Pág. 1 de 2

Estarreja (10)

Estarreja

O Concelho de Estarreja, pertence administrativamente ao distrito de Aveiro (Beira Litoral), localiza-se na sub-região do Baixo Vouga e integra-se numa individualidade regional - a Ria; caracteriza-se pela existência de esteiros e canais em todas as freguesias, esta influência marinha constitui nela e ao seu redor, uma diversidade de biótopos (águas livres, ilhas com vegetação, vasas e lodos, sapais, salinas e campos agrícolas), com grande importância do ponto de vista ecológico.

Todo o concelho é bastante recortado por linhas de água, sendo o mais importante o rio Antuã, caracterizado por margens bem protegidas onde se registam por vezes declives superiores a 25%, ao mesmo tempo que imprime à paisagem um encanto surpreendente e bucólico, pelas represas e azenhas ao longo do seu curso.

Pela sua situação geográfica integra-se na faixa dos climas temperados (T.M.A. - 14ºC) de influência mediterrânea. É limitado pelos concelhos de Ovar, Oliveira de Azeméis, Albergaria-a-Velha e Murtosa, sendo servido por uma importante rede viária.

A ocupação humana deste território - outrora junto ao mar e após à ria - remonta, de acordo com os estudos arqueológicos realizados, ao Neolítico (séculos V a III a.C.), existindo alguns artefactos deste período. Há provas também de comunidades ao longo do Megalitismo, da Idade do Ferro, da época Romana e da Idade Média. Fonte CM Estarreja

Pardilhó ocupa um lugar especial no coração do Ondas da Serra, por isso certo dia fomos à procura da sua história e encontramos um livro com as memórias dum Pardilhoense que tinha vivido no Brasil, Mário de Oliveira Saleiro, “O Almocreve da Ti Rendeira | Esboço da História Contemporânea de Pardilhó”. Através das suas palavras ficamos a conhecer melhor a história desta terra, profundamente ligada à Ria de Aveiro, pesca, construção naval, terras marinhoas, famílias, pedreiros e tempos onde o homem estaria mais conectado à mãe terra.

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares, onde o machado com arte devastava o pinho para fazer nascer moliceiros, sendo estes artífices conhecidos por "Mestres do Machado".

O Criador quando chegou a Pardilhó, deveria estar de bom humor, por ter feito tão bonita obra. As terras são baixas e de altitude quase constante, conhecidas por Marinhoas. Estes lugares perto do mar e da ria, formados por terrenos arenosos e aluvião, conferiram uma acentuada identidade regional a Pardilhó, Bunheiro, Murtosa, Monte, Veiros, Torreira e pedaços de Estarreja e Ovar.

Pardilhó é uma vila pertencente ao concelho de Estarreja, nascida junto à Ria de Aveiro, repleta de encantos e recantos que facilmente enamoram o visitante. Esta terra possui uma atmosfera especial, um tempo peculiar e gentes afáveis e trabalhadoras.

O percurso pedestre do Rio Gonde começa no interior da Casa Museu Egas Moniz em Avanca - Esterreja e deve o seu nome ao rio que o acompanha e desagua na Ria de Aveiro. O mesmo tem como principais atrativos a Casa Museu e os seus jardins, o Rio Gonde e a Ribeira do Mourão.

Avanca é uma freguesia do concelho de Estarreja e distrito de Aveiro. É limitada pelos concelhos de Murtosa, Ovar e Oliveira de Azeméis. Fica localizada a cerca de 6 km do centro de Estarreja, tendo como principais acessos a Estrada Nacional 109, A29 e linha do Norte dos Caminhos de Ferro. A sua ligação com a ria de Aveiro faz-se através da Ribeira do Mourão. Aqui neste artigo vamos falar um pouco da sua estação de comboios, devido à sua beleza e ligações à cultura popular.

Pág. 1 de 2