Terras de Fuste, Função e Paço de Mato Alberto Alves, 76 anos, habitante de Paço de Mato - Rôge - Vale de Cambra
sábado, 05 janeiro 2019 11:28

Terras de Fuste, Função e Paço de Mato

Classifique este item
(1 Vote)

Ondas da Serra partiu à descoberta um destes dias por terras de Vale de Cambra. Deixamos o carro em Rogê, perto do Centro Cívico e partimos para desbravar terrenos e procurar aventuras. Não fomos de caravela, nem navegamos numa nau, levamos a bicicleta, não levamos varapau. 

O começo da aventura em Rogê - Vale de Cambra

A nossa primeira paragem foi no Açude do Moreira, situado no Rio Caima ainda em Rogê. Fomos depois ver a Ponte Velha, junto à Rua com o mesmo nome e voltamos à estrada municipal 550, que serviu como guia para a nossa jornada. Passamos por Sandiães, paramos para ver a sua Capela de Santa Ana, uma construção do século XVIII, de estilo setecentista e chegamos ao nosso destino principal, Fuste. Quando fizemos o PR4, Trebilhadouro, ficamos com vontade de explorar com mais pormenor esta aldeia, dotada de muita beleza natural e arquitetónica.

Maria Idalina e a sua bonita vaca

Ao chegar vimos a senhora Maria Idalina, com a sua bonita vaca, que passivamente se deixava conduzir. Ali perto no vale, Virgulino Marcelino montado num escadote podava as suas videiras.

Igreja de Nossa Senhora Desterro - Função

Visitamos a Igreja de Função, em honra de Nossa Senhora Desterro e lá do alto, vislumbrávamos ao fundo a nossa querida Ria de Aveiro e o Oceano Atlântico. O presépio montado no coreto ali em frente, tinha como tema o “O Sonho de José”.

Foi nesta aldeia no café do Ernesto que paramos para descansar e encontramos uma ligação ao nosso passado, numa das paredes um poster recordava uma festa em honra do Divino Espírito Santo, nos dias 17 e 18 de 1964, como fogueteiro tinha mencionada a nossa aldeia de Tarei – Souto.

O caminho até Paço de Mato

A caminho de Paço de Mato, vimos nas encostas da serra, quatro aldeias, que pareciam pedir a proteção dos montes, para não se precipitarem no fundo do vale, Paço de Mato, Viedal, Vilar e Gatão. Paramos na primeira para ver os dióspiros, visitamos o seu pequeno aglomerado de casas em granito. Nesta aldeia pedalamos pelo Caminho Rural de Paço de Mato, inaugurado em 1997, onde encontramos Alberto Alves, com 76 anos a puxar um carro de mão com uma cabaça e outros legumes.

O final do dia aproximava-se rapidamente e não foi por falta de vontade e força que não fomos visitar as outras aldeias, fica para uma próxima oportunidade.

Andamos como os nossos antigos marinheiros a navegar à vista, aportamos em bonitas aldeias em granito, pedalamos por caminhos rurais, acariciamos a natureza, cheiramos a terra dos campos, palramos com os seus agricultores e desfrutamos dos garnizés a cantar, muito bonito.

 

Lida 1347 vezes

Autor

Ondas da Serra

Ondas da Serra® é um Orgão de Comunicação Social periódico, distribuído electronicamente, que visa através da inserção de notícias, promover a identidade regional, o turismo, e a divulgação/defesa do património natural, arquitectónico, pessoas, animais e tradições, dos concelhos da região norte do distrito de Aveiro, nomeadamente: Ovar, Santa Maria da Feira, Espinho, São João da Madeira, Oliveira de Azeméis, Vale de Cambra e Arouca e do forma mais geral dos restantes municípios do distrito.

Itens relacionados

ADUM - Associação Dona Urraca Moreira | Defesa e valorização do património Oliveirense

O Ondas da Serra foi conhecer a ADUM - Associação Dona Urraca Moreira, localizada em Madail – Oliveira de Azeméis, que se dedica à defesa e conservação da natureza e património histórico do concelho. Neste artigo vamos conhecer o seu presidente, a sede da associação e sua história, que atividades têm desenvolvido e quais são os maiores problemas que têm enfrentado nestas áreas.  

A força do caminho e a fraqueza do mundo

Os Caminhos de Santiago exercem em nós uma força que nos impele a visitar regularmente o apóstolo, que reza a lenda descansa na catedral de Compostela. Este ano fizemos a jornada partindo do Porto, seguindo pela costa, saboreando a brisa marítima, o azul infinito do mar e as encostas rochosas à espera de serem por ele reclamadas.

O Cais da Ribeira em Ovar

O Cais da Ribeira de Ovar, filho da ria de Aveiro, em tempos antigos foi um fidalgo abastado, ultrapassado pela importância do vapor que ali perto fez nascer uma estação. A sua construção remonta a 1754 e durante muito tempo teve grande importância no transporte de passageiros e trocas comerciais entre Aveiro, Porto, Régua e outras terras do interior.