Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão Gatão
sexta, 05 abril 2019 22:04

Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão Destaque

Classifique este item
(2 votos)

O Ondas voltou à Vale de Cambra para continuar a descobrir as suas bonitas aldeias ou reencontrar alguns amigos e começar o percurso onde antes tínhamos terminado, Paço de Mato.

Vilar - Capela de Nossa Senhora da Boa ViajemPor estas bandas a vida flui ao sabor dos humores da natureza, da fertilidade dos campos e dos caprichos e necessidades dos animais. Numa das ruas desta terra, desgastada pela historia e onde o antigo casario granítico se mistura com o moderno, deparamo-nos com as ovelhas a sair duma espécie de redil. Numa dessas casas modernas, os seus agricultores sacrificaram a estética pela prática, abrindo um buraco na parede do rés-do-chão, onde encontramos o jovem Luís a sair com as ovelhas para o Campo, para ajuda mãe enquanto não tem trabalho.

Ali perto ao sol em amena cavaqueira o nosso amigo Alberto Alves, ficou muito feliz por nos ver e orgulhoso por ter sido capa do nosso artigo (Terras de Fuste, Função e Paço de Mato), e ter sido falado até no Luxemburgo e outros países onde habitam emigrantes filhos da terra.

A caminhar fomos ver a antiga ponte de Paço de Mato ou da Fontinha, como é também conhecida. Este antigo ponto de passagem, cuja construção remonta aos séculos XVII/XVIII, ligava esta terra por um antigo caminho a Viadal. É uma ponte com um só arco em granito irregular, mas a austeridade pede respeito pela sua antiga condição. Por baixo passa o Rio Caima, que nasce na Serra da Freita e se entrega nas águas do Vouga.

Passamos junto à Praia Fluvial de Paço de Mato e Viadal, onde corre o Rio Caima, só no Verão é que a comporta duma barragem é fechada para formar um pequeno açude. Junto da mesma o frondoso arvoredo convida a merendas e tardes retemperadas. Esta é uma das praias que segundo noticias difundidas irá ser requalificada pelo município, efetivamente achamos que o local tem potencialidades para ser melhor aproveitado.

As nossas bicicletas levaram-nos para Viadal, onde fomos reencontrar o Café Alquebe, que conhecemos quando fizemos o PR1 – Varandas da Felgueira. Ali sentados no banco de pedra no exterior e mirando as serras sobranceiras e o casario cabisbaixo, com a tempera do Sol, fomos arrebatados por essa vibração inexplicável que nos leva para estas paragens.

Em Vilar subimos as escadarias da Capela de Nossa Senhora da Boa Viajem, a quem pedimos proteção para as nossas andanças e missão de mostramos as terras e outros modo de ser, na esperança que humildemente nos escutem.

Passamos junto às capelas do Espírito Santo e da Nossa Senhora do Amparo. Seguindo viajem encontramos já em Cepelos de Baixo a Casa da Tulha, que parece votada ao abandono, uma porta tombada no chão deixou-nos entrar numa das suas dependências onde podemos ver uma antiga adega, com uma monumental prensa em madeira. “Antiga dependência do Mosteiro de Arouca, onde eram guardados os foros e rendas pagos ao convento, a Casa da Tulha pertence atualmente ao Museu Municipal de Vale de Cambra. Datada de 1760, destaca-se na fachada principal o portal granítico de lintel e cornija rematando em cruz. ” Fonte: Rota da Água e da Pedra | Montanhas Mágicas.

Regressamos a Paço de Matos por outro caminho que atravessa o vale e passe pela Ponte de Pisão que dá acesso a Sandiães, “A ponte de Pisão localiza-se no limite das freguesias de Rôge e Cepelos, à saída do lugar de Sandiães no caminho municipal entre Cepelos de Baixo e Sandiães, onde cruza o Rio Caima. Datada dos séculos XVII/XVII, está é uma ponte de tabuleiro horizontal sobre um único arco de volta plena e construção em alvenaria de granito.” Fonte: Rota da Água e da Pedra | Montanhas Mágicas.

Depressa passou o dia, embora aqui o tempo se faça demorado, mas tão depressa saímos dali como de caminho já pensávamos regressar, às serras da nossa terra.

Leia também: As mais bonitas aldeias de Aveiro

 

Luís pastor - Paço de Mato

 

 

Lida 530 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

As mais bonitas aldeias de Aveiro

O distrito de Aveiro possui por entre montes e vales, plantadas à beira mar, junto à ria ou ribeiros, à vista ou escondidas, aldeias e povos duma grande riqueza. Nas nossas caminhadas e explorações vamos encontrando e divulgando a sua beleza para que outros as possam abraçar, aqui ficam as que já visitamos até hoje e aconselhamos a desvendar.   

Aldeia de Noninha na Serra de Montemuro

Ondas da Serra regressou ao local onde nasceu, nas encostas da Serra de Montemuro em Arouca. Não nos cansamos de trilhar os seus caminhos, respirar os seus ares e escutar os seus silêncios, por vezes distraídos pelos chocalhos dos rebanhos das vacas, cabras e ovelhas que já vão rareando.

De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo

O Ondas da Serra, ou melhor o Sílvio, o Rui e eu, percorreu Ovar a Aveiro em bicicleta. A aventura começou no primeiro dia em que se ponderou fazer o caminho desde a cidade vareira à cidade dos canais, sempre com a Ria como apoio. Foram mais de 10 horas de percurso e perto de 90 quilómetros de caminho. Mais do que pedalar, ficar espalmado ou mergulhar os pés na lama, ficou a importância do tempo.

Faça Login para postar comentários