quarta, 28 fevereiro 2018 10:10

António Paraíso: “Na Expofoto 2108 vou falar da magia do luxo”

Classifique este item
(0 votos)

O marketing de luxo é um dos temas em destaque na 13ª edição da Expofoto. O salão de conferências do Europarque recebe António Paraíso este Domingo para falar sobre marketing, inovação e luxo: um “amor perfeito”, nas palavras do especialista natural de Guimarães.

Aos 55 anos, o profissional da comunicação conta com mais de 45 carimbos no passaporte, fruto das viagens de negócios que faz ao longo do ano. Com a ambição de ser feliz, gosta de pensar fora da caixa e de evoluir permanentemente. Habituado a falar em público, procura em cada palestra motivar os que o ouvem e mostrar como se pode melhorar profissionalmente.

O Ondas da Serra falou com António Paraíso sobre a sua intervenção na Expofoto 2018, organizada pela APPImagem - Associação Portuguesa dos Profissionais da Imagem. Uma conversa sobre marketing, luxo e inovação, mas também sobre projetos e ambições.

 

Ondas da Serra (OS): Não é um pensador mainstream. Que tipo de pensador é?

António Paraíso (AP): A vida ensinou-me que quando somos iguais aos outros, não nos destacamos e o nosso valor não é bem percecionado pelos outros. Por isso, há já muitos anos que procurei treinar e desenvolver a capacidade de “pensar fora-da-caixa” para fazer as coisas de forma diferente do habitual. Isso reflete-se sobretudo na minha forma de trabalhar.

 

OS: Em que mercados é que o luxo, o marketing e a inovação são fortes e complementares e em que mercados é que ainda têm um longo caminho a percorrer?

AP: Não se pode dizer propriamente que o mercado do luxo tenha fronteiras ou nacionalidade. É um mercado supranacional e global. As marcas estão presentes na maioria dos países e mercados e os consumidores habituais de luxo viajam com frequência e compram em qualquer lugar. Contudo, poder-se-á afirmar que a pátria do luxo é a Europa, o mercado de maior consumo continua a ser os EUA, logo seguido pelo mercado asiático. Portugal não tem um papel relevante no panorama mundial do luxo, mas tem vindo a crescer lenta e gradualmente na oferta de turismo de alta qualidade.

 

OS: Luxo, marketing e inovação. Amor perfeito ou relação turbulenta?

AP: Amor perfeito, sem qualquer dúvida. As marcas de luxo todas desenvolvem e praticam formas de marketing, com mais ou menos subtileza. Precisam de o fazer para alimentar a relação privilegiada com os consumidores e fans. A inovação é vital nas marcas de luxo, para permanentemente surpreenderem os clientes e incentivarem a compra por impulso.

 

OS: O que são vendas elegantes?

AP: São relações que se estabelecem com públicos-alvo, de tal forma que não é necessário fazer um grande esforço de venda, pois, fruto dessa relação, é o cliente que sente desejo de comprar. Para que isso aconteça será necessário desenvolver um trabalho abrangente, minucioso e coordenado.

 

OS: É mais fácil vender ou motivar profissionalmente as pessoas?

AP: Sinceramente não sei. Ambas envolvem relacionamento com pessoas. Ambas exigem esforço, gosto e dedicação. E ambas são perfeitamente possíveis de alcançar com êxito, quando nos empenhamos.

 

OS: Quando está em palco, quais são as suas âncoras para enfrentar o público?

AP: Gosto muito de estar em palco. Mas só para lá vou se dominar o assunto de que vou falar e mesmo assim só depois de me preparar muito bem. O domínio do assunto não chega. A preparação é fundamental para que o público disfrute de uma apresentação qua não esqueça e que lhe acrescente valor.

 

OS: A sua intervenção na Expofoto 2018 irá debruçar-se em que temas?

AP: No grande evento Expofoto 2108 vou falar da magia do luxo e de como podemos acrescentar valor ao nosso trabalho e nos aproximarmos da excelência. Qualquer pessoa que trabalha por conta própria ou de outrem e tenha ambição de ser melhor profissional, poderá inspirar-se a fazer coisas novas e melhores no seu trabalho, se ouvi as ideias que vou apresentar.

 

OS: Quais são os projetos para 2018?

AP: A minha principal aposta em 2018 é de avançar para o mercado internacional de forma mais consistente e organizada.

 

Entre amanhã e Domingo, Santa Maria da Feira é o centro da fotografia, do vídeo e das relações entre marcas e pessoas. A cidade recebe a Expofoto de 1 a 5 de Março.

Lida 567 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

Maia & Andrade | Imobiliária de Gerações

O ‘Ondas da Serra’ visitou a imobiliária Maia & Andrade em Ovar para se inteirar um pouco deste mercado tão em voga e aquilo que tem para nos revelar, nomeadamente nesta área geográfica onde está inserida.

Os Amigos da Tasca Centenária e da música popular Portuguesa

Em Cabomonte – São Miguel de Souto, na Tasca Centenária da Marçalina, um grupo de amigos reuniam-se em convívio à volta das cartas, dos petiscos e das brincadeiras. Com o tempo trouxeram instrumentos, os cantares ao desafio e a vontade de formarem um grupo musical. Desta forma simples nasceu o conjunto “Os Amigos da Tasca Centenária”, composto por seis músicos e uma cantadeira que perpetuam a nossa memoria coletiva com as suas vozes e melodias tradicionais.

A Loja Centenária da Marçalina

Ondas da Serra viajou até Cabomonte – São Miguel de Souto, onde subsiste há mais de um século uma antiga taberna, mercearia ou como o povo gosta de chamar “Loja de comes e bebes”, mais conhecida por “Loja da Marçalina”, uma das mais velhas das terras de Santa Maria e onde ainda se podem sentir os refinados odores dos petiscos dos nossos avós.