De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo Foto: Ricardo Grilo, Ria de Aveiro - Ponte Varela
quarta, 20 fevereiro 2019 08:59

De Ovar a Aveiro: sobre a importância do tempo

Classifique este item
(3 votos)

O Ondas da Serra, ou melhor o Sílvio, o Rui e eu, percorreu Ovar a Aveiro em bicicleta. A aventura começou no primeiro dia em que se ponderou fazer o caminho desde a cidade vareira à cidade dos canais, sempre com a Ria como apoio. Foram mais de 10 horas de percurso e perto de 90 quilómetros de caminho. Mais do que pedalar, ficar espalmado ou mergulhar os pés na lama, ficou a importância do tempo.

Quando chegamos a adultos, o rápido torna-se ainda mais rápido e rapidamente se fica sem tempo para programas que exijam, curiosamente, tempo. É importante referir nome a nome aqueles que participaram neste devaneio saudável não por gabarolice, mas por orgulho.

A saída foi um pretexto para reunir a equipa, estar com amigos e usufruir da Natureza. De Ovar a Aveiro, ficam as paragens para ver os corvos marinhos, os silêncios para não assustar as cegonhas, o encantamento pela beleza que Portugal oferece sem cobrar nada.

Passavam alguns minutos das 08h30 quando saímos de Ovar. Uns com bicicletas prontas para o que vinha, outros, mais inexperientes, com o equipamento que arranjaram para se desenrascar. Todos com o objetivo de aproveitar cada oportunidade, até ao momento em que o cansaço seria tanto que já não se sentia ou reparava em rigorosamente nada. Apenas se suspirava pela estação de comboios e, mais tarde, por descanso.

Ovar, Pardilhó, Murtosa, Estarreja e Aveiro foram os pontos mais centrais por onde passamos, sempre envolvidos pelo manto apaziguador de uma Ria a que não se consegue ficar indiferente quando se escuta atentamente.

Um imprevisto no caminho obrigou-nos a pegar nas bicicletas, depois de horas a pedalar, e a atravessar uma pequena muralha de pedras escorregadia entre silvas, musgo e muito suor. O paredão, com um ligeiro declive, serve para travar o mar ou o rio de galgar as margens, pelo menos com facilidade. Neste Sábado, dia 16 de fevereiro de 2019, já muito perto do pôr-do-sol, serviu para contornarmos um boi e algumas vacas. Livres no caminho que deveria ser o nosso, obrigaram-nos a encontrar uma alternativa que não fosse voltar para trás. Fizemo-lo, demoramos o dobro do tempo, eu acabei com os pés raptados por lama ainda não havia passado 30 segundo do início da aventura, e conseguimos contornar o obstáculo numa metáfora poética do que é o projeto Ondas da Serra.

De Ovar a Aveiro, atravessamos passadiços confiantes, ouvimos a Natureza, tiramos fotografias, estivemos connosco e rimos. Muito. Partilhamos o tempo que tantas vezes temos dificuldade em encontrar para simplesmente estarmos. É a importância do tempo que resume este percurso, na sua forma mais simples. Nós, o Sílvio, o Rui e eu, teremos irremediavelmente este tempo para nós e para o Ondas, mesmo que nunca mais se repita (o que não irá acontecer, naturalmente!).

Ricardo Grilo

 

Por mais que se tente e mesmo o maior dos poetas, não consegue por vezes levar os outros a sentir o que vive, porque a grandeza da natureza quer companhia e não partilha os seus amores com desvaneios linguísticos, metáforas ou hipérboles bem delineadas. Esta aventura foi vivida num paradoxo temporal próprio do Ondas (quem já nos acompanhou sabe a que nos referimos), com amigos que partilham convicções e tentam com as Serras e as Ondas, tornar o mundo melhor. Mesmo assim as palavras versejadas ainda se vão aproximando do que queremos transmitir, por isso misturei umas poucas sobre o que senti com este passeio com os meus amigos.

 

O universo foi criado
Das trevas fez-se luz
O homem foi moldado
Do sopro da vida insuflado

As ondas da existência
Devem alcançar o mar
Não temos que navegar
Num barco para afundar

Andamos no mar
Andarmos na serra
Andamos na ria
Andamos na floresta

Queremos aprender
Conhecimentos partilhar
Não fazer seres sofrer
Ensinar homens amar

Nossa missão tem temor
Obstáculos a contornar
A Terra grita de dor
Vamos ajuda a salvar

Nossa comunidade floresce
Muitos querem participar
O nosso Aveiro merece
Tem muito para mostrar

 

Percurso: Ovar, Pardilhó, Ribeira do Mourão - percurso das Ribeiras (artigo no Ondas), Bunheiro, Ponte Varela (lado nascente), Bestida, Murtosa, Ribeira de Pardelhas, Cais do Bico, Ribeiras de Veiros, Esteiro de Estarreja, Rio Antuã (nova ponte, vídeo no facebook do Ondas), Bioria, Percurso de Canelas, Comportas de Canelas - seguir para poente, passar uma comporta (atenção que aqui tem campos com vacas e touros, pode encontrar o portão fechado para os animais não sairem destes terrenos), virar na primeira estrada de terra batida que encontrar à esquerda em direção a sul, ponte Sarrazola (vídeo no facebook do Ondas), Rio Vouga - para poente, Vilarinho (junto à ponte caída)- entrar nos novos passadiços para Aveiro que vão até ao Cais de São Roque, estação da CP de Aveiro. Distância: 70 quilômetros sensivelmente.

Sílvio Dias

Lida 713 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.