sexta, 02 dezembro 2016 23:01

Fogaça: Ex-libris feirense

Classifique este item
(0 votos)

Santa Maria da Feira contempla no seu passado um conjunto de conquistas que um dia fez erguer, e que hoje é visível para quem visita a cidade pela primeira vez, um castelo. Aproveitando este marco histórico, surge a Fogaça. Um doce típico da cidade feirense que possibilita a quem a prova adoçar o seu apetite e ao mesmo “provar” um pouco da história deste recanto nortenho.

A fogaça de Santa Maria da Feira

Segundo dados estatísticos, a cidade de Santa Maria da Feira abriga no seu perímetro 18 194 habitantes. Todos estes cidadãos além da sua gene feirense já provaram a Fogaça e mais do que a saborear, também já deram a provar a quem vem de fora.

A fogaça é um pão doce e a sua aparição remonta ao século XVI. Relativamente ao seu formato, este doce apresenta uma forma de castelo, onde não poderiam faltar 4 bicos numa evidente alusão às quatro torres do monumento mais histórico da Vila da Feira, como era antigamente designada, antes da sua elevação a cidade.

De importância impar para a economia feirense, a Fogaça é considerada uma riqueza gastronómica desta região sendo representada por duas entidades que têm a missão de defender o património cultural que é inerente a este bolo tradicional, a Confraria da Fogaça e o Agrupamento de Produtores de Fogaça da Feira.
Para os mais curiosos que queiram conhecer e provar a Fogaça, existem várias superfícies espalhadas pela cidade que colocam à sua disposição este pão doce.

O 'Ondas da Serra' deixa então uma dica, caso não conheça Santa Maria da Feira dirija-se ao ponto mais alto da cidade, onde está o situado o Castelo, e ao mesmo tempo que desfruta de uma vista privilegiada de todos os pontos da cidade, saboreie uma fogaça. 

 

Lida 762 vezes

Autor

Ricardo Grilo

Histórias capazes de entrar em contacto com as emoções de quem as lê justificam a minha paixão pelo jornalismo. Natural de Santa Maria da Feira, acredito no potencial de um concelho em ensaios para escrever a sua autobiografia. Aos 24 anos, e enquanto colaborar do ‘Ondas da Serra’, procuro a beleza em escrever sobre uma terra tão especial.

Itens relacionados

O segredo do fabrico do pão e regueifas de Ul - Parque Temático Molinológico

O Parque Temático Molinológico, fica localizado nas freguesias de UL, Travanca e Loureiro - Oliveira de Azeméis, onde está a ser feita a preservação etnográfica dos antigos ofícios de moleiro e padeiro. O segredo do afamado pão de UL aqui cozido é que não há nenhum milagre ou artes mágicas, mas sim carinho empregue na sua fabricação, usando técnicas ancestrais, com produtos genuínos e fornos onde a alquimia produz ouro destes cereais, unindo os elementos da terra, ar, água e fogo, num produto que remete para as nossas raízes primordiais.

Pão de ló de Ovar | Conheça a sua história e as fases do seu fabrico

O Pão-de-ló de Ovar é um doce com certificação de identificação geográfica protegida, produzido na cidade vareira, do distrito de Aveiro, confecionado à base de gemas de ovo, com um aspeto disforme, que esconde um sabor delicioso, granjeando ao longo do tempo grande fama e sendo atualmente um dos maiores ex-líbris da região.

Casa Alentejana | Aroma e Sabor a Tradição

Por esta vez o ‘Ondas’ deixou a serra e foi ao Litoral. Estivemos em Ovar para conhecermos um local muito particular.

No centro da cidade de Ovar, na praça Largo Família Soares Pinto onde também 'mora' o icónico chafariz Neptuno datado de 1877 é onde se encontra a Casa Alentejana, um estabelecimento onde podemos comprovar a cultura gastronómica da região Alentejana em plena terra de 'Vareiros'!