Os pássaros negros que vigiam o Parque Urbano do Rio Ul Os pássaros negros que vigiam o Parque Urbano do Rio Ul
sexta, 09 fevereiro 2018 22:04

Os pássaros negros que vigiam o Parque Urbano do Rio Ul Destaque

Classifique este item
(2 votos)

Três bancos de jardim não chegam para ver a biodiversidade do Parque Urbano do rio Ul. A floresta urbana prolonga-se ao longo de uma área equivalente a 30 campos de futebol. Dez anos após a sua inauguração, o projeto do arquiteto paisagista são-joanense Sidónio Pardal prepara-se para uma nova interpretação da Natureza, numa relação íntima e dialogante com os seus visitantes.

São João da Madeira é a casa do Parque Urbano do Rio Ul desde 2008. Uma década depois, a Câmara acaba de anunciar uma nova estratégia para o projeto assinado pelo arquiteto Sidónio Pardal. O investimento envolve a divisão de Ambiente da autarquia e instituições como a Universidade Católica Portuguesa. A nova imagem gráfica será assinada pela equipa liderada pelo designer Alcino Vieira.

Materializar o potencial ambiental e educativo do parque do rio Ul é o objetivo do investimento de 350.000 euros, financiado em 85% pelo programa Norte2020.

A Casa da Natureza será transformada numa galeria e o Ciclo do Pão terá um núcleo expositivo dedicado a cada uma das suas fases. A gestão dos habitats naturais do parque e o estudo da sua fauna e flora são os principais projetos imateriais em desenvolvimento.

Silenciosamente, os três pequenos pássaros têm vigiado as convulsões, os passeios e os diálogos do Parque Urbano do Rio Ul. Não se conhece o seu criador. Não se sabe a data da sua criação. No entanto, eles ali estão, num dos vários muros em granito cobertos pelo pulsar da vida. O negro dos seus corpos contraste com a beleza da biodiversidade.

Leia também: Parque do Buçaquinho - O amante da Natureza

Enquanto ziguezagueia pelos caminhos do parque, deverá passar por alguns dos 2.347 exemplares de árvores já identificados e das 164 espécies táxones e dois nototáxones, distribuídas por 58 famílias.

A descoberta do parque urbano do Rio Ul faz-se a pé ou de bicicleta, sozinho ou acompanhado, enquanto se passeia o cão ou se pensa nas incertezas e alegrias.  As 57 espécies de fauna selvagem podem ser boas conselheiras. A enguia europeia e o coelho-bravo são duas espécies em perigo e que podem ser vistas no parque.

Descobrir “todos os parques que há no Parque do Rio Ul" é o slogan para a reinvenção deste espaço verde em São João da Madeira. Qualquer que seja o caminho escolhido, será inevitável passar pelo escrutínio dos três pássaros poisados num muro.

O ambiente de paz tem inquestionáveis poderes de regeneração. Num desafio herculano à selva urbana, os parques do Parque do Rio Ul têm personalidades única, cada uma mais fascinante que a outra. É pela lente do picture.wall que o Ondas da Serra propõe um passeio pelas divisões desta galeria da Natureza.

Cada fotografia retrata um ambiente, um estado de espírito e uma relação com o mundo. Da autoria do projeto fotográfico sanjoanense picture.wall, assinado e fundado por Ana Sofia Resende. 

Galeria de fotos

 

 

Lida 340 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Ondas em busca do tesouro de Trebilhadouro

Ondas da Serra foi em busca dos tesouros de Trebilhadouro, não encontramos ouro, incenso ou mirra, mas um rico percurso pedestre, o PR4, integrado na Rota da Água e da Pedra de Vale de Cambra.

O Vale Mágico

“… cercado de montanhas de formas extravagantes, não é fácil descortinar em Portugal outro mais grandioso e espectacular. Quase não tem planos.

A terra é verde e o céu é azul; é tudo verde e azul com raras pintas brancas do casario, que mais do que moradias de homens parecem janelas da própria paisagem.

Nas noites de luar, quando o grande balão de oiro surge na lomba das montanhas, o vale enche-se de magia, dum sortilégio que paira desde os píncaros longínquos às águas sussurrantes do Caima. De manhã é o milagre, todos os dias há um milagre de luz sobre a terra quando o sol nasce em Vale de cambra.

(Ferreira de Castro)

Inácio Monteiro | Cesteiro

Quem acompanha o nosso projeto sabe que exploramos o nosso distrito principalmente a caminhar ou de bicicleta. Estas são boas formas de não deixarmos escapar certos pormenores importantes da vida real. Esta semana que está a terminar, ao passarmos na Rua dos Lavradores em Válega, vimos sentado numa cadeira na berma da estrada, junto dum pinhal um homem a fazer um cesto em vime. O patriarca duma família de etnia cigana trabalhava em frente algumas precárias barracas onde a sua comunidade vive.

Faça Login para postar comentários
Pub