Terras de Fuste, Função e Paço de Mato Alberto Alves, 76 anos, habitante de Paço de Mato - Rôge - Vale de Cambra
sábado, 05 janeiro 2019 11:28

Terras de Fuste, Função e Paço de Mato

Classifique este item
(1 Vote)

Ondas da Serra partiu à descoberta um destes dias por terras de Vale de Cambra. Deixamos o carro em Rogê, perto do Centro Cívico e partimos para desbravar terrenos e procurar aventuras. Não fomos de caravela, nem navegamos numa nau, levamos a bicicleta, não levamos varapau. 

A nossa primeira paragem foi no Açude do Moreira, situado no Rio Caima ainda em Rogê. Fomos depois ver a Ponte Velha, junto à Rua com o mesmo nome e voltamos à estrada municipal 550, que serviu como guia para a nossa jornada. Passamos por Sandiães, paramos para ver a sua Capela de Santa Ana, uma construção do século XVIII, de estilo setecentista e chegamos ao nosso destino principal, Fuste. Quando fizemos o PR4, Trebilhadouro, ficamos com vontade de explorar com mais pormenor esta aldeia, dotada de muita beleza natural e arquitetónica.

Leia também: Ondas em busca do tesouro de Trebilhadouro

Ao chegar vimos a senhora Maria Idalina, com a sua bonita vaca, que passivamente se deixava conduzir. Ali perto no vale, Virgulino Marcelino montado num escadote podava as suas videiras.

Visitamos a Igreja de Função, em honra de Nossa Senhora Desterro e lá do alto, vislumbrávamos ao fundo a nossa querida Ria de Aveiro e o Oceano Atlântico. O presépio montado no coreto ali em frente, tinha como tema o “O Sonho de José”.

Foi nesta aldeia no café do Ernesto que paramos para descansar e encontramos uma ligação ao nosso passado, numa das paredes um poster recordava uma festa em honra do Divino Espírito Santo, nos dias 17 e 18 de 1964, como fogueteiro tinha mencionada a nossa aldeia de Tarei – Souto.

A caminho de Paço de Mato, vimos nas encostas da serra, quatro aldeias, que pareciam pedir a proteção dos montes, para não se precipitarem no fundo do vale, Paço de Mato, Viedal, Vilar e Gatão. Paramos na primeira para ver os dióspiros, visitamos o seu pequeno aglomerado de casas em granito. Nesta aldeia pedalamos pelo Caminho Rural de Paço de Mato, inaugurado em 1997, onde encontramos Alberto Alves, com 76 anos a puxar um carro de mão com uma cabaça e outros legumes.

O final do dia aproximava-se rapidamente e não foi por falta de vontade e força que não fomos visitar as outras aldeias, fica para uma próxima oportunidade.

Andamos como os nossos antigos marinheiros a navegar à vista, aportamos em bonitas aldeias em granito, pedalamos por caminhos rurais, acariciamos a natureza, cheiramos a terra dos campos, palramos com os seus agricultores e desfrutamos dos garnizés a cantar, muito bonito.

 

 

Lida 1269 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Foz do Alge | Uma ode à mãe natureza

A povoação de Foz do Alge pertence à freguesia de Arega - concelho de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, do nosso Portugal. Este reino foi ali conquistado junto das águas do Rio Zêzere com as da Ribeira de Alge, num cenário de grande beleza, quebrada à volta pelos grossos mares de eucaliptos, que estão sempre à espreita para o aniquilar.

Vieira do Minho terra de contrastes

Vieira do Minho no sopé da Serra da Cabreira, vizinha do Parque Nacional da Peneda-Gerês, perto da azafama da área metropolitana do Porto, é um bom refugio para passar uns dias tranquilos, junto da natureza e vida selvagem.

Uma aventura no Parque Nacional da Peneda-Gerês

No norte de Portugal fica situado o nosso único parque nacional, todas as pessoas já ouviram falar dele, mas nem todas o visitaram. O seu vasto território e as suas riquezas permitem aos seus amantes ao longo dos anos terem sempre motivos para regressarem, aqui fica o testemunho duma destas viagens.