Explorando antigas minas e quedas de água Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Ondas da Serra fez uma incursão em terras de Sever do Vouga no passado dia 04 de maio, “desde manhãzinha até a noite findar”. O dia apresentou-se soalheiro, mas envergonhado, por vezes ficava triste sem motivo, mas isso não nos impediu de calcorreamos os caminhos e as margens dos rios do PR2 – “Cabreia e Minas do Braçal”.

Chegados ao Parque da Cabreia a viagem não podia começar sem um batismo matinal nas gélidas águas das quedas de água de “Silva Escura”. Depois lá fomos pé ante pé por paisagens deslumbrantes junto ao “Rio Bom” e “Rio Mau”. Almoçamos dentro das ruínas das “Minas da Malhada” e fomos transportados para outras eras, onde sempre se encontram as dificuldades da vida do povo, num tempo onde os homens se embrenhavam no interior da terra para extrair o minério e a sua “VIDA”.

Continuamos a viagem até às minas do Braçal, com os seus túneis e restos de escórias de mineração. Podemos recolher várias amostras de rochas coloridas, tendo um idoso da região de nome Hilário Almeida, com 87 anos de idade, nos dito que as mais escuras tinham chumbo. A conversa com o mesmo fica para outro artigo.

Este percurso pedestre é constituído por três opções, PR 2.1, PR 2.2 e PR 2.3, todos em rota circular. O último é aquele que possui maior trajeto, tendo sido o que escolhemos e que tem cerca de 10 Km. No entanto no final achamos que ele é demasiado rico em conteúdos para o fazermos duma vez.

Por todo o lado se encontram motivos muito ricos para os amantes da fotografia, da natureza e da vida rural. No interior das aldeias as casas estão muito cuidadas com jardins e árvores que fazem lembrar o paraíso e os dois exploradores tinham que se revezar para chamar o companheiro à realidade e não se perderem em contemplações. Há algum tempo atrás aconteceu-nos na Serra de Montemuro termo-nos demorado demais nas conversas com pastores e aldeões e saído da mesma já com noite serrada do meio dos montes e com à ameaça dos lobos à espreita.

É bonito ver ruínas de antigas construções fabris, faz-nos recordar que a natureza acabará sempre por tomar conta de tudo e nós estamos cá de passagem, por isso devemos amá-la e respeita-la, ela é uma boa mãe e nós não seremos com certeza o seu filho pródigo.

Aqui fica o nosso vídeo destas terras e que esperemos as suas gentes as saibam proteger. 

Faça um aventura nos percursos pedestres do Parque da Cabreira. Veja um trabalho realizado pelo "Ondas da Serra" e fique com uma ideia do que pode encontrar, ver artigo.

Se quiser ficar a conhecer algumas das histórias desta região contadas por um antigo ancião, veja aqui o artigo.

Lida 1821 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.

Foz do Alge | Uma ode à mãe natureza

A povoação de Foz do Alge pertence à freguesia de Arega - concelho de Figueiró dos Vinhos, distrito de Leiria, do nosso Portugal. Este reino foi ali conquistado junto das águas do Rio Zêzere com as da Ribeira de Alge, num cenário de grande beleza, quebrada à volta pelos grossos mares de eucaliptos, que estão sempre à espreita para o aniquilar.