ora por terra batida, estradas ou viadutos até chegarmos ao destino final.

O barco do Senhor Falcão a caminho da Ilha dos Amores - Castelo de Paiva

Caminhada

O nosso barqueiro de serviço, Sr. Falcão, atrasou-se um pouco o motor do barco encharcou as velas, em ambas as viagens de ida e volta, mas lá chegamos ao destino, todos em segurança e com os respetivos coletes.

A prática de yoga e meditação

A caminhada Ilha dos Amores em Castelo de Paiva - Sílvio Dias a meditar

Terminamos finalmente a nossa “Demanda pelo amor”, esse sentimento que tem múltiplos significados, interpretações e cada pessoa possui a sua definição. Antes do almoço ensinamos algumas técnicas de Yoga e de meditação.  

O almoço partilhado com muita alegria

Fomos finalmente almoçar e não faltou nada, ninguém passou fome ou sede, o convívio foi alegre, todos partilharam das suas provisões. A conversa jorrou, alguns mais cansados da caminhada dormitaram. Outros foram tomar banho ou saltar dum penhasco como uns jovens que ali estavam. A sociedade é isto, poucas pessoas do grupo se conheciam, mas parecia que já eram todos amigos de longa data, é isto que o Ondas da Serra pretende.

A declamação de poemas de Camões

Caminhada

No final o nosso Rui Sousa fazendo uso das suas qualidades oratórias recitou alguns sonetos do Canto IX de Camões, para deleite de todos, não estivéssemos nós na Ilha das Ninfas.

Não podemos contar todas as histórias e o ambiente especial que se viveu é difícil que recriar em palavras ou fotografias. No entanto, agradecemos as pessoas que participaram e se envolveram em todos os momentos.

Esperamos por vocês numa próxima oportunidade. 

Até já.

Foto do Grupo deste evento do Ondas da Serra - Demanda à "Ilha dos Amores" - Castelo de Paiva

Caminhada

Galeria de fotos de Castelo de Paiva e da caminhada "Ilha dos Amores"

Lida 1937 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é uma marca registada e um Órgão de Comunicação Social periódico inscrito na ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, com um jornal online. O nosso projeto visa através da publicação das nossas reportagens exclusivas e originais promover a divulgação e defesa do património natural, arquitetónico, pessoas, animais e tradições do distrito de Aveiro e de outras regiões de Portugal. Recorreremos à justiça para defendermos os nossos direitos de autor se detetarmos a utilização do nosso material, texto e fotos sem consentimento e de forma ilegal.     

Itens relacionados

Trilho dos Socalcos do Sistelo revela paisagens incríveis

O percurso pedestres PR24 – Trilho dos Socalcos do Sistelo, desenvolve-se nesta freguesia do concelho de Arcos de Valdevez. Esta caminhada é caracterizada pelos socalcos que contribuíram para ter ganho o título de ser uma das “7 Maravilhas de Portugal”, na categoria de Aldeia Rural. Esta forma que os seus antepassados arranjaram para moldar a paisagem e conseguirem cultivar as terras para o seu sustento, mudam de tonalidade e beleza conforme as estações do ano. Pelo caminho poderão ser encontrados traços da sua ancestralidade e práticas agrícolas. Por vezes nos lugares mais inusitados descansam ou pastam bovinos da raça Cachena, alheios ao tempo e curiosidade dos forasteiros. Os socalcos, muros, espigueiros e casas em granito, das aldeias de Sistelo e Padrão conferem um caráter respeitoso e austero, da sua velha longevidade, mas que lentamente estão a morrer degradados pelo abandono. Subir estas encostas e ver Sistelo ao longe, rodeado de socalcos é uma das melhores formas de abarcar a sua beleza paisagística e de o celebrar.

Passadiços do Paiva: Guia Teórico-Prático para fazer o trilho

A fama dos Passadiços do Paiva em Arouca, por quem Gaia se enamorou, foi elevada pelos ventos aos quatros cantos da Terra. As suas formosas escadarias parecem tomar os céus de encontro ao Criador. O rio Paiva que as acompanha é dos últimos de águas bravas e mais limpas da Europa. O seu percurso ondulante acariciando o vale aproxima o ser humano da natureza que esqueceu, mas quer resgatar. Este Jardim do Éden, pode conduzi-lo aos verdes prados e águas refrescantes, porque nada lhe falta, por isso temos o dever de o proteger e enaltecer a sua natureza. Esta aventura vai desvendar algumas das riquezas da sua fauna, flora, geologia, história, rápidos e praias fluviais. Muito se tem escrito sobre este premiado ser, contudo neste artigo vamos dar-lhe uma visão prática da visita, para colmatar uma das suas lacunas, para você saber de antemão o que pode ver, ouvir, cheirar, provar e tocar.

Praia Fluvial do Castelo a melhor do Douro e Ilha dos Amores

A Praia Fluvial do Castelo, fica localizada na freguesia de Fornos em Castelo de Paiva, sendo banhada pelas amenas águas do Rio Douro. O Rio Paiva aqui desagua em frente à sua amada Ilha dos Amores, que outrora fortificada defendia cristãos de ataques de muçulmanas gentes e ajudou a fundar a Lusitânia Pátria. O seu enquadramento natural, desportos náuticos e infraestruturas oferecidas fazem dela uma das melhores da região. Este é também um lugar para gente jovem, que atravessa a nado até à ilha e do cimo de temerosos penedos se precipitam como loucos, em saltos vertiginosos, para as tranquilas águas do rio. Durante o verão, aos fins-de-semana há uma grande azáfama de embarcações a motor, por vezes fazendo perigar a segurança dos banhistas. As ondas arremetem para a praia, à passagem dos grandes cruzeiros, com turistas a ver as vistas das arribas do Douro, que acenam alegremente, mas lançando invejosos olhares ao povo que se refresca na praia.