Pág. 1 de 11

Distrito (66)

Distrito
O projeto “Ondas da Serra ® ” identidade regional abrange prioritariamente sete concelhos da região norte do distrito de Aveiro, Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca. Contudo não deixaremos de divulgar os projetos e noticias que nos forem enviados pelos outros concelhos, Águeda, Albergaria-a-Velha, Anadia, Aveiro, Castelo de Paiva, Estarreja, Ílhavo, Mealhada, Murtosa, Oliveira do Bairro, Sever do Vouga e Vagos. Para isso basta que nos enviem um email e nos insiram nas listas de comunicados à imprensa, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.. Pontualmente iremos fazer algumas reportagens nestes locais. 

Os passadiços do Rio Douro em Castelo de Paiva são uma nova forma de abarcar toda a sua beleza e conhecer a história desta região. Neste artigo vamos conhecer o “Percurso Viver o Douro”, caminhando pelas suas margens e desfrutando da vista por um barco rabelo. Pelo trilho passamos por duas aldeias em xisto, alheias ao passar do tempo e cruzeiros com alegres turistas. Vamos conhecer também alguma da sua história, dos seus monumentos, fauna e flora. Nesta incursão revisitamos lugares, conhecemos novos amigos e com pena soubemos que partiram outros.  

Pardilhó ocupa um lugar especial no coração do Ondas da Serra, por isso certo dia fomos à procura da sua história e encontramos um livro com as memórias dum Pardilhoense que tinha vivido no Brasil, Mário de Oliveira Saleiro, “O Almocreve da Ti Rendeira | Esboço da História Contemporânea de Pardilhó”. Através das suas palavras ficamos a conhecer melhor a história desta terra, profundamente ligada à Ria de Aveiro, pesca, construção naval, terras marinhoas, famílias, pedreiros e tempos onde o homem estaria mais conectado à mãe terra.

O Ondas foi conhecer a Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro, na Ribeira de Pardelhas – Murtosa, que tem como missão preservar as embarcações tradicionais da Ria de Aveiro, onde se destaca o barco moliceiro e ainda dar formação náutica e desportiva.

Neste artigo estivemos à conversa com o Professor Manuel Oliveira, simultaneamente Presidente da associação e formador, que nos contou a sua história, de algumas das suas relíquias históricas, o tipo de formação que dão aos sócios e estivemos a ver um Mestre a trabalhar na recuperação dum barco de recreio e fomos ver outro aparelhar um moliceiro e navegar com ele na ria.

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para fazer nascer moliceiros, sendo estes artífices conhecidos por "Mestres do Machado".

Pág. 1 de 11