Sever do Vouga (5)

Sever do Vouga

Com uma localização privilegiada, Sever do Vouga é um território abençoado pela natureza, onde os rios e as quedas de água convidam à aventura e ao descanso, onde o artesanato mantém viva a tradição e os saberes e sabores genuínos da gastronomia atravessam gerações.

Com 130Km2 atravessados pelo rio Vouga e seus afluentes, o concelho possui cerca de 70% de mancha florestal, na qual repousam monumentos e estações arqueológicas. Com vestígios de arte rupestre, o Forno dos Mouros, a Necrópole da Anta da Cerqueira e do Chão Redondo e, ainda, a Anta da Capela dos Mouros e a Via Romana confirmam a passagem de povos pré-históricos. Já os pelourinhos, moinhos de água (alguns em funcionamento), eiras comunitárias e espigueiros são outros exemplos do património histórico edificado.

Todavia, é no património natural que mais se demora o olhar quando percorremos os caminhos ou vias do concelho. As Cascatas da Cabreia e da Frágua da Pena, os rios Lordelo e Gresso, as aldeias, com destaque para a Aldeia dos Amiais e a sua Eira Comunitária contígua e sobranceira ao plano de água da Albufeira de Ribeiradio-Ermida, a Ribeira de Carrazedo, o Morro do Castêlo, o rio Vouga e a Ponte do Poço de S. Tiago, ex líbris do concelho, são alguns exemplos de rara beleza.

A riqueza paisagística projeta-se ainda em outros pontos de interesse turístico, como a Praia Fluvial Quinta do Barco, o Parque do Areeiro, o rio Alfusqueiro, as Pedras Talhadas e a Ecopista do Vale do Vouga, que percorre os trilhos onde outrora se ouviam os apitos das míticas locomotivas da Linha do Vale do Vouga.

O Parque Urbano da Vila, também um ícone de referência paisagística. Ali encontram-se instalados dois importantes equipamentos culturais: a Biblioteca e o Museu Municipal que, juntos, são responsáveis por uma oferta cultural e recreativa variada cuja qualidade da programação tem sido reconhecida através de prémios e menções honrosas. E porque uma mente sã exige um corpo igualmente saudável, estão à disposição percursos de manutenção e um Parque Geriátrico.

As áreas verdes nas ruínas das Minas do Braçal, que adivinham a beleza inconfundível dos seus jardins envoltos na paisagem autóctone também surpreendem o visitante que encontra ali o cenário ideal para prática dos desportos de natureza e de observação. Existe, igualmente, uma rede de percursos pedestres, no seu total dez, de grande valor paisagístico e patrimonial, que merece ser percorrida.

Os desportos de natureza também têm no rio Vouga um palco privilegiado para diferentes atividades. Além de adrenalina, o Vouga oferece, ainda, um dos produtos gastronómicos mais emblemáticos, a lampreia, que junto com a vitela assada com arroz de forno e o cabrito, fazem as delícias de quem os saboreia, assim como a doçaria regional, em que o mirtilo e a laranja são os principais produtos.

Quem se determina a visitar Sever do Vouga pode beneficiar também da oferta anual de eventos, que em conjunto com outras iniciativas complementares, fazem Sever do Vouga acontecer em diferentes vertentes. Exemplo são a Rota da Lampreia e da Vitela, integrada no cartaz da Entidade Regional Turismo Centro de Portugal (março), Ralicross de Sever do Vouga, com provas pontuáveis para o campeonato nacional (julho e setembro), Feira Quinhentista/Foral (maio), Feira Nacional do Mirtilo e Festim (junho), FicaVouga (julho), Festival Internacional Guitarras Mágicas (julho), Rota do Cabrito (outubro).

Tudo isto, somado à generosidade da mãe natureza que presenteou o território com uma paisagem de rara beleza em que o verde é recortado pelas linhas de água do rio Vouga e quedas de água, faz com que os turistas se sintam atraídos por Sever do Vouga. Mais que um local de passagem, o concelho tem vindo a consolidar a sua posição de destino turístico de eleição dentro da Região de Aveiro e do território Montanhas Mágicas®. Fonte: Turismo Centro de Portugal

Ondas da Serra nas suas explorações do percurso pedestre 2.3 - “Cabreia e Minas do Braçal”, esteve primeiro nas instalações abandonadas dumas antigas minas da Portucel, onde encontramos no chão restos do passado em forma de antigos documentos de “Guias de Amostras de Aparas” dos anos 70 do século passado. No interior por entre os escombros fomos surpreendidos pelo esvoaçar dum morcego, o animal não gostou que fossemos importunar o seu descanso. Neste local em tempos existiu um jardim bem cuidado e encontramos uma espécie que parecia a árvore da vida tal a sua imponência e majestosidade.

Ondas da Serra fez uma incursão em terras de Sever do Vouga no passado dia 04 de maio, “desde manhãzinha até a noite findar”. O dia apresentou-se soalheiro, mas envergonhado, por vezes ficava triste sem motivo, mas isso não nos impediu de calcorreamos os caminhos e as margens dos rios do PR2 – “Cabreia e Minas do Braçal”.