quarta, 19 abril 2017 15:51

Varandas da Felgueira – Vale de Cambra

Classifique este item
(4 votos)

A equipa do ONDAS DA SERRA foi até Vale de Cambra conhecer o novo Percurso Pedestre "VARANDAS DA FELGUEIRA (PR1)". Aquele Vale, na primavera, é realmente mágico... Nem o cinza do incêndio que devastou grandes áreas da serra, no verão de 2016, consegue esconder a alvura e o delicado aroma das cerejeiras em flor que embelezam o caminho.

Antes de iniciar este passeio virtual, convidamo-lo a passear o olhar pelas 27 fotos da GALERIA que lhe oferecemos. Nas três primeiras imagens vai descobrir o ponto de partida desta nova aventura da equipa do ONDAS DA SERRA, desta vez por terras de Vale de Cambra ("Vale Mágico").

Fomos de carro até à aldeia da Felgueira. O sol começava a acordar quando chegámos à curiosa paragem de autocarro que vinha indicada no folheto do "PR1 - Varandas da Felgueira" [fotos 1 e 2]. O antigo percurso, segundo nos informaram, tinha 5,1 km e demorava cerca de 2 horas a percorrer, e o novo trajeto, também de desenho circular, passou a ter quase o dobro da distância (9, 5 km), e faz-se em 3h30.

Tirámos as câmaras do saco para fazermos os primeiros registos fotográficos, os da praxe, e fomos surpreendidos com uma cena da vida campestre que atraiu a nossa lente: um rebanho acabava de sair do redil. Conversámos com o pastor José Augusto Tavares (José das Ovelhas), de 71 anos de idade, que alertou: "Antigamente, as cabras limpavam os terrenos... Como podem ver, está tudo cheio de silvas, de mato, e os lobos descem às aldeias".

Na aldeia da Felgueira, onde predomina o casario de granito e xisto, falámos com outros moradores, como a senhora Maria Custódia, de 91 anos de idade, que vigiava o marido, lá do alto, enquanto o Sr. Manuel Joaquim tentava retirar os pedregulhos que lhe tinham plantado na terra onde costuma semear batatas. A rua encontrava-se em obras... Aliás, a paisagem está a mudar por estas "varandas" – autênticos miradouros naturais –, porque os incêndios do verão de 2016 deixaram, infelizmente, a sua marca na paisagem serrana. Em 4 de março de 2017, para ajudar a reflorestar este recanto do "Vale Mágico", a Associação Desportiva e Cultural da Felgueira plantou várias espécies de árvores autóctones, como o carvalho e o medronheiro, num terreno junto à aldeia. O ONDAS DA SERRA aplaude esta iniciativa!

Fomos buscar o folheto do PR1 ao saco para nos orientarmos: "Por entre o casario, toma-se o sentido Sul e rapidamente se alcança o antigo caminho de ligação a Carvalhal do Chão e Mouta Velha. A atividade agrícola, muita dela desenvolvida em socalcos, confere um colorido único à paisagem. É desta aldeia que se inicia a subida para a zona do "Alto da Carrasqueira"...

Guardámos o desdobrável, bebemos um gole de água, e percorremos os vários trilhos até alcançarmos os 854 metros de altitude. A paisagem ainda estava enegrecida devido ao incêndio, mas o percurso está bem sinalizado com as habituais marcas a amarelo e vermelho – caminho certo ou errado – colocados em locais bem visíveis, como postes, muros, pedras e árvores. (O pedestrianismo em Portugal está no bom caminho, porque tem permitido este salutar contacto com a natureza, a atividade física, e, principalmente, a descoberta destas "Aldeias de Portugal"). 

Passámos por Vilar e Viadal, onde a simpatia dos locais não deixa ninguém ficar indiferente. Chegados ao Santuário de Nossa Senhora da Ouvida, voltámos à leitura. O folheto revelava que o santuário foi erigido naquele local porque "N.ª Sra. terá aparecido aos pastores de Cepelos e Rôge, que vinham à serra apascentar os seus rebanhos".

Terminámos o percurso como começámos, à conversa com o pastor José das Ovelhas. Gente boa, gente honesta, a da serra... Como alguém escreveu: "Conhecer Vale de Cambra é também deliciar-se com a sua Gastronomia: a vitela assada à serrana (acompanhada de um vinho verde sublime), o cozido à portuguesa, a broa de milho, os enchidos, o presunto e o queijo refletem toda esta envolvência serrana; um leite-creme divinal coroa a refeição."

TEXTO e FOTOS: Fernando Pinto (Clique na 1.ª foto, depois em play, para ver o Slideshow)

 

 

Veja também

Pessoas: Rostos de Vale de Cambra

Fotos: Olhares das "Varandas da Felgueira"

Vídeo: Por entre montanhas do Vale Mágico

 

Lida 675 vezes Modificado em quarta, 26 abril 2017 17:11

Autor

Fernando Pinto

Fernando Manuel Oliveira Pinto nasceu no dia 28 de junho de 1970, em Ovar. Jornalista profissional, fotógrafo e realizador de curtas-metragens de vídeo. Escreve poesia e contos. A pintura é outra das suas paixões. Colaborador do "Ondas da Serra".

Itens relacionados

Terras de Fuste, Função e Paço de Mato

Ondas da Serra partiu à descoberta um destes dias por terras de Vale de Cambra. Deixamos o carro em Rogê, perto do Centro Cívico e partimos para desbravar terrenos e procurar aventuras. Não fomos de caravela, nem navegamos numa nau, levamos a bicicleta, não levamos varapau. 

Paraduça e suas gentes

O Ondas viajou até Paraduça – Vale de Cambra, onde conhecemos alguma das suas gentes e moinhos de rodízio. Nesta aventura tivemos como guia o PR6 – Rota dos Moinhos, que está muito bem assinalado e aconselhamos vivamente. O tempo não esteve famoso, a chuva miudinha não parou de cair, o ambiente estava enevoado e esperamos em vão que o céu mostrasse o seu sorriso.

As Ribeiras das Terras Marinhoas

O Criador quando chegou a Pardilhó, deveria estar de bom humor, por ter feito tão bonita obra. As terras são baixas e de altitude quase constante, conhecidas por Marinhoas. Estes lugares perto do mar e da ria, formados por terrenos arenosos e aluvião, conferiram uma acentuada identidade regional a Pardilhó, Bunheiro, Murtosa, Monte, Veiros, Torreira e pedaços de Estarreja e Ovar.

Faça Login para postar comentários
Pub