Pág. 1 de 3

Vale de Cambra (16)

Vale de Cambra

"O concelho de Vale de Cambra está inserido na Meseta Ibérica, com as Serras da Freita e do Arestal a fazerem a divisão entre o litoral e o interior. A área do concelho de Vale de Cambra é de 147,33 Km2 (Instituto Nacional de Estatística, 2014), distando este concelho 51km de Aveiro e 42 Km do Porto (Santos, 2004).

As fronteiras do concelho são a Norte-Noroeste com Arouca, a EsteSudeste com Oliveira de Frades, a Oeste-Sudoeste com Oliveira de Azeméis, a Este com São Pedro do Sul e a Sudeste com Sever de Vouga. É um dos 19 concelhos que integram o distrito de Aveiro (Santos, 2004), fazendo também parte da Nomenclatura de Unidade Territorial (NUT) III de Entre Douro e Vouga, juntamente com os concelhos de Arouca, Oliveira de Azeméis, Santa Maria da Feira e São João da Madeira (Instituto Nacional de Estatística, 2014).

Administrativamente, o município de Vale de Cambra está dividido em seis juntas de freguesia (Arões, Cepelos, Junqueira, Macieira de Cambra, Rôge, São Pedro de Castelões) e por uma junta de freguesia de união (Vila Chã, Vila Cova de Perrinho e Codal) (Câmara Municipal de Vale de Cambra, 2015a).” em Pinho, P. M. (2015)

“Em termos de evolução histórica, os testemunhos da presença humana em Vale de Cambra remontam a vários séculos atrás, existindo vestígios de que foi povoado no IV/V milénio A.C., que durante a incursão romana não houve uma verdadeira ocupação e que na idade média os pequenos casais deram origem às atuais aldeias e lugares.

No século XVI, durante o reinado de D. Manuel I, mais concretamente em 1514, o então rei de Portugal confere o foral à terra de Cambra (Queiroga & Marques, 2014). A 31 de dezembro de 1926, a sede do concelho que se encontrava em Macieira de Cambra foi extinta, passando para o lugar da Gandra, na freguesia de Vila Chã, dando assim origem ao concelho de Vale de Cambra (Câmara Municipal de Vale de Cambra, 2009). A urbe de Vale de Cambra foi elevada a cidade a 2 de julho de 1993 pelo Decreto-Lei N.º 26/93 (Marques, 1993)” em Pinho, P. M. (2015)

Os sabores gastronómicos da região são um dos cartões de visita. Com pratos típicos como imagem de marca, desde a vitela assada, aos enchidos caseiros, ao presunto. Assim como os vinhos verdes detentores de um sabor único. Fonte: portal.amp.pt

Pinho, P. M. (2015). O papel dinamizador do turismo no espaço rural: o caso das aldeias da Felgueira e do Trebilhadouro [Doctoral dissertation, Universidade de Aveiro]. Repositório Institucional da Universidade de Aveiro.

O município de Vale de Cambra alberga no seu reino três belas aldeias, que embrenhadas nas serras poderá conquistar, Trebilhadouro, Felgueira e Lomba. As duas primeiras ostentam a marca de qualidade “Aldeias de Portugal”, mas todas estão inseridas nas “Montanhas Mágicas”. Estas terras partilham a ruralidade, autenticidade, tradições, natureza, ribeiros e serras. Neste artigo vamos caminhar por este concelho, visitar estas aldeias e perceber algumas das razões que levam ao seu declínio e desertificação. Estudamos também que medidas foram implementada para as revitalizar sem as descaracterizar.

Pelo percurso pedestre do PR3 – Vereda do Pastor - Arões - Vale de Cambra, o Ondas da Serra foi conhecer as aldeias mais icónicas da encosta sul da Serra da Freita, Covô, Agualva e Lomba. Nesta caminhada ainda passamos por duas povoações já abandonadas de Porqueiras e Berlengas. Este trilho é muito rico em termos arquitetónicos, naturais, fauna e flora, onde podemos apreciar um núcleo composto por 15 canastros ou espigueiros, duas bonitas cascatas, luxuriantes ribeiros e belíssimas paisagens de montanha. Do alto das suas serranias pode-se observar a linha costeira que é coberta ao raiar da aurora e crepúsculo por uma envolvente neblina que é suplantada pela altitude, escondendo as riquezas dos horizontes e fundos dos vales.

‘E onde estamos nós?’

Pois bem, voltamos ao Vale Mágico (Paraduça e suas gentes) e… saindo do vale rumamos à montanha. Sempre rodeados de um verde arrebatador fomos até à fronteira com Arouca e encontramos o que a vista não alcança para entrar pela Quinta do Pinho adentro.

Ondas da Serra partiu à descoberta um destes dias por terras de Vale de Cambra. Deixamos o carro em Rogê, perto do Centro Cívico e partimos para desbravar terrenos e procurar aventuras. Não fomos de caravela, nem navegamos numa nau, levamos a bicicleta, não levamos varapau. 

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.

Pág. 1 de 3