Cais do Bico na Murtosa Da esq. para dit, Bruno Barbosa, Pedro Guiomar, André Miranda, Agostinho Tavares, Bruno Gaspar, David Garrido, Sálvio Tavares e Cocas Guimarães.

Cais do Bico na Murtosa Destaque

Classifique este item
(5 votos)

O Cais do Bico fica localizado no Lugar do Bico, no concelho da Murtosa. Este pedaço de terra junto à Ria de Aveiro é dotado de uma grande beleza natural, calma e tranquilidade. O espaço que se abre para as águas oferece um amplo parque de merendas relvado, com algum arvoredo, e mesas onde poderá fazer piqueniques com a família ou amigos. No dia da nossa visita alguns grupos de amigos defrontavam-se no jogo da malha. No verão, os domingos por estes lados são muito animados e as mesas muito disputadas.

Cais do Bico na Murtosa ideal para observar as cegonhas

Antes de chegar ao Cais, num campo do lado esquerdo da estrada, foram construídos seis postes para as cegonhas nidificar, nós podemos observar os juvenis a bater as asas, treinando para brevemente abandonarem os ninhos.

O Cais oferece proteção a embarcações de recreio e de pesca, caraterizadas pelas suas cores garridas, personalização com nomes originais e dizeres maliciosos. É um local de encontro de caravanista portugueses e estrangeiros que ali ficam por vezes alguns dias tocados pela harmonia da natureza.

Praia do Cais do Bico vigiada durante a época balnear

A praia ali perto é vigiada durante a época balnear por nadadores salvadores. No dia que lá estivemos estavam de serviço Elena Motsar, natural da Ucrânia, que reside em Portugal há cerca de um ano, sendo uma ex-atleta de natação sincronizada e artística e Pedro Magalhães, residente em Oliveira de Azeméis, estudante de pilotagem da marinha marcante, que disse ter herdado do pai o gosto pela ria, que foi quem o começou a levar com tenra idade para velejar nas suas águas.

As águas desta praia têm quase sempre uma temperatura agradável, mas com a maré baixa o seu caminho fica mais longe e o lodo pode incomodar algumas pessoas.  

Os percursos para bicicleta da cicloRia passam pelo Cais do Bico

A rede da cicloRia passa neste local e quem levar uma bicicleta pode ir visitar os vários cais para norte e para sul, nós aconselhamos visitar o Cais das Pardelhas, que num dia de pesca fica muito colorido e agitado.

O grupo de amigos da borga do Cais do Bico

Nós que somos visitantes assíduos desta praia já nos tínhamos apercebido que pontualmente um grupo de amigos montava uma grande barraca e faziam por ali um animado convívio com muita algazarra. Desta vez tentamos a sorte e fomos bem-recebidos pelo grupo, constituído por oito homens, que se autodenominam “Grupo da Ilha”, são de Estarreja e já se reúnem neste local há dezoito anos.

Este grupo é constituído pelo Bruno Barbosa, Pedro Guiomar, André Miranda, Agostinho Tavares, Bruno Gaspar, David Garrido, Sálvio Tavares e Cocas Guimarães.  Estes homens trabalham na construção civil, função pública, mecânica auto, agricultura e eletricidade.

Cumprem este ritual duas vezes por ano, de sexta a domingo. Nestes fins-de-semana as mulheres ficam em casa, embora algumas fiquem com cara de “arroz estragado”. Gostam do local pelo sossego e ser “Bom para curar as bebedeiras”. Efetivamente como eles orgulhosamente nos mostraram bebida e cerveja fresquinha não faltavam e nós fomos convidados a beber com eles. Têm também preocupações ambientais e por isso não usam geradores por causa do barulho e poluição. Para manterem tudo fresco usam baterias e uma arca com gelo.

Fizeram questão de nos dizer que a ementa desses dias passou por grelhados mistos, bacalhau, arroz-de-cabidela, rojões e leitão assado no domingo para acabarem em festa. Este grupo trata-se bem ou não fossem bons portugueses.

Como manda a tradição tem uma mascote, que é o cão bir-bir, que tem 12 anos e já está a ficar velho. Nesses dias passam o tempo com mergulhos na ria, comer, beber, jogar cartas ou à moedinha até altas horas da madrugada. Mas como tudo o que é bom acaba depressa já estavam a preparar-se para se irem embora, agora só regressam no final do verão, depois das lavouras.   

E assim terminou mais um dia mágico, cheio de histórias e pessoas felizes.

 

 

Lida 2187 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Conheça a bonita e maior praia fluvial do Areinho em Arouca

A bonita e aprazível praia fluvial do Areinho é banhada pelo Rio Paiva, ficando localizada na União de Freguesias de Canelas e Espiunca – Arouca, sendo a maior deste concelho que pertence ao distrito de Aveiro. Não se vai arrepender de se banhar nas suas temperadas águas e confie em nós que irá passar um dia magnifico neste aprazível local, que ficou um pouco movimentado por causa dos passadiços do Paiva, mas que não lhe retiraram o encanto.

As mais bonitas praias fluviais de Portugal

O Ondas da Serra tem feito um trabalho para dar a conhecer aos nossos leitores as mais bonitas praias fluviais de Portugal. A maioria das que visitamos são no nosso distrito de Aveiro, mas fomos conhecer outras espalhadas pelo país que nos oferecem momentos inesquecíveis de paz, beleza e tranquilidade. Neste artigo fizemos uma seleção destas locais que fazem parte da nossa história e onde nos divertimos e agradecemos à mãe natureza pela sua criação e aos homens por as estimar.

Ria de Aveiro-Associação dos Amigos da Ria e Barco Moliceiro

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.