Ilídio Fernandes de Tebilhão Ilídio Fernandes de Tebilhão
quarta, 31 janeiro 2018 02:45

Ilídio Fernandes de Tebilhão Destaque

Classifique este item
(1 Vote)

Nos nossos caminhos pela Rota do Carteiro em Arouca, que liga Rio de Frades a Tebilhão, fomos encontrar uma casa que no meio das outras de pedra granítica, em tons pardos e montanhosos se destacava pela cor dos azulejos colocados que embelezavam as suas fachadas. Ficamos curiosos, batemos à porta na esperança de não sermos corridos à força e tivemos sorte, já que o proprietário interrompeu o seu almoço para nós falar. No interior da casa um fogão a lenha aquecia o lar, cá fora reinava o frio. As paredes estavam cobertas por retratos da sua vida e artefactos pitorescos.

Ilídio Fernandes de TebilhãoIlídio Fernandes, conta já com 70 anos, nasceu e fez-se homem nesta aldeia Tebilhão, mas as fracas oportunidades levaram-no como outros a emigrar para a França durante a maior parte da sua vida, onde fez um pouco de tudo, mas regressou quando se reformou em 2007. Nunca casou e mantêm-se solteiro, tem seis irmãs espalhadas por Portugal e estrangeiro. Aqui nestes locais isolados é quase obrigatório ter como ele, uma boa relação com os vizinhos para se ajudarem e protegerem mutuamente.

Em relação aos azulejos disse que enfeitou a casa porque gosta e explicou-nos o seu significado; O azulejo com a inscrição “Casa do Sapateiro”, foi colocado porque foi o avô que a construiu, não soube dizer donde veio esse apelido já que ele apenas foi pedreiro. Outro painel tem o nome do local “Praça do Reboleiro” e duas são da Nazaré, colocadas apenas para embeleza. Um painel com um rebanho de ovelhas remete para o facto dele antes de ir para França, ter sido pastor e andar pelos montes apascentar os animais. A fachada tem também motivos religiosos, como não podia deixar de ser, a Nª Srª dos Emigrantes, por motivos óbvios.

Para passar o tempo vai por vezes à França e caminha pelas serras em redor. Sobre a sua terra disse “Cada vez mais estão a desaparecer as pessoas, há 30 anos que não nasce cá uma criança, aqui já teve 25 raparigas solteiras, agora estão todas para o estrangeiro”. No local só vivem cerca de vinte pessoas, “De setenta anos sou eu e outro, cinco homens e quatro mulheres com menos de sessenta, o resto tem oitenta e noventa anos”.

Na sua aldeia realiza-se no dia 12 de agosto a festa de Santa Barbara, alguns emigrantes vêem de propósito para os festejos da sua padroeira. Ele é muito religioso por isso tem um azulejo com a Nª Srª de Fátima na chaminé.

Mostrou-nos um candeeiro que usava quando era novo para regar o milho, naquele tempo ainda não havia eletricidade, em 1965 quando foi para a França ainda não tinha sido colocada.

O outro candeeiro preto que nos mostrou servia para alumiar as minas de onde se retirava estanho em Rio de Frades e Chãs, onde também trabalhou o seu pai.

Deixamos este homem acabar o seu almoço de massa, batatas e frango e continuamos a caminhar para ali próximo junto a uma fonte encontrarmos três mulheres em alegre cavaqueira. A mais velha disse não estar vestida para a ocasião e foi-se rapidamente embora. As que ficaram foram a Fátima Teixeira, com 65 anos e Avelina Teixeira, com 66 anos.

Já no regresso e ao sair da aldeia deparamos com a idosa Albertina Aires, 84 anos, a transportar a Sagrada Família, que segundo apuramos fica dois ou três dias em cada casa.

Leia também: Rio de Frades - Rota do Carteiro

 

Lida 977 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

Felisberto Amador | Mestre do machado na Ria de Aveiro

Em outros tempos a Ria de Aveiro era sulcada por moliceiros, mercantéis, bateiras e outras embarcações em madeira que o tempo foi apagando, assim como os homens que lhes davam forma com a sua arte e engenho, munidos apenas com ferramentas rudimentares.

Arouca | Praia Fluvial de Albergaria da Serra

Localizada no planalto da Serra da Freita em Arouca, a Praia Fluvial de Albergaria da Serra oferece nos dias quentes de verão uma boa alternativa às águas do litoral.

Terras de Paço de Mato, Viadal, Vilar e Gatão

O Ondas voltou à Vale de Cambra para continuar a descobrir as suas bonitas aldeias ou reencontrar alguns amigos e começar o percurso onde antes tínhamos terminado em Paço de Mato.