A margem esquerda do Rio Inha em Canedo foi requalificada, dotando-o com uma bonita frente ribeirinha com cerca de três quilómetros. Quem circular pela Estrada Nacional 222 entre Canedo e Castelo de Paiva, antes da Ponte do Inha, vira à direita e desce para a Rua da Ribeirinha, onde começa o percurso, que termina no Rio Douro.

A nossa epopeia marítima glorificada pelo nosso poeta mor Luís de Camões, descreve-nos um lugar edílico na “Ilha dos Amores”, Cantos IX e X d'Os Lusíadas. Nestes cantos é revelado a disposição da deusa Vénus em premiar os marítimos portugueses, com um merecido descanso e com prazeres divinos, numa ilha paradisíaca, no meio do oceano, a Ilha dos Amores. Os ventos estavam favoráveis e levou-nos ao encontro desta Ilha em Castelo de Paiva. Localizada em frente ao porto do Castelo, com vista para a Ilha dos Amores, parte um percurso pedestre com o mesmo nome. A sua localizada privilegiada no Rio Douro e junto à foz do Rio Paiva tem uma beleza e encanto especial.

O percurso pedestre do Rio Gonde começa no interior da Casa Museu Egas Moniz em Avanca - Esterreja e deve o seu nome ao rio que o acompanha e desagua na Ria de Aveiro. O mesmo tem como principais atrativos a Casa Museu e os seus jardins, o Rio Gonde e a Ribeira do Mourão.

Descobrir a magia dos pirilampos e desfrutar de um passeio ao luar, ao som das águas do rio Uíma, é a proposta do Município de Santa Maria da Feira para as noites de 14, 15, 21 e 22 de junho, no Parque das Ribeiras do Uíma. A participação é gratuita, mas sujeita a inscrição prévia, a partir de 5 de junho, e limitada a 30 participantes por sessão.

A Falha da Espiunca ocorre no talude da estrada nas rochas mais antigas o Arouca Geopark. Estas rochas formaram-se há mais de 500 milhões de anos nas profundezas de um antigo mar, onde se foram depositando sedimentos, cujos estratos quartzíticos se encontram aqui bem percetíveis.

No dia 14 deixamos o carro perto do novo monumento ao vinho verde em Castelo de Paiva e começamos o percurso de bicicleta pela estrada nacional 225, em direção a Alvarenga. Há muito tempo que procurávamos e encontramos finalmente uma zona sem manchas florestais queimadas.  Este trajeto é muito calmo, tranquilo e dotado duma serena natureza. Por estas terras existe um equilíbrio entre a natureza e humanização da paisagem.  Não foi fácil esta demanda e releva o que se tem passado nos últimos anos em Portugal.